Terminal Rodoviário de Nilópolis

| Sem comentário
Inaugurado em 1979, o Terminal Rodoviário de Nilópolis esta localizado na Avenida Getúlio de Moura próximo à Rua Alberto Teixeira da Cunha.



Inaugurado e administrado pelo poder público através da CODERTE - Companhia de Desenvolvimento Rodoviário e Terminais do Rio de Janeiro, atualmente é operado por um consórcio de empresas através da RioTerp, o qual declarou um investimento de R$ 20 milhões em melhorias.



Na década de 90 o terminal recebe obras de melhorias, sendo reinaugurado no dia 29 de junho de 1998.


Retroescavadeira prepara o terreno para a construção de um estacionamenro em Nilópolis - Foto: Rio Terminais

Os recursos para investimento foram firmados em 2011, através do contrato nº 023/2011, onde a CODERTE e Marc Engenharia & Projetos Ltda acoerdaram a prestação de serviços para desenvolver o trabalho de adequação do Projeto Conceitual desenvolvido pela CODERTE, relativo às obras de reconstrução e reforma dos Terminais Rodoviários:
Terminal Rodoviário Américo Fontenelle;
Terminal Rodoviário Menezes Cortes;
Terminal Rodoviário Nova Iguaçu;
Terminal Rodoviário de Nilópolis.



O contrato referente ao processo nº E-10/700.993/2011 no valor de R$ 75.000,00 foi assinado no dia 08 de setembro de 2011.


Terminal Rodoviário de Nilópolis - Foto: Reprodução da internet
O Consórcio Rio Terminais Rodoviários de Passageiros S/A (RIOTERP), composto pela Fetranspor, Socicam Serviços e Socicam Administração e Projetos assumiu a administração e operação dos terminais rodoviários Menezes Côrtes, Américo Fontenelle no Centro do Rio, Nova Iguaçu e Nilópolis na Baixada Fluminense.


Plataforma C interditada para a construção do estacionamento em anexo ao Terminal - Foto: Rio Terminais

O Terminal movimenta atualmente mais de 169 mil ônibus que atendem a mais de 24 milhões de passageiros/ano. O terminal opera com linhas metropolitanas para o Centro do Rio de Janeiro e outras regiões da Baixada Fluminense.



As empresas que fazem parada no terminal são:



  • Auto Viação 1001
  • Expresso São Francisco
  • Nilopolitana
  • Viação N.S. Penha
  • Viação Ponte Coberta
  • Viação São José






A Fazenda São Mateus

O desenvolvimento das terras onde mais tarde se tornou a cidade de Nilópolis deu-se com a inauguração a 29 de março de 1858 da linha de trem da E.F.D Pedro II (posteriormente denominada Estrada de Ferro Central do Brasil), cortando a então Fazenda São Matheus com destino a Queimados.


A estação de Engenheiro Neiva foi inaugurada em 1914 - Foto: Estações Ferroviárias
A população nativa foi abandonando as terras, não só devido ao movimento abolicionista, como também por novas opções de mão-de-obra devido ao progresso e outras novas atividades. E as terras da Fazenda São Mateus a partir de 1866, tinham como proprietários os capitalistas do Rio de Janeiro o Conde e o Barão de Bonfim, e por fim, Jerônimo José de Mesquita, que as negociou com o criador de cavalos e mulas, João Alves Mirandela, que tinha como sócio Lázaro de Almeida, conforme escritura lavrada no dia 22 de setembro de 1900, no valor de vinte e cinco contos de réis.


Capela de São Mateus - Fundada em 1637 - Foto: Nilópolis Online

Da escritura consta que além das terras negociadas havia dois barracões e imóvel, que era a capela de São Mateus, e sede da fazenda que limitava-se:



Pelo lado de Maxambomba (atual Nova Iguaçu) com a fazenda da Cachoeira, de propriedade do Barão de Mesquita e com as terras dos herdeiros de Antônio Rocha;

Pelo lado da Pavuna, com as terras dos herdeiros do capitão Augusto da Costa Barreto e Sebastião Alves de Almeida;

Pelo lado direito, com o Distrito Federal, com as terras da fazenda de Nazaré (Anchieta) e terras da fazenda do Cabral (do capitão Manuel Cabral).

João Alves Mirandela e seu irmão Manuel Alves Mirandela, grandes criadores de animais para o Exército, cercaram uma área, junto à cerca da fazenda do Gericinó, até que seu enteado Vitor Ribeiro de Faria Braga, convenceu-o a desmatar a fazenda para um possível loteamento. Procedido ao desmatamento o mesmo enteado propôs a João Alves Mirandela que se fizesse uma planta da área, que foi aceito por um documento público, chamando o então engenheiro da Central do Brasil, Teodomiro Gonçalves Ferreira, para executar a planta da cidade que iria surgir das matas da fazenda. 


De Vila Ema à Nilópolis

Já no final de 1913 os jornais anunciavam lotes medindo 12,50m. por 50,00m., em suaves prestações. Um destes anúncios chamou a atenção do coronel Júlio de Abreu que veio pessoalmente conhecer a cidade que estava surgindo, e logo enamorou-se, comprando vários lotes e trazendo após, vários importantes amigos, objetivando erguer uma cidade promissora.

Ele mesmo construiu a primeira casa de pedra e cal, dando o nome de Vila Ema, em homenagem à sua esposa, inaugurando-a festivamente, com as presenças de comerciantes, banqueiros, políticos, homens públicos, ligados ao Rio de Janeiro, no dia 6 de setembro de 1914, marco de fundação da cidade de Nilópolis.


Ônibus que circulava na linha Olinda x Nilópolis (via Iracema/ J. Abreu) nos idos de 1955.
Linha que deu origem a linha Cabral X Comendador Soares da Nilopolitana
No mesmo local fundou o bloco do Progresso de São Mateus, depois de Nilópolis, sob sua inspiração e presidência, tendo como presidente de honra, Nilo Peçanha, que esteve  na cidade duas vezes, com o pensamento voltado para obter os melhoramentos de que uma cidade carece.



Nilópolis esteve por muito tempo vinculado e fazia parte integrante da vila de São João de Meriti, então quarto distrito de Nova Iguaçu, até que por solicitação do deputado Manuel Reis, pela Lei nº 1332, foi elevado a sétimo distrito de Nova Iguaçu a partir de 1916, com apenas dois anos de existência.



E seu desenvolvimento foi num crescimento extraordinário, graças ao empenho de sua população laboriosa até que estando em discussão a nova carta constitucional do estado do Rio de Janeiro, o Deputado Lucas de Andrade Figueira propôs uma emenda, promulgada a 20 de junho de 1947, transformando-se na Lei estadual nº 67, emancipando Nilópolis juntamente com São João de Meriti, e que se comemora a 21 de agosto de cada ano.


Linha Nilópolis x Nova Cidade (via Prefeitura) operada pelaViação Nilópolis, incorporada à São Francisco na década de 70
Porém, nesta emancipação o território da Fazenda de São Mateus com 22km² ficou reduzido a apenas 9 km², perdendo:

5,60km² para Gericinó;
5,60km² para São João de Meriti;
1,80 km² para Nova Iguaçu;


Esse território compreende  aos bairros Fábrica de Pólvora, Chatuba e Édson Passos e Cosmorama (em Mesquita), Vila Norma, Éden, Tomazinho e São Mateus (em São João de Meriti) eram na verdade os bairros do município de Nilópolis. Há projetos para ingressar a Chatuba, Tomazinho e Vila Norma novamente ao município.



Olinda: O segundo distrito


Olinda é um importante bairro de Nilópolis, possui característica atípica na sua relação com o Governo Municipal, sempre desfrutou o seu território de uma relativa independência sem comprometer as regras da unidade municipal. Quando Nilópolis conquista sua emancipação politico-administrativa em 1947, a sua divisão territorial ficou estabelecido que o novo município fosse composto de dois distritos: Nilópolis e Olinda.

Cancelas e passagem de Nível de Olinda - Foto: Reprodução da internet

Esta divisão permitiu ao Distrito de Olinda possuir Cartório e outros equipamentos da vida citadina. Por força da Lei emancipatória de 1947 o 2º. Distrito possuía os seguintes limites:


Com o 1º. Distrito pelos eixos das ruas Corina Padrez e Manuel Reis,
Com o Distrito Federal pelo Campo de Instrução do Gericinó e pelo Rio Pavuna,
Com o município de São João de Meriti pela linha de transmissão da Cia de Carris, Luz e Força do Rio de Janeiro.

Rua Senador Salgado Filho, em Olinda (Calçãdão). Nos prédios que aparecem atualmente funcionam um sacolão e uma papelaria. No terreno ao lado mais tarde foi construído o Cinema São Jorge, hoje no local funciona uma igreja evangélica. Quanto aos caminhões antigos que aparecem, um deles até bem pouco tempo carregava a imagem de São Sebastião na procissão, ele esta guardado em Olinda
Foto: Reprodução da Internet

Quando a Lei Orgânica do Município de Nilópolis foi promulgada em 05 de abril de 1990, nove anos depois em 23 de dezembro foi criada a Lei Municipal 5935. Ela tratou da Lei dos Bairros e o 2º. Distrito ficou com a seguinte divisão:
Centro de Olinda;
Bairro da Mina (Nova Olinda);
Paiol;
Cabral;
Cabuis II;
Manoel Reis II

Rua Manoel Reis, em Olinda, recebendo terraplanagem, em 1957 - Foto: Reprodução da internet

O Bairro Centro de Olinda apresenta as suas conformações geográficas como bairro nos limites:
Ao sul com o Rio de janeiro pelo rio ou canal da Pavuna em Anchieta;
À leste pela Rua Sen Fernando Mendes até o rio Pavuna;
Ao norte pela rua Dr. Manoel Reis
À Oeste pela pracinha Paes Leme e sua respectiva rua até o rio Pavuna.




Historicamente as terras do 2º Distrito pertenceram a Fazenda do Cabral e em sua maior parte a Fazenda São Mateus.



Ligação Nilópolis X Centro do Rio

Na década de 40, Nilópolis já era ligada à Pavuna através de linhas de ônibus. Essa correlaçaõ entre as duas localidades vêm desde os anos 1700, quando a produção de açúcar e aguardente dos engenhos da Fazenda de São Mateus escoavam pelo Porto da Pavuna.

Além da utilização do porto, Nilópolis utilizava-se da Pavuna como Centro comercial, que na época, era mais desenvolvido do que Nova Iguaçu, ao qual Nilópolis era distrito.


Nova Iguaçu Auto Ônibus - Foto: Reprodução da internet

Com a emancipação de Nilópolis, além das linhas de ônibus para a Pavuna, surgiam aquelas com destino ao Centro da Capital. Uma das primeiras linhas era a Nilópolis x Praça Mauá, operada pela empresa Nova Iguaçú Auto Ônubus Ltda.


Linha Nilópolis x Praça Mauá - Foto: Reprodução da internet

Expresso São Ricardo

Já nos anos 60, as linhas que levam o povo nilopolitano ao Centro do Rio começaram a ser operadas pela Expresso São Ricardo. Essas linhas tinham como trajeto os bairros da Pavuna e Ricardo de Albuquerque, partindo de Nilópolis e de Mesquita em direção ao Centro do Rio e à Guadalupe, que já possuía um grande polo industrial, entre as fábricas, estavam localizadas a Fábrica Melhoral, de propriedade do empresário Sidney Ross.


Expresso São Ricardo
A Expresso São Ricardo era uma cooperativa, o que possibilitava ao condutor comprar um ônibus e agregar a ela.



Suas linhas seguiam pelo eixo da Estrada GB-213, atual Avenida Marechal Alencastro, onde a partir dela, as linhas derivavam para Deodoro, Guadalupe e Pavuna.


Expresso São Ricardo operando a linha Praça Mauá x Mesquita (via-Cais do Porto/Camboatá/Nilópolis) em 1965
Linha operadas pela empresa:

Nilopolis x Praça Mauá via Camboatá
Nilopolis x Praça Mauá via Pavuna
Mesquita x Praça Mauá via Chatuba
Mesquita x Central via Chatuba
Mesquita x Melhoral via Chatuba

Em seguida passaram a ser administradas pela Novo Horizonte lá pela década de 70 até que foram repassadas a Rápido Brasileiro.



Rápido Brasileiro SA

Nova Iguaçu Turismo - Transa / Rápido Brasileiro

A Nova Iguaçu Turismo SA iniciou sua operação no segundo semestre de 1978, adquirindo as linhas da Rápido Brasileiro. Entre os diretores haviam dois fundadores da empresa Transa de Três Rios.


003 Nilópolis x Central via Banco de Areia

As duas empresas eram distintas(razões sociais diferentes), ostentando apenas o mesmo nome fantasia e a identidade visual. Para as linhas da Baixada Fluminense, havia uma garagem na Avenida União, próximo à garagem da Nossa Senhora da Conceição.



Entre os anos 70 e 80, o Grupo Transa era uma grande empresa: operava linhas da Baixada para o Rio e o transporte municipal de Três Rios.



Devido à crise econômica do país e da empresa em 1982, a direção da empresa é retomada pela direção da antiga Rápido Brasileiro, mudando então a razão social para Rápido Brasileiro SA mantendo apenas o nome fantasia (TRANSA). 


Transa (Rápido Brasileiro)
Os sócios que assumiram o setor da Baixada Fluminense criaram eram os donos do Grupo Transfada/Transpen de Itararé-SP que usavam esta mesma pintura.


