Mobilidade nas Ruas: Distrito de Paraíso do Tobias (Miracema)

| Sem comentário
Paraíso do Tobias está situado na Microbacia Hidrográfica do Médio Ribeirão Bonito. A microbacia faz parte da bacia do Ribeirão Bonito e sua área de 51 km² está dentro do domínio remanescente de Mata Atlântica do Estado do Rio de Janeiro.



Em 1832 a Vila de São Salvador dos Campos dos Goytacazes foi desmembrada da província do Espírito Santo e anexada à província do Rio de Janeiro e, em 1835, a Vila foi elevada à categoria de cidade.

A partir desta época intensificou-se a ocupação de seu território. Em 1832 Plácido Antônio de Barros fundou a fazenda Paraíso em terras recebidas de seu tio José Ferreira Brandão, que as havia comprado por sete contos de réis, a noroeste do município de Campos, na época área da Freguesia de São Fidelles de Sigmaringa.



Antes desta época não havia muito interesse de exploração dessa região, por ser distante da cidade de Campos e, também, por falta de incentivo do governo imperial, pois a mantendo preservada em mata virgem habitada pelos índios puris evitaria rotas de fuga do ouro extraído da província de Minas Gerais.


Casa Sede da Fazenda Paraíso - Miracema-RJ - Foto: Reprodução da internet

O território onde hoje está situado o distrito de Paraíso Tobias passou por múltiplos ciclos econômicos como do açúcar, do café e do algodão, além da rizicultura paralelamente ao cultivo desse último. Tudo ocorreu no Engenho da Fazenda de Santa Inês. Atualmente sua atividade econômica está voltada para a pecuária de leite e de corte.



A história da Fazenda Santa Inês tem início com a família Monteiro de Barros, natural de Andrelândia, Minas Gerais, município com base econômica na mineração.


Casa Sede da Fazenda Santa Inês - Tobias Barreto - Foto: Reprodução da internet
No início do século 19, Antônio Bernardino de Barros era proprietário da sesmaria das Três Ilhas, hoje São José das Três Ilhas, distrito de Belmiro Braga, em Minas Gerais. Ele amealhou imensa fortuna com a atividade agrícola e dois de seus filhos, igualmente prósperos fazendeiros, foram agraciados pelo imperador Dom Pedro II com os títulos de Barão de São José D’El Rey e Barão das Três Ilhas.



A partir do final do século 18, houve uma vaga de imigração de mineiros e de portugueses da Ilha da Madeira e dos Açores para o Noroeste fluminense. A família Bernardino de Barros é um desses exemplos.



Aproximadamente em 1870, quatro dos Bernardino de Barros adquiriram propriedades na província fluminense, o que seria hoje o município de Santo Antônio de Pádua.


Entre eles, Francisco Bernardino de Barros, proprietário da sesmaria Fazenda Santa Inês. O declínio da mineração em Minas Gerais pode ter sido um dos fatores da emigração dessa família.



Francisco possuía ainda outras fazendas como Mantinéia, Pyrineus, Prosperidade, Santana, União, Santiago e São Felipe, administrada por seus filhos.


Fazenda Prosperidade - Foto: Rodrigo Melo
Na Fazenda Santa Inês, ele possuía lavoura extensiva de café, cana-de-açúcar e de milho.

No engenho construído em sua propriedade a usina produzia açúcar e álcool. Residindo em uma morada de pau a pique, iniciou a construção de uma casa de vivenda para maior conforto da família.



No entanto, ocorre a abolição da escravidão e a evasão dos escravos da fazenda, ficando Francisco Bernardino sem mão-de-obra para a colheita das próximas safras de café e de açúcar.


Engenho da Fazenda Santa Inês em Paraíso Tobias - Miracema/RJ - Foto: Reprodução da internet
Descontente com a maneira como foi conduzido o fim do trabalho escravo, Francisco Bernardino retornou à sua Fazenda Três Ilhas, em Minas Gerais, falecendo pouco tempo depois.

No dia 26 de fevereiro de 1883, é Instalado o município de Santo Antônio de Pádua, criado por meio do decreto provincial n° 2.597, de 02 janeiro de 1882 em terras desmembradas de São Fidélis.