As linhas operadas pela Rápido Brasileiro / Transa eram:

Nova Iguaçu x Praça Mauá
Nilópolis x Praça Mauá via Deodoro
Nova Iguaçu x Central via Deodoro
Santa Eugênia x Central via Deodoro
Nova Iguaçu x Parada de Lucas via Deodoro
Nilopolis x Praça Mauá via Camboatá
Nilopolis x Praça Mauá via Pavuna
Mesquita x Praça Mauá via Chatuba
Mesquita x Central via Chatuba
Mesquita x Melhoral via Chatuba



Auto Viação Márcio

Sediada no bairro Delamare em Nova Iguaçu, suas linhas tinham como trajeto principal, a Avenida Governador Celso Peçanha, classificada como Eixo de Articulação na 5ª Unidade Regional de Governo (Banco de Areia) na época em que esse era distrito de Nova Iguaçu.



Linhas operadas pela empresa:

Nilopolis x Central via Banco de Areia
Nilopolis x Praça Mauá via Banco de Areia
Mesquita x Central via Banco de Areia

Após seu fechamento, suas linhas foram incorporadas pela Turismo Transmil.


Auto Viação Márcio


O Grupo Mageli

A Turismo Mageli surgiu em 1965, com sede na Avenida dos Italianos, 196 - Rocha Miranda, com uma frota de CERMAVAs zero Km. 
A empresa realizava viagens entre o Rio e Nova Iguaçu à São Fidélis e Campos dos Goytacazes.


Veículolo interurbano do modelo Cermava em 1969 - Foto Coleção Weliton Perissé e Armando Reis
Ainda na década de 60, absorve a Meriti Auto Ônibus, passando a operar também linhas regulares.
No 29 de abril de 1971 a fusão das duas empresas resulta na Transportes Mageli, que tranfere a sua sede para a Rua Jorge Nanhay, no bairro de Eden. Já nos anos 80, vende suas linhas rodoviárias para o norte do estado para Auto Viação 1001 e se mantém apenas na região Metropolitana.



Sua garagem de Rocha Miranda é então vendida à Federal Auto Ônibus. Posterormente, a Transportes Mageli tem sua sede junto com a Viação Beira Mar, na Rua Antônio Hermont, 118 - São Mateus, São João de Meriti.



Na década de 90 a empresa já operava as linhas:

São João De Meriti x Praça Mauá
Vilar Dos Teles x Praça Mauá
Éden x Praça Mauá



140B Sao Joao De Mereti x Central
511B Parque Araruama x Central
512B Vilar Dos Teles x Central
513B Vila Tiradentes x Central (posteriormente esticada até o Éden, se tornando Éden x Central via Vila Tiradentes)
514B Éden x Central
516B Venda Velha x Central
517B Éden x CEntral

Até o início dos anos 90, a Mageli operava com horários específicos de partida, uma linha que ligava a Praça do Paiol à Central.



Com a intervenção do Estado em 1985, o governo exerceu o controle sob o Motel Paradise em Mesquita, que na época possuía vínculo societário com a Mageli. Já sem vínculos com a Mageli, o tornou o Hotel Estadual. Atualmente existe outro Hotel Paradisi, construído em frente ao antigo do outro lado da ferrovia.



Em 2008 o Grupo Mageli entrega seu controle administrativo para o Grupo José Alves Lavouras. Seu proprietário, Denis Davis Alves continua como sócio em suas duas empresas, que recebem a identidade visual da holding e passa a ter estabelecidas as mesmas metas e a manutenção pela certificação comum entre as empresas do Grupo JAL.



Além do hotel, o Grupo Mageli nomeou de Paradisi uma de suas empresas, a Turismo Paradisi Ltda, que assumiu o que era da Novo Horizonte.




Novo Horizonte Transporte e Turismo

A Novo Horizonte já teve diversos nomes, entre eles, Gato Preto, Belo Horizonte e por fim Novo Horizonte, nome do bairro de origem da empresa em Nilópolis. Sua garagem era localizada na Rua Otaciano no Bairro Novo Horizonte.

Nos anos 80 muda seu nome fantasia novamente, dando origem à Paradisi.



A Novo Horizonte operava as linhas:

Nilópolis x Praça Mauá via Jurandir
Nilópolis x Central via Jurandir
Nilópolis x Shopping Sendas via Jurandir
NIlópolis x Central via Pavuna
Nilópolis x Tijuca via Pavuna
Mesquita x Central via Pavuna

Em 1977, o DTC-RJ, antecessor do Deto-RJ cria novas linhas ligando a Baixada Fluminense aos bairros de Bonsucesso e Tijuca, operadas pelas empresas Auto Viação Reginas, Auto Viação Vera Cruz e Novo Horizonte.



Essas linhas não foram bem vindas pelas empresas Caprichosa, Forte, Tijuca e Três Amigos, que entrarem na justiça contra o DTC. Tais empresas, alegaramque as linhas recém criadas teriam itinerários sobrepostos e iriam contra a racionalização de linhas.



Segundo a Auto Viação Tijuca, o desvio de parte da frota da linha Nilópolis x Praça Mauá para a nova linha Nilópolis x Tijuca, com ponto final na Rua Almirante João Cândido Brasil, atrás da Praça Varnhagen, concorreria com a linha 233 ao seguir pelas vias Pereira Nunes, Dona Maria e omitia as vias Francisco Bicalho, Elpídio Boa Morte, Praça da Bandeira, Oswaldo Aranha, São Francisco Xavier e Maracanã.



A Novo Horizone pertencia ao Grupo Mageli, que tinha entre suas empresas a Mageli, Beira Mar, Veneza, Cruzeiro e Novo Horizonte. Além de empresas de ônibus, o grupo ainda tinha como propriedade o antigo Hotel Paradisi em Mesquita, na época distrito de Nova Iguaçu.



Turismo Paradisi Ltda


Nascia em meados da década de 80 a Turismo Paradise, absorvendo as linhas que foram da Novo Horizonte. Suas linhas tinham como característica atender aos bairros do Éden e Vila Norma em São João de Meriti e o Bairro Novo Horizonte em  Nilópolis. 


RJ 147.063 chegando ao ponto em frente a Rodoviária Novo Rio operando a linha 477B - Vila Emil x Central
Sua garagem localizava-se na Rua João de Castro, 1250 no bairro Cabuís em Nilópolis. A primeira garagem da Empresa de Transportes Flores. Atualmente no local foi construído o Hospital Estadual Vereador Melchiades Calazans.



A Turismo Paradisi operava as linhas:

Nilópolis x Praça Mauá via Éden
Nilópolis x Shopping Sendas via Jurandir
Nilópolis x Central via Jurandir
Nilópolis x Central via Gato Preto
Nilópolis x Tijuca via Éden
Mesquita x Central via Pavuna
Vila Emil x Central via Dutra
Coelho da Rocha x Central
Vila Tiradentes x Central



Através do processo de E-10/130.007/88, a Turismo Paradise Ltda foi incorporada à Turismo Transmil Ltda, tendo sido decretado o cancelamento do registro da empresa no dia 12 de abril de 1988.





Viação Beira Mar

A Viação Beira Mar foi fundada no dia 18 de maio de 1970. Sua principal área de atuação é na ligação São João-Caxias, onde foi criada a sua primeira linha, a atual 141I Duque de Caxias x São João via Copacabana.





Após o fechamento da Lotação Bons Amigos na década de 70, a Beira Mar operou as linhas:

Nilopolis x São João via Tomazinho
Nilópolis x Tomazinho
Nilópolis x Portugal Pequeno



Na época da Viação Beira Mar, eram operadas utilizando-se de veículos da Viação Veneza, que também integrava o Grupo Mageli.




A partir da década de 80, foram operadas pela N.S. da Conceição, N.S. Aparecida e atualmente pela Empresa de Transportes Flores.



Em 2008 a Beira Mar ainda permanecia no Grupo Mageli, formado apenas por essas duas empresas. Nesse ano, a empresa também tem a sua identidade visual alterada após ter sua administração sob o controle do Grupo JAL.



Atualmente a Viação Beira Mar opera as linhas:

141I Duque de Caxias x São João de Meriti via Copacabana
142I Duque de Caxias x São João de Meriti via Venda Velha




Viação Veneza

A Viação Veneza inicialmente operava linhas circulares do Centro de Nova Iguaçu. Com o seu fechamento, suas linhas foram incorporadas à Empresa N. S. da Conceição e à NITURVI Nova Iguaçu Turismo e Viação. Vindo para ainda nas mãos das empresas Expresso São Francisco, Viação Vila Rica e Transportes Alto Minho.






Linhas operadas pela Viação Veneza:

Centro x INPS
Centro x Ranho Novo
Centro x Delamare
Centro x Prata




Viação Cruzeiro

O grupo Mageli era ainda constituído pela Viação Cruzeiro, com sede em Campos dos Goytacazes, foi fundada em 22 de dezembro de 1977. Sua garagem na Rua Doutor Beda, 547 no Parque Rosário servia de apoio para as viagens rodoviárias da Mageli.



A Sociedade com o Grupo Mageli foi encerrada quando a empresa-mãe deixou de realizar viagens para o Norte do estado. A Viação Cruzeiro, voltou a operar em 2019 em caráter emergencial a linha Rodoviária x Rio Preto via Itereré.




Turismo Transmil


Em 4 de junho de 1983 é fundada a Turismo Transmil SA absorvendo as linhas da Rápido Brasileiro. Posuía sede em Mesquita, distrito de Nova Iguaçu naquela época em 1985 adquiriu também uma garagem em Queimados.



Assumindo da empresa-mãe (Transa) o setor via Deodoro e Anchieta. A Transmil  absorveu ainda linhas da Viação Márcio e Turismo Paradisi.


Turismo Transmil SA com os veículos oriundos da Transa
Após a emancipação de Levy Gasparian, parte de suas linhas se tornou intermunicipal e a Transa voltou a usar RJ, agora RJ-164.

Antes da operação no serviço urbano, a Turismo Transmil operava apenas o serviço executivo nas linhas herdadas da Rápido Brasileiro e as adquiridas da Auto Viação Mário e Turismo Paradisi.

Turismo Transmil - Foto: Reprodução da internet
Surgida de uma cisão da empresa Transa, que deixou o setor Baixada Fluminense e foi se dedicar a atuação em Três Rios-RJ, a Transmil teve três diferentes pinturas e diversos tipos de carrocerias e chassi.




Até os anos 80, outra grande empresa dominava um extenso território na Baixada Fluminense. A EVAL Empresa de Viação Angrense Ltda operava as linhas que ligam Itaguaí, Seropédica e Queimados ao Centro do Rio. A empresa inaugurou em 1978 as garagens em Itaguaí, Seropédica e Queimados.





Em 1985, a EVAL vendeu todas as linhas urbanas em operação que administrava (Queimados, Itaguaí e Seropédica) e concentrou os esforços no fretamento dos coletivos.



A Turismo Transmil, administrada por Renê Gomes de Souza assumiu os setores, se concentrando na garagem de Queimados, onde administrava as linhas dessa cidade, Nova Iguaçu, Nilópolis e Mesquita. 



Para o setor Itaguaí/ Seropédica, foi criada em 1987 a Expresso Real Rio, operando as linhas rodoviárias de Itaguaí e Seropédica para o Castelo. As duas pertenciam ao Grupo Áurea, até serem vendidas na década de 90 para o Grupo Jal.



A Transmil chegou a operar em linhas municipais de Nova Iguaçu no lugar da Elmar em caráter emergencial. Com o Grupo JAL entrando na sociedade, formou o Grupo Transmil com Ponte Coberta, Glória e Gardel. Com a crise na empresa, deixou o grupo, que virou Grupo Ponte Coberta.



No início dos anos 2000, as linhas deixaram de ser executivas e com o serviço urbano, essas linhas se tornaram respectivamente 132B, 124B, 479B e 443B.



A Turismo Transmil exibia em seus itinerário as numerações:

(124B) 003 Nilopolis x Praça Maua Via Ricardo
(129B) 127 Nilópolis x Central Via Jurandy
(132B) 003 Nilopolis x Praça Maua Via Dutra
(443B) 440 Queimados X Praça Maua
(452B) 007 Vila Camorim x Central 
(479B) 005 Mesquita x Praça Maua Via Guadalupe
(515I) 009 Queimados x Campo Alegre 
(516I) 011 Nilópolis x Km 2,5 
(520I) 010 Queimados x Cabuçu


A empresa operou por pouco tempo uma linha noturna (Corujão) ligando Nova Iguaçu à Central, anteriormente operada pela estatal do estado CTC. Tal linha tinha seu itinerário:
Ricardo de Albuquerque - Marechal Hermes - Madureira - Piedade - Meier - São Francisco Xavier - Central.



A linha foi criada para suprir a falta do transporte ferroviário. Haviam três linhas Corujão que circulavam na extensão das ferrovias:

133B Nova iguaçu x Central - Ramal Japeri
610B Belford Roxo x Central - Ramal Belford Roxo
600C Gramacho x Central - Ramal Gramacho


Linha 610B Belford Roxo x Central [CORUJÃO] - Foto: Alex Bernardes
A Nova Iguaçu rodou por pouco tempo com a Trans 1000, a Belford Roxo com a Caravele recebeu a numeração 610B e foi desativada na década de 90. Com o fechamento da Caravele, a linha chegou a ser operada pela Auto Viação Vera Cruz até ser suspensa definitivamente.


Companhia de Transportes Coletivos - A linha 800L Madureira x Nova Aurora foi a última a ser operada pela empresa. Após o seu fechamento, a linha passou a ser operada em POOL pelas empresas Viação Caravele, Auto Viação Vera Cruz e Empresa de Transportes Flores. Além dessas, a Viação São José foi autorizada a operá-la.
A linha 600C passou a ser operada em POOL pelas empresas Auto Viação Reginas e Transportes Santo Antonio após o fechamento da CTC(empresa de ônibus estatal pertencente ao governo do Rio de Janeiro) em meados de 1996. Após dois meses de operação, a linha ficou somente com a Santo Antônio.



A linha foi então prolongada até o Bairro Wona, embora nas "vistas" dos ônibus venha escrito Parque Fluminense.



A Turismo Transmil tinha exclusividade na ligação com o centro do Rio nos municípios de Queimados, Nilópolis e Mesquita, e as linhas qu seguiam para Nova Iguaçu no eixo Avenida Getulio de Moura.


124B Nilópolis x Passeio Rápido
127B Nilópolis x Central Via Dutra
130B Cosmorama x Central
131B Nilópolis x Central Via Dutra
133B Nova Iguaçu x Central Via Ricardo
152B Nilópolis x Central / Via Light



435B Eng. Pedreira x Central
440B Queimados x Central
449B Queimados x Benfica
452B Vila Camorim x Central
475B Nilópolis x Tijuca via Vila Norma
477B Vila Emil x Central via Dutra
478B Mesquita x Central Via Guadalupe
479I Nova Iguaçu x Parada De Lucas Via Ricardo



479B Mesquita x Praça Mauá via Banco de Areia
515I Queimados x Campo Alegre
520I Queimados x Cabuçu
516I Nilópolis x Km 2,5/BR-116
651B Mesquita x Central Via Light

As linhas 475B e 477B foram extintas no final dos anos 90, sendo operadas por Busscar Urbanus (95/96) e Caio Vitória.
A 475B, entre a Rodoviária Novo Rio e Nilópolis, tinha o mesmo percurso que a 127B.


Turismo Transmil operando aatual 133 Nova Igualus x Central via Deodoro - Foto: Acervo Marcelo Prazs
A empresa é assumida em 1998 por Walmir Fernandes Amaral, que no ano de 2000 cria o Grupo Transmil. Com a criação do grupo, os novos sócios iniciaram uma reestruturação na Transmil, investindo no segmento de turismo e fretamento, com ônibus rodoviários, adquirindo os modelos Marcopolo Viaggio e Busscar Vissta Buss, além de implantar o serviço de ar condicionado para as linhas urbanas por ela operada.



As primeiras linhas a receberem o serviço com ônibus refrigerados foram as linhas 440 Queimados x Central, 449 Queimados x Benfica e 561 Nilópolis x Pavuna. É nesta época que a tradicional pintura começa a ser extinta. O Toque dos novos acionistas é dado em um layout nas cores branco, azul e o nome Transmil estampado em letras garrafais na cor prata.



Em 2003, a Transmil entra em crise financeira e o grupo Transmil deixa de existir. As empresas que restaram, formaram o Grupo Ponte Coberta, com o objetivo de tornar uma união de empresas em uma só sede administrativa. A crise financeira se acentua.



Com a saída do Grupo JAL, os acionistas que restaram tentaram dar uma sobrevida à empresa, implantando mudanças, como um novo layout nas cores azul (dois tons), branco e o dourado, além de alterações em itinerários. A Transmil, durante um tempo parecia estar dando a volta por cima, prestando bons serviços.



Em 2004, a empresa vende seus ônibus rodoviários, acabando com o Serviço Tarifa A e o setor de turismo e fretamento. Nesta época, também vende os veículos Ciferal Padron Cidade para pagar dívidas, que cresciam a cada dia.

Para tentar impedir a migração dos passageiros que eram atendidos pelo Serviço Tarifa A, em 2005, a Transmil lançou o serviço “Série Ouro”, que era composto por ônibus urbanos, refrigerados com ar condicionado, televisão e som ambiente. A frota, nesta época era composta por Neobus Mega, Marcopolo Torino e Viale, alguns deles oriundos de outras empresas do estado.



Após algum tempo sem adquirir ônibus zero km, o ex-advogado e administrador da Transmil, Luiz Carlos Duarte Batista, mais conhecido como “Carlinhos da Tinguá” adquiriu algumas unidades do lançamento da Marcopolo na época, o Senior Midi, que já resultava uma futura recuperação na crise financeira da empresa.

No dia 19 de março de 2009, “Carlinhos da Tinguá” é brutalmente assassinado com dois tiros disparados em seu rosto, quando estava parado em um semáforo, na Via Light, em Nova Iguaçu. A partir do falecimento do Carlinhos, a empresa não teve sua recuperação bem sucedida.

Carlinhos era ligado tanto ao Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, quanto à política da Baixada Fluminense e até hoje os motivos do crime não foram ainda esclarecidos, embora alguns suspeitos tenham sido presos em maio de 2011.



Dai em diante, a Transmil só piorou seus serviços prestados, fazendo com que não fosse bem vista por seus passageiros, onde gerava inúmeras reclamações pela péssimo estado de conservação da frota e manutenção dos coletivos.



A situação da empresa só piorava e mesmo assim, em 2009, após um acordo com a Elmar, a Transmil passa a operar linhas municipais em Nova Iguaçu. Como a dona das linhas era a Elmar, a Transmil não recebeu registro municipal e rodava com ônibus intermunicipais, alguns deles ainda sob a propriedade da Elmar. Essa “operação” durou pouco e ainda em 2009 a Transmil se viu obrigada a deixar as linhas.



A Prefeitura de Nova Iguaçu cassou o registro da Elmar e repassou as suas linhas para as empresas São José, Salutran e Mirante. Com o envelhecimento da frota, a operação das linhas que restaram se tornava uma verdadeira aventura. As criticas só cresciam, na mesma proporção que os problemas.



Ônibus enguiçados eram uma constante, assim como alguns princípios de incêndios. Sem poder adquirir veículos zero quilômetro, a Transmil recorre a compra de ônibus usados, alguns com mais de cinco anos de uso.




Em 2011 a primeira grande baixa. A garagem de Queimados e as linhas 440, 443, 449, 451, 452, 515 e 520, foram vendidas à Transportes Blanco que na época começou a expandir a sua área de atuação. Era o fim do setor Queimados e Engenheiro Pedreira da empresa.



Em agosto de 2012 foi firmado um Termo de Acordo e Compromisso entre a empresa Turismo Transmil LTDA e o DETRO/RJ, onde, dentre outras obrigações, a empresa assumiu a responsabilidade de regularizar sua frota num prazo de 120 (cento e vinte) dias, o que não foi cumprido. A Cláusula Segunda do Termo de Acordo e Compromisso previa a intervenção do DETRO/RJ nos serviços permitidos no caso de inobservância de qualquer das estipulações consignadas.



Devido aos descumprimento do acordo, no dia 19 de agosto de 2013, o Departamento de Transportes Rodoviários do Rio de Janeiro através da Portaria de Nº 1125, requisitou em caráter emergencial no dia 19 de agosto de 2013, pelo prazo máximo de 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias, ou até a realização de concorrência pública para seleção das futuras concessionárias, as empresas Cavalcanti e Cia. Ltda (RJ-123), Transportes Blanco Ltda (RJ-136) e Master Transportes Coletivos Ltda (RJ- 159), para operarem as linhas permissionadas à empresa Turismo Transmil Ltda, que ficou impedida de operá-las.



As seis linhas envolvidas partem do Terminal Rodoviário de Nilópolis, sendo elas dividias em partes iguais entre as três empresas, ou seja, cada uma ficou com duas das linhas:

Cavalcanti & Cia
129B Nilópolis x Central via Vila Norma
516I Nilópolis x Km2,5 da BR-116 via Vila Norma

Transportes Blanco
131B Nilópolis x Central via Parada de Lucas
124B Nilópolis x Central via Parada de Lucas

Master Transportes
120B Nilópolis x Central via BR-116
152B Nilópolis x Central via Via Light

Era o prenúncio do aumento da crise. Após cinco meses da primeira intervenção, o DETRO, realiza em Janeiro de 2014, mais uma intervenção, desta vez nas linhas que restaram e foram entregues para as empresas Vera Cruz e Nossa Senhora da Penha. Era o fim da operação de linhas urbanas.


Foto: Departamento de Transporte Rodoviário
Após a intervenção parcial nos serviços operados pela Turismo Transmil, nas linhas que partem de Nilópolis, a empresa não empenhou quaisquer esforços no sentido de reverter as condições que motivaram a referida medida - as diversas reclamações e manifestações de usuários, inclusive aquelas oriundas do Ministério Público e de representantes dos poderes executivos locais

Com isso, no dia 14 de janeiro de 2014, através da Portaria de Nº1137, o Departamento de Transportes Rodoviários, estabelece a intervenção total nos serviços autorizados à empresa Turismo Transmil LTDA (RJ-148), pelo prazo máximo de 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias, ou até a realização de concorrência pública para seleção das futuras concessionárias.



Para isso, foram requisitandas em caráter emergencial as empresas Viação Nossa Senhora da Penha LTDA (RJ-188) e Auto Viação Vera Cruz LTDA (RJ-112), para operarem as linhas com origem nos municípios de Mesquita e Nova Iguaçu, ficando a empresa Turismo Transmil LTDA (RJ-148) impedida de operá-las.



As cinco linhas foram distribuídas da seguinte maneira:

A Viação Nossa Senhora da Penha ficou com as linhas originadas do município de Nova Iguaçu, enquanto a Auto Viação Vera Cruz assumiu as linhas com origem no município de Mesquita.


Linha 481B Mesquita x Melhoral, Parcial da linha 478B

Viação Nossa Senhora da Penha
133B Nova Iguaçu x Central
479I Nova Iguaçu x Parada de Lucas

Auto Viação Vera CRuz
478B Mesquita x Passeio via Chatuba
651B Mesquita x Central via Via Light
479B Mesquita x Praça Mauá via Edson Passos



No dia 26 de outubro de 2017, através da portaria de Nº 1345/17, o Departamento de Transporte Rodoviário considerando expirado o prazo expirado para regularização da situação da empreza para retomar os serviços, constituiu uma Comissão Especial para aplicar a pena de caducidade da autorização conferida à empresa Turismo Transmil Ltda. (RJ-148).


Entre os anos de 1990 e 2000, diversas linhas foram desativadas na administração da Turismo Transmil, dentre elas:

123B Nilopolis x Central via Cabuis
130B Cosmorama x Central
133B Nova Iguaçu x Central via Deodoro
449B Queimados x Benfica
475B Nilopolis x Tijuca
477B Vila Emil x Central


Ligação de Nilópolis com o Metrô da Pavuna

Em 1998, com o intuito de desafogar o trânsito da Rodovia Presidente Dutra e com intenção de ser uma importante ligação viária do Grande Rio, foi contruída a Via Light, na gestão do então governador Marcello Alencar. A Via Light não conseguiu emplacar como uma alternativa à Dutra, só servindo de integração ao metrô ou avenida principal do município de Nova Iguaçu.



Quando o metrô chegou até a Pavuna, em 1998, a Via Light já estava pronta. Com inauguração do Metrô na Pavuna, foram também inauguradas as linhas que circulam pela Via Light. Inicialmente, todas as empresas adquiriram veículos do modelo Ciferal Padron Cidade II com motor traseiro Mercedes-bens, equipados com ar condicionadoe som ambiente.
Naquela época, as integrações metrô x ônibus na Capital ainda eram com ônibus sem ar condicionado, marcando uma conquista que chegou primeiro na Baixada Fluminense.





As empresas que inauguraram o serviço foram:

Evanil Transportes e Turismo
541I Nova Iguaçu x Pavuna

Turismo Transmil
152I Nilópolis x Pavuna
651I Mesquita x Pavuna

Master Transportes
131I Duque de Caxias x Nova Iguaçu Via Light



Após alguns dias, entraram a Viação Mirante na linha Morro Agudo x Pavuna e Viação São José, operando em POOL a linha para Nova Iguaçu, até então operada apenas pela Evanil.
Por conta de um impasse, a Evanil teve que deixar a linha, ficando apenas a Viação São José.



A atuação da Evanil na Pavuna, originou as linhas 114B Nova Iguaçu x Central via Pavuna e 115B Nova Iguaçu x Praça Mauá via Pavuna. Com a saída da Evanil do POOL na linha de integração, as linhas para o Centro tiveram seu operacional inviabilizado, sendo desviadas para a Vila Nova.



Quando a Trans1000 deixou o Grupo JAL a nova administração na tentativa de reduzir custos, fundiu as dias linhas, colocando a linha de Mesquita para cobrir o itinerário da linha de Nilópolis e desativou essa última.



Assim como a Evanil, A Turismo Transmil também criou suas linhas para o Centro do Rio pela Via Light. Essas possuíam a mesma numeração das linhas para a Pavuna, alterando apenas o sufixo "I" pelo "B".


152I Nilópolis x Pavuna
152B Nilópolis x Central Via Light
651I Mesquita x Pavuna
651B Mesquita x Central

A Master chegou a operar em horarios de Turno Único a linha 152B Nilópolis x Central via Pavuna/Parque Columbia, mas a desativou junto com a 120B.



Viação Nossa Senhora da Conceição

A empresa com origem na década de 60 operava três linhas ligando Nilópolis a São João (via Portugal Pequeno, via Tomazinho e via Éden) e Mesquita. Também operava linhas ligando Nova Iguaçu aos bairros de Fábrica de Pólvora e Delamare (A primeira, adquirida da Transportadora Auto Luxo e a última da Viação Veneza.
Sua garagem era na Avenida União, 525, onde hoje é apenas um galpão.