Em 1892, o povoado de Santo Antônio dos Brotos torna-se distrito, denominado de Miracema e anexado ao município de Santo Antônio de Pádua.

Em 1902, a Fazenda Santa Inês passou a ser de propriedade de Antônio Ventura Coimbra Lopes e seu irmão mais velho, José Ventura Lopes, igualmente mineiros. Antônio Lopes tinha apenas 12 anos de idade quando para lá se mudou com o seu irmão.



A Fazenda Santa Inês possuía 120 alqueires geométricos. Os irmãos Coimbra Lopes adquiriram outras terras nas proximidades, anexando à fazenda aproximadamente mais um mil hectares.


Igreja de Nossa Senhora do Paraíso - Foto: Street Viwer
Naquela ocasião, o trabalho nas fazendas era executado por colonos e o contrato de trabalho em regime de parceria, recebendo o proprietário um terço da produção. Mais de 100 famílias residiram na Fazenda Santa Inês havendo uma escola para a educação dos filhos dos colonos.

A população era estimada em cerca de mil pessoas, distribuídas em aproximadamente 120 casas de colonos existentes ao longo da propriedade.



Era uma verdadeira cidadela existindo uma venda onde faziam compras e eram feitos negócios e transações entre os proprietários da fazenda e os colonos.


Praça Ary Parreiras - Centro histórico de Miracema - Foto: INEPC
No campo da sociabilidade havia um salão de bailes, espaço para jogar raia de malha, realizar festas juninas, do boi pintadinho e do mineiro pau. Muitos colonos dessa fazenda se estabeleceram posteriormente como pequenos proprietários rurais autônomos e no comércio, fruto de suas economias no trabalho do campo.



Sob a administração de Ventura Lopes a Fazenda Santa Inês produziu em grande escala café, cana-de-açúcar, milho, feijão e arroz. Na crise econômica mundial de 1929, com a consequente queda no preço do café, a Fazenda Santa Inês passou a ser a grande produtora de algodão, superando as outras culturas agrícolas.

Abasteceu as fábricas de tecelagem das regiões norte e serrana do Estado do Rio de Janeiro, inclusive a tradicional Fábrica de Tecelagem São Martino, em Miracema.


Prédio da Fiação e Tecelagem São Martino em frente à plataforma de embarque da estação ferroviária de MiracemaFoto: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, vol. VII, 1957
Na segunda década do século 20, o segundo distrito de Miracema deu enorme contribuição para os cofres públicos do município de Santo Antônio de Pádua, não recebendo, em contrapartida, investimentos na localidade. Isso acarretou um descontentamento da população daquele distrito e no ano de 1906, iniciou-se uma campanha separatista de Miracema do município de Santo Antônio de Pádua. Continua na próxima semana.

Em 1920, os líderes da campanha separatista, José Carlos Moreira, José Giudice e Barroso de Carvalho pleitearam do presidente do Estado do Rio de Janeiro, Dr. Raul Moraes da Veiga, a emancipação político-administrativa de Miracema. O pedido foi rejeitado.




Vista Aérea de Paraíso do Tobias - Foto: Earth Google
Em 1921, foi criado o distrito de Paraíso de Tobias, de áreas desmembradas dos distritos de Santo Antônio de Pádua e Miracema, e anexado ao município de Pádua. O nome do distrito originou-se da junção dos nomes da fazenda Paraíso com o nome do imigrante português Tobias Joaquim Rodrigues, que se casou com uma das filhas de Plácido Domingos de Barros e muito fez pelo progresso do lugar.

O Distrito de Paraíso do Tobias foi criado pela lei estadual nº 1728, de 09 de novembro de 1921.



Em 1935 é criado o município de Miracema. Atrvés do decreto estadual nº 3401, de 07 de novembro de 1935, desmembra do município de Santo Antônio de Pádua os distritos de Miracema e Paraíso do Tobias, para formar o novo município.

Com sede no antigo distrito de Miracema, o município formou-se constituído de 2 distritos: Miracema e Paraíso do Tobias, ambos desmembrados de Santo Antônio de Pádua e instalado em 03 de março de 1936.