Viação N. Sra. da Conceição na Praça Antônio de Freitas Quintela, Atual Elizabeth Paixão


No Departamento de Transportes Coletivos – DTC do antigo Estado do Rio o prefixo era 44XX e após a fusão o prefixo era RJ 125.XXX e em Nova Iguaçu 08.XX para as linhas municipais.

Em 1979, a empresa vende suas linhas e a frota para outras empresas:

Ligação Nilópolis - São João: V.N.S. Aparecida

Nilópolis x São João de Meriti via Portugal Prqueno
Nilópolis x São João de Meriti via Tomazinho
Nilópolis x São João de Meriti via Éden


Ligação Nilópolis - Nova Iguaçu: Expresso São Francisco

Nilópolis x Mesquita via Chatuba


Municipais de Nova Iguaçu: Expresso São Francisco

Nova Iguaçu x Delamare
Nova Iguaçu x Fábrica de Pólvora
Nova Iguaçu x Rua da Serra


Caio Gabriela II da EExpresso São Francisco na Linha 439I Nilópolis x Mesquita passando em frente à Estação de Nilópolis. Atrás um Metropolitano Ipanema da Nilopolitana em 1982

Após a venda das linhas com destino à São João de Meriti para a N.S. Aparecida, a Conceição foi absorvida pela Expresso São Francisco, que adquiriu trinta ônibus de sua frota, as linhas no eixo Avenida União e o registro municipal da Conceição.



Nos dias de hoje, as linhas que pertenceram a Nossa Sra. da Conceição estão com três empresas:

> Vila Rica: (Nova Iguaçu x F. de Pólvora/Delamare)
> São Francisco: Nilópolis x Mesquita
> Flores: Nilópolis x Pavuna


Expresso São Francisco com o prefixo de registro municipal absorvido da Conceição - Foto: Reprodução da internet

A maior parte de suas linhas atendiam à região nas proximidades da sua garagem em Mesquita, especificamente no bairro Chatuba. O bairro ocupa uma área entre o maciço de Gericinó, o Rio Sarapuí e o rio da Cachoeira.

A região de morro era conhecida como "bairro Delamare", pois suas terras foram loteadas pelo antigo Banco Delamare. Por isso, uma das duas linhas de ônibus que ligam o bairro ao Centro de Nova Iguaçu se chama Delamare x Nova Iguaçu.



A Viação Nossa Senhora da Conceição ainda mantia a sua empresa de Turismo, a Conceitur Transportadora Turística, com registro Embratur 070065600.0 para viagens nacionais e internacionais.
A parte de turismo era sediada na Rua Carlos de Souza Fernandez em Olinda. A empresa tinha muitos veículos agregados à sua Frota.
Com a dissolução da empresa urbana, a Conceitur com 5 veículos foi adquirida pela Viação Ponte Coberta.



Viação Nossa Senhora Aparecida

Em 1979, a Viação Ponte Coberta arremata as linhas de ligação entre Nilópolis e São João de Meriti. Para operá-las, é criada a Aparecida.


A Aparecida também fez uso da garagem no Cabuís, ateriormente utilizada pela Empresa de Transportes Flores na década de 50 pela e Turismo Paradisi até a década de 70, onde atualmente está o Hospital Melchíades Calazans.

A empresa operava as linhas:

Nilópolis x São João de Meriti via Portugal Prqueno
Nilópolis x São João de Meriti via Tomazinho
Nilópolis x São João de Meriti via Éden
Paiol x Nilópolis via Mena Barreto
Paiol x Nilópolis via Nilo Peçanha
São João de Meriti x Bacia
São João de Meriti x Grande Rio




Com a aquisição pelo Grupo JAL em 1991, as linhas da N.S. Aparecida são absorvidas pela Empresa de Transportes Flores. A Viação N.S. Aparecida começou então a atuar no ramo de fretamento, adquirindo ônibus zero km. Adotou o nome fantasia da Conceitur, alguns anos depois passou a utilizar o prefixo RJ 595.XXX que foi baixado em 1995.

Viação Nossa Senhora Aparecida


Empresa de Transportes Flores

Fundada em 1957, sua garagem de origem localizava-se na Rua João de Castro, 1250 no bairro Cabuís em Nilópolis, onde atualmente está o Hospital Estadual Vereador Melchiades Calazans.



Apenas após dois anos de estruturação de garagem e obtenção de autorizações necessárias, os primos Luiz de Andrade Flores e Mauro de Almeida Flores iniciaram as operações da empresa em 1959. A linha inaugural foi a São João de Meriti - Duque de Caxias via Matadouro, atual 108I.

Em 1961 a empresa é transferida para São João de Meriti. Na década de 70 adquire sua segunda linha, a São João de Meriti x Caxias via Vilar dos Teles, atual 109I.



Em 1975, a empresa é assumida por José Alves Lavouras. Os primos que originaram a Transportes Flores cria naquele ano a Master Transporte.
A partir da aquisição de José Alves Lavouras, novas linhas e empresas foram sendo adquiridas e integrando o que mais tarde passou a se chamar Grupo JAL.





A Empresa de Transportes Flores opera linhas em toda região na Baixada Fluminense, ligando seus municípios entre si e à Capital. Seu crescimento deu-se com a aquisição de linhas e incorporação de empresas no decorrer do seu histórico.




1979 - Auto Lotação Unidos

1986 - Auto Viação Vera Cruz
1986 - Transquinze Transportes
1987 - Transportes Sol
1989 - Aparecida
1989 - Viação Imperador
2017 - Expresso Mangaratiba





Linhas operdas pela empresa:

Ligação entre Centros

103I Nilópolis x Shopping Grande Rio (Via Portugal Pequeno)
104I Pavuna x Nilópolis (Via Tomazinho)
108I Duque de Caxias x São João de Meriti (via Matadouro)
109I Duque de Caxias x São João de Meriti (via Vilar dos Teles)
110I Duque de Caxias x São João de Meriti (via Jardim Metrópoles)
115I Duque de Caxias x Nova Iguaçu (Direto)
116I Duque de Caxias x Nova Iguaçu (via Vila Pauline)
120T Duque de Caxias x Itaguaí (via Nova Iguaçu/Piranema)
136I Duque de Caxias x Nova Iguaçu (via Vilar dos Teles)






Ligação Centro x Bairro

410T São João de Meriti x Barra da Tijuca (via Fundão / Linha Amarela)
433I Pavuna x Nilópolis (via Éden)
435I Nova Iguaçu x Sargento Roncale (via Santa Amélia)
438I Duque de Caxias x Jardim Botânico (via Jd. Metrópoles / Sumaré)
445I Nova Iguaçu x Xerém (via Lote XV)
446I Duque de Caxias x Parque São Vicente (via Vila Pauline)
450I Nova Iguaçu x Parque São José (via Bom Pastor)
451I Nova Iguaçu x Parque São José (via Estrada Boa Esperança)
451T Caxias x Campo Grande (via Éden / Anchieta)
454I Duque de Caxias x Jardim do Ipê
473B Coelho da Rocha x Candelária (BRS I - Rápido)
496I Pavuna x Santa Tereza (via Calundu)
497I Pavuna x Bom Pastor (via Coelho Branco)


Ligação Bairro x Bairro

713L Cosmorama x Cascadura (via Pavuna)
715L Jardim Redentor x Cascadura
720L Cascadura x Novo Rio (via Madureira / Pavuna)
722I Pavuna x Sargento Roncale (via Vila Pauline)
724I Pavuna x Vale do Ipê (via Lote XV)
729L Parque São Vicente x Méier (Pavuna / Engenhão)
734L Vila Norma x Cascadura (via Vila Tiradentes)
736L Jardim Botânico x Cascadura (via Praça da Bandeira)
738L Jardim Nóia x Cascadura (via Jardim Metrópole/Prefeitura/Rua Piratuba)
800L Nova Aurora x Madureira



A sua atuação em Nilópolis, apesar de ter sido fundada no município, só foi possível após a aquisição de linhas operadas pela empresa Transportes Nossa Senhora Aparecida.


Grupo JAL - José Alves Lavouras

José Alves Lavoura foi um imigrante português radicado no Brasil. Em 1974 teve a oportunidade de adquirir uma pequena empresa de transporte urbano de passageiros que atuava na ligação dos municípios de São João de Meriti e Duque de Caxias, com duas pequenas linhas de cerca de 10 km de trajeto (São João x Caxias via Matadouro e São João x Caxias via Vilar dos Teles).




Era a Empresa de Transportes Flores, que havia nascido na vizinha cidade de Nilópolis em 1957 mas já em 1959 havia se transferido para a cidade de São João de Meriti.



Ainda na década de 1970, a empresa Turismo Três Amigos foi adquirida pela Flores, com ambas as empresas adotando a mesma identidade visual.



Com o passar dos anos, notadamente na década de 1980, algumas pequenas empresas de ônibus da Baixada Fluminense foram sendo adquiridas, total ou parcialmente, pela já consolidada Flores, bem como diversas linhas avulsas de várias empresas também foram negociadas. 



Algumas transações mantiveram os nomes originais das empresas, como a Transportes Planalto e a Rio D‘ Ouro Transportes Coletivos.

Dentro da área de transporte de passageiros, o Grupo JAL atua em dois segmentos distintos, o de transporte regular urbano e o de turismo/fretamento rodoviário.
Além do segmento de transporte urbano e rodoviário de passageiros, o Grupo JAL possui uma revenda Mercedes-Benz, a MIRIAM – Minas Rio Automoveis e Máquinas.

O segmento de transporte regular urbano de passageiros é formado por sete empresas:


Empresa de Transportes Flores:
Linhas intermunicipais entre São João de Meriti, Duque de Caxias, Belford Roxo, Nilópolis, Mesquita, Itaguaí, Nova Iguaçu e Rio de Janeiro.



Viação Brazinha:

A empresa foi fundada em 1968, pelos sobrinhos da Família Lavouras, José Carlos Reis Lavouras e Sérgio Luiz dos Reis. A empresa opera uma linha no município de Nova Iguaçu.




Transportes Planalto:
Fundada em 29 de setembro de 1966, no município de São João de Meriti, tem sede junto ao Grupo JAL, na Avenida Automovel Clube em São João de Meriti.
Atualmente a empresa serve o município de São João de Meriti, com a linha 201 Shopping Grande Rio x Jardim Noia






Rio D’Ouro Transportes Coletivos:
A empresa foi fundada em 17 de dezembro de 1975 por Edésio Infante Thurler de Mendonça, o mesmo empresário que fundou a Auto Viação Vera Cruz em 1959. A Rio D'Ouro opera linhas municipais em São João de Meriti e em Belford Roxo.




Transportes Mageli:
Opera linhas intermunicipais entre São João de Meriti e Rio de Janeiro.




Viação Beira Mar:
Opera linhas intermuncipais entre São João de Meriti e Duque de Caxias.




Expresso Real Rio:
Opera linhas intermunicipais entre Seropédica, Paracambi, Piraí, Itaguaí, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro e Niterói.



Turismo Três Amigos

A empresa atua setor de turismo /fretamento rodoviário.





Viação Ponte Coberta

Fundada em 4 de dezembro de 1970, a Viação Ponte Coberta teve a sua primeira sede localizada no município de Itaguaí. Sua garagem era localizada na Praça Castilho, atualmente município de Seropédica.




A Ponte Coberta opera atualmente nas linhas intermunicipais da Baixada Fluminense atendendo aos municípios de Nilópolis, Mesquita, Nova Iguaçu, Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.


Viação Ponte Coberta - Foto: Reprodução da Internet
A Viação Ponte Coberta operava linhas municipais em Itaguaí com o prefixo 03XXX e intermunicipais com o registro DETRO-RJ 190XXX.



A Viação Ponte Coberta tinha um enorme número de linhas que atendiam à BR-465 Antiga Estrada Rio-São Paulo, em sua maioria, ligando Campo Grande à Itaguaí, Paracambi e Seropédica.
Até então, a Viação Ponte Coberta e a EVAL tinham exclusividade no ligação com a Capital.

Já em 1985 começam a surgir mudanças na região. Com a saída da Empresa de Viação Angrense, começa a operar a Expreso Real Rio, originada de uma cisão da Turismo Transmil para operar na ligação de Itaguaí com o Centro do Rio.



Em 1991, a Expresso Real Rio e a Viação Ponte Coberta pertenciam ao Grupo JAL, e algumas mudanças ocorreram para as duas empresas.

Em 1994, a Viação Ponte Coberta perde mais de 50% de suas linhas, se mantendo apenas no eixo da RJ-105 Avenida Abílio Augusto Távora. Já a Expresso Real Rio, que até então só operava linhas executivas recebeu o eixo da BR-465 Antiga Estrada Rio-São Paulo.


Aérea de atuação dividida entre Viação Ponte Coberta e Expresso Real Rio

Até então, ambas as empresas tinham sede no distrito de Seropédica, a Ponte Coberta na Praça Castilho, ponto de intersecção da BR-465 Antiga Estrada Rio-São Paulo com a RJ-099 Estrada de Piranema, a Expresso Real Rio com a garagem oriunda da EVAL em Fazenda Caxias, localizado no km49 da BR-465, atual sede do município de Seropédica, emancipado de Itaguaí pela Lei Estadual n.º 2.446, de 12-10-1995.



Linhas transferidas da Viação Ponte Coberta:

737P Campo Grande x Campo Lindo via KM 32
739P Campo Grande x Seropédica via KM 32
740P Campo Grande x KM 34 via Rio-SP
741P Campo Grande x Praça Castilho via KM 32
744P Campo Grande x Ponte Coberta via KM 32
545P Campo Grande x Paracambi via KM 32
547P Campo Grande x Japeri via KM 32
436S Paracambi x Sepetiba
749P Belvedere x Santa Cruz via Av. Brasil
560P Cacaria x Itaguaí
709P Cacaria x Vila Geni via Piranema
738P Campo Grande x Ilha da Madeira via Piranema


Devido ao grande número de linhas sobrepostas na BR-465, considerando as linhas que foram adquiridas e as que continuaram com a Ponte Coberta, houve um enxugamento, onde as linhas mais longas foram seccionadas em Seropédica e as mais curtas foram extintas.


Aos fins de semana e feriados, a linha 705P era estendida até Nilópolis
Com isso, a Ponte Coberta ficou apenas com as linhas:


517I Nova Iguaçu x Praça Castilho
544P Nilópolis x Seropédica
547P Edson Passos x Sepetiba
548P Nilópolis x Campo Grande
704P Lagoinha x Campo Grande

705P Edson Passos x Bangu
742P Cabuçu x Campo Grande
743P Jardim Paraíso x Campo Grande
745P Nilópolis x Praça Castilho
746P Parque São Francisco de Paula x Campo Grande




Atualmente a linha 547P faz o trajeto Sepetiba x Jardim Paraíso. Esse trajeto foi seccionado no início dos anos 90 com a entrada dos novos sócios.



A linha 705P foi criada em 1992 pela Feital Transportes e Turismo.



A linha surgiu de um itinerário "Piarata" iniciado pela Feital Transportes e Turismo na década de 90.
A linha Nova Iguaçu x Bangu favoreceu aos moradores da Estrada de Madureira, que até então eram obrigados a fazer escala em Campo Grande. Os moradores do Jardim Paraíso chegaram a fazer um abaixo-assinado para a permanência da linha que, favorecia a eles uma economia de CR$ 76 diariamente.


RJ 190.077 incendiado na BR-465 durante a manifestação contra a proibição da circulação de 10 ônibus da Feital - Foto: Chiquito Aves
Em outubro de 1993, O DETRO-RJ proibiu a Feital Transportes e Turismo de operar a linha sem autorização. Segundo o o DETRO-RJ, se tratava de um itinerário ilegal, mas necessário, estimando ainda a demanda de 180 mil a 300 mil passageiros por dia, o que gerou a revolta que atingiu as empresas Viação Ponte Coberta e Expresso Nossa Senhora da Glória - que operam basicamente no eixo da Estrada de Madureira.



A criação da linha movimentou principalmente passageiros em direção à Bangu e outras áreas da Zona Oeste, área basicamente atendida pela Viação Ponte Coberta, com linhas entre Cabuçu, Nilópolis, Jardim Paraíso, Lagoinha na Baixada Fluminense e Campo Grande. Ao todo com 34 ônibus e 463 mil passageiros na época.



Moradores do Jardim Paraíso depedram ônibus após a suspensão de uma linha "pirata" - Foto: Chiquito Aves

A suspensão da linha trouxe revolta aos moradores da região que, em protestos realizados nos dias 7 e 8 de outubro daquele ano,  apedrejaram 14 ônibus da Viação Ponte Coberta e Expresso Nossa Senhora da Glória na Antiga EStrada Rio-São Paulo. 
Os ônibus eram das linhas Nova Iguaçu x Sepetiba e Nova Iguaçu x Belvedere. Os ônibus foram interceptados em frente à Estação de Tratamento do Guandu.


Manifestantes apedrejam ônibus da Viação Ponte Coberta na BR-465 - Foto: Chiquito Alves
A manifestação dorou cerca de 10 minutos, sendo interrompida com a chegada da Polícia Militar. Com a chegada da patrulha rodoviária, os veículos seguiram escoltados em comboio.


As empresas Ponte Coberta e Glória chegaram a interromper a operação de suas linhas e retornaram mais tarde, porém sem que seus veículos passassem pelo Jardim Paraíso e pelo Parque Pêra-Flor.



Após tanta insistência e reinvidicação da população, a linha foi então criada, sendo operada em pool pelas empresas Ponte Coberta, Feital e Real Rio (que operou por apenas 1 semana).



Em 2005 a Feital sofreu intervenção do DETRO-RJ e a Viação Ponte Coberta - que já estava operando em pool - passou a operá-la sem concorrência.


No dia 9 de agosto de 2017, o DETRO-RJ publica a Portaria de nº 1337, intervindo na prestação de serviços da Viação Costeira.
Com a intervenção, a Viação Ponte Coberta recebeu a permissão para operar algumass linhas com trajeto na RJ-105 Avenida Abílio Agusto Távora (Estrada de Madureira).




450T Nova Iguaçu x Itacuruçá via Avenida Brasil
452T Duque de Caxias x Muriqui via Nova Iguaçu


456I Duque de Caxias x Km 32/BR-465 via Nova Iguaçu
456T Duque de Caxias x Itacuruçá via Nova Iguaçu

Com a aquisição dessa linha, a Viação Ponte Coberta volta a operar em Itaguaí depois de quase três décadas de sua saída, após o repasse do setor para a Expresso Real Rio.



Grupo Ponte Coberta - 1ª formação

Entre as décadas de 70 e 80, alguns empresários se agruparam para consolidar a presença e impedir a entrada de outras empresas em sua área de atuação.


Com isso, havia um grupo formado pelas empresas, Viação Ponte Coberta, Viação Itaguaí, Expresso Nossa Senhora da Glória, Companhia Encontro SA e Viação Nossa Senhora Aparecida.

Fundada em 1983, a Viação Itaguaí dividia com a Viação Ponte Coberta a operação das linhas municipais em Itaguaí. As linhas da Viação Itaguaí atendiam principalmente as localidades de Belvedere, Itinguçu, Santa Sofia e o distrito de Nono.



Coesa fazia inicialmente as linhas:

426P Itaguaí x Cesarão > Passada para a Expresso Pégaso
425D Bangú x Venda da Cruz > Passada para a Viação Mauá
424D São Gonçalo x Campo Grande > Passada ara a Viação Mauá
708D Madureira x Caramujo > Passada para a Rio Ita
423D Vila Isabel x Neves > Operada pela Coesa


O conglomerado começa a se desfazer no início dos anos 90.


A Coesa tranfere sua área de atuação para a costa leste da Baía de Guanabara, deixando suas linhas da Zona Oeste nas mãos da Expresso Mangaratiba e Expresso Real Rio.



Com a saída da COESA, a migração da Ponte Coberta e Glória para o Grupo JAL e o encerramento da Aparecida, a Viação Itaguaí foi vendida para a Rio Pérola Transportes e Turismo (Elohin).
Com a tranferência do seu controle societário, a Viação Itaguaí perde espaço na cidade para as Viações Elohin e Emanuel, que mais tarde se tornaram a Viação Cidade de Itaguaí, não tendo nenhum vínculo com a anterior.

A Viação Nossa Senhora Aparecida, com uma área de atuação pequena, é absorvida pela Empresa de Transportes Flores, ao ter adquirido a Viação Ponte Coberta e Expresso Nossa Senhora da Glória.


Formação do Grupo Transmil

Até 1999 a Viação Ponte Coberta, Expresso N.S. Gloria juntamente com a Real Rio formavam um subgrupo e a Trans1000, embora tivesse uma boa participação do grupo JAL funcionava de forma independente. No final daquele ano as garagens da Ponte e da Gloria foram desativadas e os carros da Gloria passaram a recolher na garagem da Transmil em Queimados e os da Ponte recolhiam na garagem de Edson Passos, também da Trans1000.


Expresso Nossa Senhora da Glória
A Turismo Transmil recolhia nas duas garagens, e posteriormente, após a entrada da Gardel ao grupo, a Glória passou a recolher em Edson Passos.
Nessa fase os despachantes e fiscais de ponto usavam o uniforme da Trans1000 e os aros da PC e Gloria foram pintados de prata.
Ao entrar para o grupo, a  Gardel Turismo passou a ter sua administração na garagem da Transmil, em Queimados.

A primeira empresa do grupo a ser fundada foi a Expresso Nossa Senhora da Glória, no dia 3 de fevereiro de 1964.

Expresso Nossa Senhora da Glória - Foto: Reprodução da internet
Sua primeira garagem ficava localizada na Rua Doutor Thibal, 80 no Centro de Nova Iguaçu e, em 1970, foi transferida para a Estrada Abílio Augusto Távora, em Cabuçu. Com a formação od Grupo Transmil, a Glória desativou a sua garagem em Cabuçu e se manteve na sede do grupo em Cosmorama.

A Expresso Nossa Senhora da Glória opera linhas municipais em Nova Iguaçu, tendo como principal área de atuação a Avenida Abílio Augusto Távora em toda a sua extensão.


A Gardel Turismo foi fundada em 9 de agosto de 1973. Sua garagem sede está localizada no bairro Ponte Preta, Queimados.

A empresa opera entre nos municípios de Japeri e Queimados, onde possui linhas intermunicipais e municipais. Suas linhas em ambos os municípios atentem aos bairos localizados entre a Estrada de Ferro e a Rodovia Presidente Dutra. O outro lado da ferrovia é atendido pela Fazeni Transportes e Turismo.

Enquanto integrava o Grupo Transmil, a empresa era administrada na garagem da Turismo Transmil.




Grupo Ponte Coberta > 2ª Formação

Em 2003, a Turismo Transmil deixa o Grupo JAL, e sob o controle de seus novos administradores, Antonio Carlos Miranda e José Roberto Reis, entra em crise financeira e deixa de fazer parte do grupo, fazendo que o mesmo entrasse em extinção no mesmo ano. 


Com a saída da Transmil, foi criado o Grupo Ponte Coberta, com o objetivo de tornar uma união de empresas em uma só sede administrativa.



A Viação Acari só passou a fazer parte do Grupo Ponte Coberta, já sem a participação da Turismo Trans 1000 em 2003.



A Viação Acari foi formada em 1962, atendendo às determinações do Governo do Estado da Guanabara, que obrigava os proprietários de lotações individuais a se organizarem em empresas.


A sociedade foi fundada através de Assembleia Geral Constituinte realizada no dia 25 de março de 1962, com frota inicial de 20 lotações, cadastrados na linha Meyer x Acari.



Empresa Santa Terezinha

A Santa Terezinha liga Nilópolis à ao Centro de São João de Meriti e à Coelho da Rocha. Suas linhas tendem principalmente aos bairros de Vila Norma, Éden, Tomazinho e São Mateus.



Fundada em 16 de setembro de 1966,a Santa Terezinha tem sede no bairro Tomazinho em São João de Meriti.
Inicialmente operava apenas linhas ligando Nilópolis à Pavuna, até que nos anos 70 e 80 adquiriu linhas da Viação Esperança na Vila Humaitá e trocou outras com a Viação Aparecida.

Empresa Santa Terezinha

Linhas que pertencem à Santa Terezinha:

106I Nilópolis x São João de Meriti via Éden
107I Nilópolis x São João de Meriti via Nova Cidade
437I Nilópolis x Coelho da Rocha via Nova Cidade


Empresa Santa Terezinha
800 São João de Meriti x Vilar dos Teles via Tribunal
801 São João de Meriti x Éden via Caixa d'Água
802 São João de Meriti x Éden via Rua Jorge Nanhay
803 Vila Norma x Coelho da Rocha
805 São João de Meriti x Vila Humaitá



A linha 437I, que liga Nilópolis a Coelho da Rocha se sobrepõe a outras que ligam Coelho da Rocha e Vila Norma a São João e ainda faz frente com os trajetos feitos pela Transportes Flores que passam por Coelho da Rocha e Vilar dos Teles.



Dentre as linhas que servem ao município de Nilópolis, a 437I é a única da empresa e uma das únicas linhas intermunicipais que passam pelo bairro Nova Cidade.



A Empresa Santa Terezinha possuía as linhas João x Bacia e São João Grande Rio. Ambas foram trocadas com a Viação N.S. Aparecida na década de 70. Com a troca, a Santa Terezinha adquiriu as linhas São João (Circular - via Jorge Nahahy) e São João x Caida D'Água.



A Aparecida foi adquirida pela Empresa de Transportes Flores, que passou todas as linhas municipais do Grupo JAL para a Rio Douro, a única exceção foi a linha Jardim Nóia x São João, atual 201 Jardim Nóia x Shopping Grande Rio que continuou com a Planalto.



Nos anos 80, a frota era composta basicamente por Caio Gabriela, que foram passados para o setor municipal. Esses veículos permaneceram ativos até a chegada dos veículos no modelo Caio Vitória.

Alguns Vitórias e Apaches S21 tiveram som ambiente. A empresa deixou de adotar o uso do som por conta do ECAD (Escritório Central de Arrecadação de Direitos Autorais), que passou a cobrar uma taxa das empresas que possuem som ambiente nos ônibus, referente aos direitos autorais das músicas tocadas.






O Grupo Master


Coletivo sendo içado no Rio Acari
Foto: JB 26/03/1975
Em 1975, após protagonizar várias manchetes em jornais, a Viação Presmic é absorvida pela Viação Tinguá, que na época passava por uma nova reestruturação.

A Viação Tinguá operava linhas municipais em Nova Iguaçu e possuía algumas intermunicipais, ligando Nova Iguaçu à Guanabara e à Duque de Caxias.

Com a absorção da Presmic, houve uma cisão dos sócios, onde são criadas as empresas:

Transportadora Tinguá > Passou a operar apenas no setor intermunicipal (Linhas ex Presmic)




Rio Lisbôa Transporte e Turismo > Linhas intermunicipais para Belford Roxo, Nilópolis e Zona Norte da Guanabara.

Rival Transportes > Linhas Municipais de Nova Iguaçu (ex Tinguá)
Com a extinção da Rival as linhas passaram a ser operadas pelas empresas Elmar e Salutran.