RJ-200 Estrada de acesso à Paraíso do Tobias, distrito de Miracema. - Foto: Street Viwer
O acesso à Paraíso do Tobias, 2º distrito de Miracema é feito a partir da RJ-200, que tem início num trevo localizado na RJ-116, próximo à Usina Santa Rosa.



Atravessando a ponte situada logo na entrada do distrito, tem-se acesso a poucos metros, pelo lado esquerdo, à RJ-186 (estrada sem pavimentação), que liga Paraíso do Tobias ao município de Santo Antônio de Pádua e São José de Ubá.


Inauguração da Estrada de acesso à Paraíso do Tobias em 1928. - Foto: Acervo de Marcelo Salim de Martino
Em janeiro de 1928 foram inaugurados os 23 km da estrada que liga Miracema a Paraíso do Tobias, percorrendo as principais lavouras de café da época, patrocinada pelos grandes fazendeiros da região, dentre eles, José Alves Cyrino. A inauguração foi celebrada com grande festividade na Fazenda União.



Como as demais fazendas instaladas em Miracema, a Fazenda União produzia tudo necessário para o sustento de seus moradores. Só mesmo o sal, o querosene e os tecidos vinham de fora para a venda na fazenda. Até mesmo os caixões eram confeccionados na serraria da propriedade, além da produção e exportação, em larga escala, do café.


Fazenda União - Foto: Reprodução da internet
Entre 1928 e 1931, a colheita de café do tipo miúdo e moca foi de 25.729 sacas, transportadas para Miracema em caminhão próprio e alugado de terceiros, e vendidos para a Torrefação Miracema, Araújo, Maia & Cia, Pinheiro Ladeira & Cia, Fraga, Irmão & Cia, Sociedade Anônima Luis Corrêa, Fraga & Campos e Janotti & Irmão.




O clima da região é subtropical úmido, com pluviosidade média de 1.200 mm anuais. Os principais subsistemas de produção que compõem a produção agrícola em Paraíso do Tobias são a mandioca, o coco, a cana-de-açúcar e o milho. Na pecuária, as principais atividades são as criações de bovinos de corte e de leite.


Foto: Acervo Viação Miracemense
Em 2011, foi identificado em suas terras um sítio arqueológico dos primeiros habitantes da região, os índios puris. A Fazenda Santa Inês abriu as portas para visitação em 2014. Todo o acervo, uma autêntica lavoura arcaica, está reunido no Centro de Cultura e Memória e inclui instrumentos de tortura de escravos.



Fazem parte da exposição alguns cômodos do casarão de estilo neoclássico, mobiliários do século 19 e um antigo engenho de açúcar. Fica na estrada RJ-200 que liga o distrito de Paraíso do Tobias ao município de São José do Ubá.


A RJ-200 é a única via de acesso ao distrito de Paraíso do Tobias. - Foto: Reprodução da internet
Em agosto de 2019, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ) iniciou série de ações para melhorar a malha viária na RJ-200. O órgão realizou a recomposição do pavimento asfáltico e a revitalização da sinalização da rodovia, totalizando 10,5 km de pintura de faixas no trecho entre Paraíso do Tobias e Miracema.

A rodovia tem 38,7km de extensão, sendo apenas 18,8km pavimentados entre Tobias Barreto e a divisa de Palmas.





Tags : , , , ,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[2][iconeI][style-1][LEIA TAMBÉM][As mais lidas até o momento]

Somos movidos pelo interesse de explorar os meios, modos e regras que integram o sistema de mobilidade urbana no Estado do Rio de Janeiro. O avanço tecnológico tem trazido mais dinamismo nas cidades, fazendo com que a população evolua e acompanhe esse avanço.

Buscamos obter informações, matérias, históricos e projetos de mobilidade e transformação urbana, assim como a realização de visitas técnicas em empresas, concessionárias e instituições relacionadas à Mobilidade Urbana do RJ, cuja perspectiva é abordar temas mais diversos e estar inteirado no que há de vir nos serviços de transportes.


Mobilidade nas Ruas: Distrito de Santo Aleixo (Magé)

O Distrito de Santo Aleixo localiza-se no extremo norte do município de Magé, junto às divisas de Petrópolis e Guapimirim; distanciando-se n...

NOSSOS PARCEIROS