Caio Amélia da Master Transporte - Foto: Autor desconhecido

Master Transportes

Naquele ano, nascia ainda a Master Transporte, fundada em 07 de julho de 1975 pelos primos Luiz de Andrade Flores e Mauro de Almeida Flores, mesmos fundadores da Empresa de Transportes Flores, vendida naquele mesmo ano para o empresário José Alves Lavouras.



A empresa surgiu operando as linhas que partem de Nova Iguaçu para Duque de Caxias oriundas da Viação Tinguá.
No final da década de 70, a empresa operou a linha Bonsucesso X Heliopolis com Caio Gabriela motor traseiro.



A linha pertencia a Rio Lisboa, que parou a sua frota para manutenção, devido à precariedade em que circulava. Atualmente operada pela Auto Viação Vera Cruz estendida para Nova Aurora.

Com a Rio Lisboa, a frota da linha era composta por Metropolitana Ipanema e Caio Bela Vista. Os ônibus estavam sempre caindo aos pedaços e todos remendados nas chapas e com pedaços sem pintura


Garagem da Master Transportes em São João de Meriti - Foto: Reprodução da internet

Com sede em São João de Meriti, realiza transporte público de passageiros entre os municípios de São João de Meriti, Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Belford Roxo, Nova Iguaçu, Mesquita e Nilópolis.



A empresa que já foi administrada pela Columbia Auto Ônibus forma o Grupo Master junto com as empresas Viação Cascatinha e Petro Ita Transportes Coletivos ambas de Petrópolis.


Master Transportes Coletivos de Passageiros
O grupo chegou a ser composto também pela iguaçuana Salutran - Serviço Auto Transportes com sede em Nova Iguaçu, operava linhas municipais em Nova Iguaçu.

A Master opera as linhas:

131I Caxias x Nova Iguaçu via Light
134I Caxias x Nova Iguaçu via São João de Meriti
135I Caxias x São João de Meriti
137I Caxias x Nova Iguaçu (Direto)
138I Caxias x Nilópolis

138I Caxias x Pavuna via Parque Columbia
140I Nova Iguaçu x Pavuna
521B Coelho da Rocha x Central


Master Transporte Coletivo de Passageiros

Em 2013 o DETRO-RJ determinou que a Master Transportes operasse duas linhas que ligam Nilópolis ao Centro do Rio após intervenção na Turismo Transmil.

152B Nilópolis x Central via Via Light
120B Nilópolis x Central via Banco de Areia

Ambas foram operadas por alguns meses até serem suspensas pela empresa e pelo DETRO-RJ.

Por muitos anos, a linha 120B funcionava como linha tronco para a 479B, ou seja, haviam poucos horários da 479B, sendo essa em grande parte coberta pela 120B em seu itinerário (desde o Centro de Mesquita à Rodovária Novo Rio).



Essa configuração de horários teve origem a partir de 2003, após a Turismo Transmil ser vendida pelo Grupo JAL. Após a venda, a administração desativou a 479B, colocando então veículos Ciferal Padron Cidades II refrigerados na 131 para melhorar a operação da linha que passou a atender a demanda da 479B.

Ainda como melhoria no setor de Nilópolis, a Transmil deslocou outros veículos refrigerados do setor de Queimados para Nilópolis, que não recebia atenção desde o início da administração do Grupo JAL, que sempre deu mais atenção à Queimados.



A 120B seguia pela Getulio de Moura, passando por Edson Passos, centro de Mesquita, Vila Emil e BNH, tendo também horários pela Vila Emil e Cosmorama, passando pela Avenida Baronesa de Mesquita.

Quando a Master assumiu a linha, ela manteve a operação diária, com horários regulares na 120B, assim como na 152B. Com isso, era a preferência entre os usuários que tinham como destino o Centro de Mesquita, até mesmo eles que tinham como destino a praça Secretária Elisabeth Paixão, já que não podiam contar com a 479B, na época ainda operada pela Turismo Transmil.

No ano seguinte, a Auto Viação Vera Cruz assume as linhas da Transmil com origem em Mesquita, ambas com itinerários sobrepostos às linhas da Master. Essa mudança trouxe enormes danos à Master, que não conseguindo manter a demanda de passageiros, devolveu as duas linhas ao Detro-RJ.



A linha 152B partia do Terminal Rodoviário de Nilípolis e atendia aos moradores do Cabuis, Paiol e aqueles que seguiam até o Metrô na Pavuna, possibilitando uma alternativa mais rápida aos que se destinavam ao Centro do Rio.

A 120B não era a melhor opção para os nilopolitanos que iam ao Centro do Rio, sendo a opção mais demorada entre as duas pontas. A linha em si era mais favorável aos moradores de Mesquita, que só contavam com a 479B em poucos horários. Com a melhoria das linhas de Mesquita, a linha 120B seria apenas um complemento, mas a Master Transportes não conseguia manter uma concorrência favorável a si com a Auto Viação Vera Cruz.



Com o encerramento da linha 120B, a Auto Viação Vera Cruz teve autorização do Detro-RJ para atender ao Bairro de Edson Passos com a linha 479B, que após o Viaduto de Mesquita, segue pela Avenida Presidente Costa e Silva (antiga Getúlio de Moura) e na Praça da Revolução em Edson Passos, retorna ao Centro pela Rua Prefeito José Montes Paixão (antiga Rua Emilio Guadagny).

A linha 138I Nilópolis x Duque de Caxias surgiu de uma variante da 134I, indo até o distrito de Olinda. Após ser autorizada pelo DETRO-RJ, recebeu o código 138I e posteriormente foi extendida até Nilópolis, onde permanece atualmente.



A 134I foi criada com a mobilização dos moradores do Jardim América que queria uma linha direta para Duque de Caxias. Na época a intenção era para ser uma parcial da 495I Penha x Duque de Caxias. Em abril de 2018 Com a proibição das Kombis foram criadas as linhas Caxias - Pavuna via FICAP. A 138I também passou a atender essas localidades.



A região de favelas chamada de Ficap localiza-se na Av. Cel. Phidias Távora, limite entre os bairros da Pavuna e Jardim América, compreendendo a região do entrono da Rodovia Presidente Dutra (trechos próximos às ruas Mercúrio, Embaú, General Etchgoyen e Herculano Pinheiro, à Avenida Coronel Phídias Távora, Rua Benjamim Silva à Auto Estrada Rio D´ouro e à Linha Vermelha).



Este nome é uma referência à empresa Ficap S/A do ramo de cabeamento e energia, que foi incorporada recentemente pela Nexans Brasil S/A em 1º de Agosto de 2009. Os terrenos particulares que não cumpriam função social da propriedade como manda artigo 5º da constituição brasileira (1988), foram ocupadas desde 1982. Ou seja, antes mesmo da chamada constituição cidadã (1988).

A comunidade da Gringolândia (cerca de 500 famílias) surgiu em 2005, o setor da Terra Encantada em 2000, a Vila Beira Rio em 2017.



Em 1992, a Master adquire da Auto Viação Reginas a linha 415C Gramacho x Central.
O itinerário atual, que vai até o Jardim Leal surgiu na administração da Master, que, além de já tê-la levado ao Jardim Leal, fez com que ela alcançasse o Jardim Olavo Bilac, bairro atendido quase com exclusividade pela Auto Viação Reginas, que além das linhas municipais, possui duas linhas de ligação com o Centro do Rio.



A 415C sempre foi de grande importância para os moradores daquele lado de Gramacho. Além de atender aquele lado da ferrovia, a linha vai mais a dentro do bairro.

Após a o fechamento da Salutran, a Master absorveu susas dívidas e como alternativa, vendeu a linha 415C para Empresa de Transportes Limousine Carioca.



Petro Ita

No início da década de 90, o Grupo Rio Ita adquire as viações Imperial e Serrana. As duas empresas são fundidas dando origem à Petro Ita em 1991.



Petro Ita Transporte de Passageiros - Apresentação da empresa em 1991
Ainda na década de 90, a empresa é adquirida pela Master Transportes em 1995, passando a compor o Grupo Master. Sua garagem na Rua Coronel Veiga pertencia a Viação Serrana.



A empresa é responsável pelo deslocamento do população entre o Centro e a zona sul da cidade, atendendo aos bairros do Quitandinha, Independência, São Sebastião, Siméria, Castelânia, Meio da Serra e Alto da Serra.


Entrada da garagem da Transportes Master em São João de Meriti - Foto: Pedro Henrique
Em outubro de 2016, a Petro Ita passou por uma fiscalização da CPTrans - Companhia Petropolitana de Trânsito e Transporte.
A operação se deu após a ocorrência de dois acidentes envolvendo os coletivos da empresa, um no Centro histórico e outro no Meio da Serra.


Ponto final da linha 211 na Rua Joaquim Cesário da Costa, no Valparaíso - Foto: Grupo Águias

De acordo com o Diretor de Manutenção, Sérgio Rocha, a característica topográfica da cidade atrapalha e muito a rotina dos ônibus, garantindo que a empresa atua levantando as suspensões dos veículos que em determinados lugares, fica difícil passar, porque faltam obras estruturais nas vias.



Ainda segundo a direção da empresa, os problemas mecânicos ocorrem mais em determinados lugares, como Meio da Serra, Vinte e Quatro de Maio e Alto Pedro Ivo. Nesses lugares, a pista sinuosa e os problemas de calçamento pioram as condições dos carros.




Cascatinha Transportes

Fundada em 8 de setembro de 1966, a Cascatinha Transportes é uma das mais empresas da cidade de Petrópolis, na região serrana do estado.



Suas linhas atendem principalmente aos bairros da Carangola, Retiro, Roseiral, Cascatinha, Estrada da Saudade e Jardim Salvador, consideradas como localidades de difícil acesso.




Para atender a essas linhas com trajetos peculiares, a empresa adequa a sua frota com veículos adaptados para facilitar a condução e diminuir os riscos de acidentes e avarias nos seus ônibus, haja vista que boa parte das suas linhas sobem grandes morros e ruas super estreitas.



Já sob a administração da Petro Ita, a Cascatinha recebeu linhas da Viação Petrópolis.
Em 2003 a Petro Ita adquire as linhas de prefixo 500, até então operadas pela Viação Petrópolis. Em 2007 as linhas passam a ser operadas pela Cascatinha.



A Viação Petrópolis passou a ostentar o nome Autobus. Em 2012, após a realização de uma licitação, as viações Esperança, Autobus e Petrópolis foram substituídas pelas empresas Expresso Brasileiro, do Grupo Brasileiro, de Eunápolis, na Bahia, e a Turb – Transporte Urbano S.A., de Ribeirão Preto, em São Paulo.



A Expresso Brasileiro recebeu as linhas que eram de responsabilidade da Viação Esperança. Já a Turb entrou nas linhas que eram da Petrópolis e da Autobus.




Salutran - Serviço de Auto Transportes

10 de julho de 1975 surge a Salutran, operando linhas municipais de Nova Iguaçu adquiridas da Rival Transportes, que foi criada a partir de uma cisão da Viação Tinguá.



A Salutran arrematou as linhas que atendem aos bairos nos distritos de Comendador Soares e Austin, operando na ligação com o Centro e na ligação interbairros. A outra parte da Rival ficou com a Elmar Transportes, linhas que atuam nos bairros dos distritos de Vila de Cava e Tinguá.




Linhas operadas pela Salutran:

Nova Iguaçu x Cêramica via Rua Gama
Nova Iguaçu x Cêramica x via Rua Nova
Nova Iguaçu x Comendador Soares via Divisa
Nova Iguaçu x Comendador Soares via Compactor
Nova Iguaçu x Stª Eugenia via Top Shoping
Nova Iguaçu x Carmary via Largo de São Jorge
Nova Iguaçu x Carmary via Hosp. da Posse
Nova Iguaçu x Ruas E.F via Alto da Posse
Nova Iguaçu x Ruas C.D via Alto da Posse
Nova Iguaçu x Pça do batuta via Guadalajara
Nova Iguaçu x Pça do batuta via Compactor
Nova Iguaçu x Cacuia via Compactor
Nova Iguaçu x Cacuia via Guadalajara




Nova Iguaçu x Austin via Bairro da luz
Nova Iguaçu x Gerard Danon
Nova Iguaçu x Antônio Cunha via São Jorge
Nova Iguaçu x Antônio Cunha via Ruas C e D
Nova Iguaçu x Corumba
Nova Iguaçu x Tres Fontes via Guadalajara
Nova Iguaçu x Dr.Renato
Nova Iguaçu x Vila Zenith
Nova Iguaçu x Santo Antonio
Nova Iguaçu x Guadalajara
Nova Iguaçu x Divisa
Vila Zenith x Tinguzinho 
Austin x Tres Fontes
Austin x Rodilandia via Marileia




Com sede na Rua Saverio Jose Bruno, no Aeroclube, a empresa teve seu fim decretado após ficar fora da licitação do serviço de transportes realizado no dia 14 de março de 2016 em Nova Iguaçu.



Após esse resultado, a Salutran Serviço de Auto Transportes anunciou o encerramento de suas atividades.

Desde 2012, a empresa era administrada pela Master Transportes, empresa-mãe do Grupo Master. Composto pelas empresas Master Transportes, Cascatinha Transportes, Petro Ita Transportes e Salutran.



Sob o controle operacional do Consórcio Reserva Tinguá, suas linhas passaram a ser operadas pelas empresas Viação Mirante, Linave Transportes e Viação São José.




Expresso São Francisco

A Expresso São Francisco é a empresa que detém o maior número de linhas municipais em Nilópolis, além das linhas ligando o município de Nilópolis à Nova Iguaçu e Mesquita, possui uma linha que foge a este eixo, a 180I Nova Iguaçu x Japeri.




O crescimento da Expresso São Francisco se deve a aquisição de linhas de tradicionais empresas de Nilópolis, como a Nossa Senhora da Conceição, Viação Irene e Transportes Vilma – operava a linha Soares Neiva x Rodoviária.



A empresa fundada no dia 6 de abril de 1967, pelo italiano Giuseppe Grosso presta diversas homenagens:
Seu nome homenageia São Francisco de Paula, devido à devoção de seu fundador. 
A pintura da frota da empresa homenageia a Itália através da utilização das cores da bandeira italiana. 


Expresso São Francisco
Ainda na pintura da sua frota, a empresa homenageia a escola de samba Beija-Flor de Nilópolis com a impressão da ave em seu layout.

Inicialmente, a frota era composta por apenas dois veículos que operavam na linha Soares Neiva x Centro, adquirida com a compra da Transportes Vilma. Em 1972, a empresa já contava com cinco ônibus, que além da linha inicial, operavam também na linha circular Maria Braga x Augusto Paris.



Com a compra da Viação Nilópolis sua frota e número de linhas cresceram. Em 1979 a empresa adquiriu trinta ônibus e algumas linhas da Viação Nossa Senhora da Conceição.


Foi a entrada da Expresso São Francisco em território iguaçuano. As linhas municipais 
Fábrica de Pólvora x Nova Iguaçu, Nova Iguaçu x Delamare e Rua da Serra x Nova Iguaçu foram depois transformadas em intermunicipais, após a emancipação do então distrito de Mesquita, ocorrida em setembro de 1999.


Expresso São Francisco
Além das linhas municipais, a São Francisco também adquiriu da Viação Nossa Senhora da Conceição, a linha intermunicipal 439I (Nilópolis x Mesquita). A São Francisco também chegou a operar a linha municipal de Delamare x Edson Passos.

Visando se reestruturar, a São Francisco vendeu as linhas que havia adquirido da Viação Nossa Senhora da Conceição, com exceção da 439I.



O Grupo MVR, proprietária das empresas Mirante e Vila Rica passou a operar as linhas.
Quando a Expresso São Francisco ainda era dona da linha Fábrica de Pólvora x Nova Iguaçu, solicitou autorização junto ao Departamento de Transportes Rodoviários - DETRO, para ampliar a linha até o Hospital da Posse, alterando assim a denominação da linha para 461I - Fábrica de Pólvora x Hospital da Posse. Após a aquisição, o Grupo MVR voltou a operar a linha até o Centro de Nova Iguaçu.

Em meados de 1988, a empresa adquire as linhas Paiol x Nilópolis via Nilo Peçanha e Paiol x Nilópolis via Mena Barreto da Viação Nossa Senhora Aparecida.





O investimento da São Francisco na qualidade dos serviços e a atenção dedicada a cada detalhe da operação, impulsionaram o crescimento da empresa, de forma a atender à demanda de seus clientes.


Terminal Rodoviário de Nilópolis - Linha 431I Nilópolis x Nova Iguaçu
A sede atual da São Francisco é localizada no bairro Santos Dumont, em Nilópolis. É composta por dois espaços: a sede tem 15 mil metros quadrados e lá funciona uma estação de tratamento e reuso das águas da chuva e lavagens dos veículos, assim como uma estação de tratamento de esgoto. Já a segunda garagem, possui 4 mil metros quadrados e funciona em frente da sede. 

Em 1998 a empresa chegou a ganhar a concessão de uma linha ligando o município de Queimados à Barra da Tijuca, porém uma liminar e uma posterior perda no processo impediu a empresa de operar a referida linha.


Expresso São Francisco
Os ônibus adquiridos para operar a linha eram, até então os mais modernos adquiridos, eram os modelos Padron Cidade II, encarroçados pela Ciferal e possuíam piso taraflex e poltronas ergonômicas, além do sistema de sonorização ambiente. Com a derrota na Justiça, a empresa distribuiu os veículos nas linhas municipais Soares Neiva x Rodoviária (Nilópolis) e Delamare x Nova Iguaçu.


Cermava da Expresso São Francisco - Coleção M. Prazs
A empresa setoriza os carros em uma organização interna, com isso os carro dos setores intermunicipais de Nilópolis e Japeri são restritos à sua área de operação. 

Em uma tentativa de criar um setor de fretamento e turismo, a empresa adquiriu duas unidades do modelo Nielson Diplomata, com chassi Scania. A empresa manteve o desenho de gaivota fazendo apenas alterações nas cores verde e azul. 


Expresso São Francisco
Quando a empresa operava linhas municipais de Nova Iguaçu ela possuía veículos exclusivos para cada município, inclusive com numeração específica. 

Atualmente a empresa opera as seguintes linhas:

01 Rodoviária x Soares Neiva
02 Cabral x Paiol
03 Pedro Alvares Cabral x Novo Horizonte 
04 Nova Cidade x Olinda
05 Prefeitura x Nova Cidade 
06 Cabral x Maria Braga
07 Centro x Paiol
07B Centro x Alto Cabuis



431I Nilópolis x Nova Iguaçu
439I Nilópolis x Mesquita
180I Nova Iguaçu x Japeri 
A linha 04 originou-se como Olinda x Matadouro

Quando Mesquita era o quinto distrito de Nova Iguaçu, a Expresso São Francisco era uma das empresas que ligavam Nilópolis até aquele município. Com a emancipação de Mesquita, ocorrida em 1999, houve um corte nessa ligação. A linha 439I (Nilópolis x Mesquita) já não ia mais até Nova Iguaçu.


Expresso São Francisco
O restabelecimento dessa ligação veio alguns anos depois. No início dos anos 2000, a Expresso São Francisco solicitou ao DETRO a expansão da linha 439I até o município de Nova Iguaçu, porém o órgão só aceitou que a linha fosse até a divisa entre Mesquita e Nova Iguaçu, no bairro de Juscelino. Ainda não era dessa vez, que a São Francisco iria juntar nilopolitanos e iguaçuanos.



A solução veio mais a frente, ainda na década de 2000, a São Francisco passa a operar a linha 431. Era uma linha nova e que ligaria, finalmente, Nilópolis à Nova Iguaçu. Ainda em fase de transição, alguns carros circulavam com a numeração 431, porém só iam até Juscelino. A solução foi voltar a rodar a linha 439I com seu trajeto original, ou seja Nilópolis x Mesquita e a 431 rodava como Nilópolis x Nova Iguaçu. 


Expresso São Francisco
No início, a 431 tinha poucos ônibus e aos poucos, a demanda foi aumentando e o processo se inverteu. Hoje a 439 tem pucos ônibus e a 431 roda com seus ônibus sempre cheios.



Com a criação da 431, a Expresso São Francisco consolidou o seu domínio no eixo Nilópolis - Chatuba - Mesquita, região hoje dividida com o Grupo MVR.



A Expresso São Francisco também operou a linha Nova Iguaçu x Paracambi. Originada com a Gardel Turismo e posteriormente repassada para as empresas Expresso São Francisco, Normandy do Triângulo e Transportes Blanco.



Além dessa, ela operava as linhas parciais que iam até o Parque Industrial de Queimados e Engenheiro Pedreira. A última foi esticada até Japeri, atedendo as localidades de Pedra Lisa, Vila Santa Amélia, Nova Belém, Chacrinha, e São Jorge, todas ao longo da RJ-093 Estrada Ary Schiavo.






Feital Transportes e Turismo

Fundada em 10 de novembro de 1981 por Osver Alfredo Machado, a Feital Transportes e Turismo era sediada originalmente em Itaguaí. Realizava fretamento para a Ilha do Mocanguê utilizando veículos de motor traseiro até começar a receber carros zero km, como Marcopolo Viaggio e Ciferal Tapajos.




Criada como empresa de fretamento para funcionários na Ilha do Mocanguê, começou a operar linhas urbanas na Baixada Fluminense em 1992 Castor Gonçalves de Andrade e Silva que comprou ônibus oriundos da Viação Verdun, que repassava os ônibus incorporados da Viação Uruguai ,Viação Glória e Columbia.



A partir de então, começavam a surgir suas pimeiras linhas ligando a Baixada Fluminense à Zona Oeste e a Zona Norte, atendendo principalmente a região de Bangu.

432L Nilópolis x Realengo
540P Canto do Rio x Itaguaí
541P Realengo x Itaguaí
542P Itaguaí x Realengo
543P Itaguaí x Padre Miguel
544P Magalhães Bastos x Itaguaí
570P Itaguaí x Mal.Hermes
580P Bangu x Canto do Rio
705P Edson Passos x Bangu
775P Canto do Rio x Rio da Prata



Suas linhas em Itaguaí faziam parada em Brisa-Mar.
A primeira linha de fato a circular foi a 543P, operada inicialmente com Ciferal Tocantins, Condor, Caio Gabriela e outros modelos. A linha despertou interesse na Expresso Mangaratiba fazendo com que a mesma rodasse por alguns meses na mesma linha.


Pont final da linha 543P Padre Miguel x Itaguaí na Praça Mestre André - Foto: Cia de Ônibus

Em 1992 deixa de ter sede em Itaguaí, transferindo suas instalações para uma pequena garagem na Estrada da Agua Branca ,em Padre Miguel onde fazia manutenção da sua frota. Com a aquisição de suas primeiras concessões de ônibus na cidade do Rio de Janeiro no ano de 1997, a empresa passa a contar com a sua garagem na Avenida de Santa Cruz em Padre Miguel.


Feital Transportes e Turismo - 775P Canto do Rio x Rio da Prata - Foto: Cia de Ônibus
A Feital (Padre Miguel) é a única empresa do município do Rio de Janeiro não-filiada ao Sindicato das Empresas de Ônibus (Rio Ônibus). Por isso, após a licitação da Prefeitura, em 2010, não foi integrada a nenhum dos consórcios participantes, em especial o Consórcio Santa Cruz, responsável pela operação na Zona Oeste da cidade.

Porém, como suas linhas eram licitadas e teve o contrato renovado, a Padre Miguel possuí permissão para continuar explorando o serviço de ônibus legalmente em duas linhas, licitadas em 1997, sendo através de liminar, até 2017.


Em 2005 o Detro-RJ cassou várias linhas intermunicipais da empresa.

No final de 2008, a Feital entrou em processo de falência, devido às sérias dificuldades financeiras, tendo ela mesma pedido a anulação do processo cerca de 3 meses depois.



Em 2010, A empresa retorna com seu nome fantasia alterado Transportes Padre Miguel, mantendo a mesma razão social e registro na prefeitura, na tentativa de voltar a operar suas linhas originais.

Em 2013 a empresa teve 90% de sua frota apreendida em operação da Prefeitura.





Linhas Municipais já Operadas - 99000


367 Realengo x Praça XV
756 Senador Camará x Barra da Tijuca
856 Marechal Hermes x Base Aérea de Santa Cruz
875 Cascadura x Sepetiba




Com o fechamento da Feital, a linha 367 foi operada pelas empresas Transportes Campo Grande e Auto Viação Bangu. Em 2017 com o fechamento da Bangu a linha 367 que já estava desativada e a sua "PARCIAL" 755 Realengo x Coelho Neto foram vendidas para Transportes Barra.



A linha 756 sofreu alterações em 2010, onde recebeu o código 803 e em seguida teve seu trajeto encurtado até a Taquara. De 2010 até os dias atuais, ela foi operada pela Viação Andorinha e atualmente Transportes Barra.



As linhas 856 e 875 foram extintas junto com a Feital. Os números foram passados para outras linhas do Consórcio Transcarioca. Com o surgimento da Transportes Pare Miguel, a empresa voltou com a 875 fazendo o trajeto Cascadura x Campo Grande e a 856 fazendo a ligação Marechal Hermes x Campo Grande. Em uma tentativa de retomar seu espaço, levou a linha até Santa Cruz, mas essa não durou muito tempo.



A 856 originou-se da linha 859, com itinerário ligando Campo Grande à Base Aérea de Santa Cruz, operada pela Viação Santa Sofia. A linha criada nos anos 90 supria a demanda não atendida pelo transporte ferroviário, na época operado precariamente.


A Santa Sofia então levou a ponta de Campo Grande à Marechal Hermes, com isso, a linha torno-se 859 Base Aérea x Marechal Hermes. Essa extensão desagradou a Auto Viação Jabour e Viação Andorinha, que ganharam o direito de operar o itinerário, ostentando respectivamento como os códigos S025 e S026.



Com a licitação de 1997, termina o pool entre as três empresas. A vencedora da licitação foi a Feital Transportes e Turismo, que já operava linhas intermunicipais na região atendida pela linha, que recebeu o código 856, enquanto a linha base continuou como 859.



A atual 432L Nova Iguaçu x Bangu teve origem a partir de uma linha "pirata" criada pela Feital. A linha realizava o trajeto Bangu X Nilópolis até ser cassada pela primeira vez. Tempos depois, surge a Realengo x Nilópolis, partindo da Rua Capitão Teixeira, que também não durou muito tempo. Uma outra versão chegou a sair da Praça dos Cadetes.



Em 1993 a linha foi entregue a VNS. da Penha e ficou desativada, sendo reativada em 1994 como "541L - Bangu x Nova Iguaçu". Além da 432L, a VNS. da Penha utilizava o código 541L também para a atual 546L.
Em meados dos anos 2006, isso o código da linha de Bangu foi alterado para 432L.



Em Nilópolis o ponto da Feital ficava na Rua Mário de Araújo. Quando foi assumida pela Viação Nossa Senhora da Penha, a linha chegou a partir do Terminal Rodoviário de Nilópolis. Atualmente a empresa mantém um horário de saída matinal do Terminal de Nilópolis.



Após a intervenção nas linhas intermunicipais da Feital, a linha 570P foi operada pelas empresas  Expresso Mangaratiba e Expresso Real Rio, que utilizou veículos do modelo Ciferal Turquesa e Comil Piá, proveniente da sua linha 737P.



Até 2017 a linha vinha sendo operada pela Expresso Mangaratiba que teve suas linhas cassadas, passando então a operação para a Auto Viação Reginas.

Foto: Thiago Souza
Em 2009 nascia a Transportes Padre Miguel, firmada na sede da Feital em Padre Miguel, adquirindo suas linhas e ostentando a mesma identidade visual. A razão social se mantém como Feital Transportes e Turismo, porém o nome fantasia "Padre Miguel". Atualmente a empresa é controlada pelos empresários Alfredo Monteiro Machado e Rogério Machado, filhos do fundador da Feital Transportes e Turismo, Osver Alfredo Machado.


Atualmente a Transportes Padre Miguel opera apenas a linha 575P Padre Miguel Itaguaí, realizando o itinerário da primeira linha urbana operada pela Feital, a 543P.


Viação São João Batista


Operando a linha Penha x Nova Iguaçu, a Viação São João Batista surgiu em 1955. Sua frota era composta por 19 veículos nimerados em sequência de 1 a 19, chamando atenção para o veículo de número 12, que se tratava de um lotação com motor externo. Os demais, possuiam a carroceria Bons Amigos, com buzina a ar, no teto.



Os veículos do tipo rodoviário nas cores verde, amarelo e vermelho eram zero quilômetros, atendendo a população na extensão da Avenida Getúlio de Moura, Marechal Alencastro e nos bairros cariocas.



Inicialmente, a Viação São João Batista operava somente a linha 551L, que liga Nova Iguaçu ao bairro da Zona Norte do Rio com uma frota diversificada, sendo composta por Caio Gabriela e Metropolitanas encarroçado sob o chassi MBB OH 1313.




Sua garagem localizava-se na Rua Nilo Peçanha, avenida onde todas as empresas de Nova Iguaçu tinham garagem. A empresa transfere então sua sede para aRua Capitão Teles, 78 em Nova Iguaçu. Já proximo ao seu encerramento, a empresa possuía em sua frota as carrocerias dos monoblocos mercedes-benz O-364 e Gabrielas.

Nos anos 80, já com sede na Avenida Governador Celso Peçanha, a empresa foi vendida em 1983 para a Expresso São Francisco, que a repassou em 1985 para Expresso Pégaso. Administrada pela Viação Nossa Senhora da Penha, houve uma troca de linhas.




A 551L Nova Iguaçu x Penha ficou com a Viação Nossa Senhora da Penha, que em troca, passou a sua linha 737L, na época Belford Roxo x Engenho de Dentro para a Expresso Pégaso.
A 737L  teve origem nos anos 60 com itinerário Mesquita-Engenho de Dentro, operada pela Viação São Jorge. Já nos anos 70, torna-se Belford Roxo x Engenho de Dentro, operada pela VNS. Penha.

A 737L, era operada com veículos da Expresso Pégaso, que absorveu o registro DETRO-RJ 198 da Viação São João Batista, mudando apenas o nome fantasia para a empresa que já operava linhas na Zona Oeste do Rio de Janeiro.



Como a sede da Expresso Pégaso ficava distante da área de operação, a administração da linha ficava por conta da Viação Nossa Senhora da Penha, que era operada pelos sócios da Auto Viação Jabour, na época emcampada. Na época a garagem da São João Batista localizada no bairro Cruzeiro do Sul ficava distante para controle e operação. 


Viação São João Batista - Foto: Reprodução da internet
A Viação Nossa Senhora da Penha, vendeu a garagem da Governador Celso Peçanha para a Transturismo Rio Minho. Para guardar os veículos da Expresso Pégaso, foi utilizada a garagem na Rua Capitão Teles, atualmente em posse do Grupo Mirante/ Vila Rica.
Atualmente a Transturismo Rio Minho utiliza como garagem de apoio, a antiga garagem da Viação Mirante no bairro K 11.





Expresso Pégaso


No dia 11 de março de 1966, o Decreto nº 1.042, estabelia o uso de veículos com capacidade mínima para 36 passageiros sentados. As primeiras linhas são propostas no dia 19 de abril daquele ano, sendo elas: Praça Mauá x Santa Cruz e Praça Mauá x Campo Grande, ambas via Avenida Brasil.



Através dessa licitação, surge a Expresso Pégaso, que venceu a licitação, iniciando a operação no dia 29 agosto daquele ano, com frota de 6 ônibus rodoviários.
Os veículos com capacidade para 40 passageiros, não trafegava com lotação em pé em suas viagens que duravam cerca de 1:30 entre os extremos. O serviço seletivo era uma opção ao trem, que na época, era a única ligação direta do bairro com o centro.



Nos anos 70, a empresa adquire novas linhas, alcançando a Zona Sul da cidade através da Rodovia Rio-Santos. As linhas:

Sepetiba x Praça Mauá via Av. Brasil, inaugurada em 1970;
Santa Cruz x Praça Mauá via Rio-Santos, inaugurada em 1971;
Sepetiba x Praça Mauá via Rio-Santos, inaugurada em 1971;
Base Aérea de Santa Cruz x Aeroporto Santos Dumont via Rio-Santos, inaugurada em 1971;
Campo Grande x Aeroporto Santos Dumont via Rio-Santos, inaugurada em 1973;
Campo Grande x Castelo via Bangu, inaugurada em 1974.



O ano de 1975 trouxe à empresa novas possibilidades. Naquele ano, a Expresso Pégaso recebe autorização para operara linha 399 Santa Cruz - Tiradentes, sendoa sua estréia na operação de ônibus convencional.



Com o fechamento da Viação São João Batista, com sede em Mesquita no município de Nova Iguaçu, a Expresso Pégaso estreia na operação de linhas intermunicipais em 1983. A primeira delas foi a 737L Belford Roxo x Engenho de Dentro.


Ciferal Alvorada da Expresso Pégaso no Viaduto de Mesquita - Foto: Mesquita Informe
A Expresso Pégaso, administrada pela Viação Nossa Senhora da Penha, absorveu o registro DETRO-RJ 198 da São João Batista.

Com o registro RJ-198, a Expresso Pégaso alterou apenas o nome fantasia, passando a ostentar em sua frota o nome Expresso Pégaso, embora a razão social continuasse por alguns anos em nome da São João Batista.



Embora os veículos fossem da Expresso Pégaso, os colaboradores que trabalhavam na linha eram da Viação Nossa Senhora da Penha, devido à proximidade com o eixo de operação da linha, visto que a sede da Expresso Pégaso era em Santa Cruz, na Rua Felipe Cardoso.




A linha 737L teve origem na Empreza São Jorge Ltda. Com sede em Nova Iguaçú, operava as linhas Engenho de Dentro x Mesquita e Nova Iguaçu x Meier.


Veículo da Empreza São Jorge acidentado em Quintino Bocaiuva quando operava na linha Eng de Dentro x Mesquita no dia 08 de dezembro de 1958 - Foto: Reprodução da internet


A empresa foi absorvida pela Viação Nossa Senhora da Penha, que ficou com a linha para o Meier e repassou a Engenho de Dentro para Expresso Pégaso.



No dia 28 de abril de 1959 a Empreza São Jorge se envolve em outro acidente. Dessa vez na Praça de Ricardo de Albuquerque. Enquanto operava a linha Mesquita x Engenho de Dentro, se chocou com um veículo da Viação Nossa Senhora da Penha, que operava a linha Nilópolis x Cascadura - Foto: Acervo José Gusmão

No final de 1983, a Viação Nossa Senhora da Penha começa a operar a linha 543L Nova Iguaçu x Méier via Engenho de Dentro, coincidindo com o itinerário da 737L entre Mesquita e o Engenho de Dentro.


Fichas dos ônibus da Empreza São Jorge - Foto: Fichas de Ônibus


Essa sobreposição fez com que a linha 737L fosse seccionada em Deodoro, tornando-se Belford Roxo x Deodoro.



Em 1988, durante uma greve do setor ferroviário, o Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (DETRO-RJ) solicita que algumas linhas sejam reforçadas, visando atender a demanda desassistida pelo trem.


Linhas reforçadas em 50% para suprir a falta dos trens devido à greve - Foto: Jornal do Brasil, 1 de fevereiro de 1988

No final de 1992, a Expresso Pégaso ganhou a concessão da 460S Itaguaí x Barrinha. Com isso, a empresa transfere a frota da linha 737L para a 460S, deixando a N.S. da Penha de vez com a operação da 737L.




Em março de 2016, a linha passou a ser operada pela Expresso Recreio. Os ônibus são climatizados e possuem bancos confortáveis, além de televisão, carregadores de celular e internet “Wi-Fi”.
Inicialmente a Expresso Recreio utilizava o prefixo RJ 198.XXX, o mesmo que era utilizado pela Expresso Pégaso herdado da São João Batista. De lá pra cá, a empresa já teve o registro Detro RJ 229.XXX e atualmente RJ 230.XXX.




Viação Nossa Senhora da Penha


Fundada na década de 1950, é uma das empresas do Grupo Guanabara, um dos maiores conglomerados de empresas de transporte de passageiros do Brasil, fundado em 1968 também pelo empresário Jacob Barata na cidade do Rio de Janeiro.



Sua garagem está situada no bairro Presidente Juscelino em Mesquita.
A Mesma opera linhas intermunicipais ligando Nova Iguaçu, Nilópolis e Belford Roxo à bairros da Cidade do Rio de Janeiro.



Nos anos 80, já realizava a ligação com as linhas que partem de Nova Iguaçu com a Capital através das linhas 540 Ricardo de Albuquerque, 541 Cascadura e 543 Meier. Ainda nos anos 80, adquiriu a linha 551 Penha, oriunda da Viação São João Batista.



Nos anos 90, consolida a sua área de atuação no eixo das avenidas Getúlio de Moura e Marechal Alencastro adquirindo e crando novas linhas, entre elas: 432L Nilopolis x Realengo da Feital Transportes e Turismo. A linha ficou alguns anos inativa e foi reativada como 541L Nova Iguaçu x Bangu, como se fosse uma variante da linha de Cascadura.



A ligação com a Praça Seca teve origem também como Nilópolis, na época com o código 542L. Posteriormente esticada até Nova Iguaçu, recebeu o código 541L, até se tornar definitivamente a 546L.
O código 542L é reativado mais tarde, realizando a ligação Nilópolis x Cascadura, uma parcial da 541L.



A linha 544L é uma variação da linha 543L, seu itinerário pela antiga Avenida Suburbana atenende á uma grande área comercialmente desenvolvida.

Em 2014, com a intervenção total da Turismo Transmil, a Viação Nossa Senhora da Penha recebeu duas linhas com origem no município de Nova Iguaçu, ambas atendendo à sua área de atuação  já consolidada. As linhas 133B Nova Iguaçu Central via Deodoro e sua parcial, 479I Nova Iguaçu x Parada de Lucas.



Disposta a conquistar os clientes que prezam pelo conforto nas viagens para o Centro do Rio de Janeiro, a empresa Nossa Senhora da Penha reativou o serviço executivo de ônibus operando a linha 133 Nova Iguaçu x Central.



Desativada nos anos 90, a linha voltou a circular com a Viação Nossa SEnhora da Penha. No dia 7 de abril de 2014, uma melhoria é oferecida pela empresa, que pôs em circulação 6 ônibus rodoviários, somando aos que se juntam à frota de ônibus urbanos da linha.



Montados sobre chassi Mercedes-Benz, os ônibus inauguram, na empresa, o serviço Confort Line e foram adquiridos zero quilômetro da encarroçadora Marcopolo, do Rio de Grande do Sul. Os seis veículos são do modelo Audace contavam com recursos como sistema de ar condicionado e som ambiente.

O serviço Confort Line durou por pouco tempo, sendo os veículos repassados para a Auto Viação Jabour. Os ônibus já vieram de fábrica com a identidade visual predominante compatível à do serviço executivo prestado pela Auto Viação Jabour, na cor azul.



Já sem o serviço executivo, a linha recebe outra novidade. Em 2017, a Viação Nossa Senhora da Penha estendeu seu itinerário da Rodoviária de Nova Iguaçu para a Vila Bandeirantes, bairro da região de Comendador Soares.

A novidade também não durou por muito tempo, o que levou os moradores a realiizar um abaixo-assinado solicitando o retorno do serviço
 especial, que tinha como objetivo, facilitar a locomoção entre os bairros Vila Bandeirantes e Santa Eugênia com o Centro do Rio e bairros cariocas como Guadalupe e Coelho Neto através de uma ligação direta. 



Vale ressaltar que entre as décadas de 70 e 80, a Viação Rápido Brasileiro fazia o percurso Santa Eugênia x Central via Deodoro, com o itinerário igual ao da 133B.


No dia 17 de outubro de 2017, em busca de fidelizar e conquistar mais clientes, a empresa passou a oferecer uma integração com o custo de apenas uma passagem entre as suas linhas com origem em  Nova Iguaçu e a linha 737L Belford Roxo x Deodoro.
A oferta desse serviço ampliou a possibilidade de deslocamento com a maior oferta de linhas para destinos diversos.



A integração é realizada no ponto localizado em frente a garagem da empresa, localizado na Avenida Getúlio de Moura no bairro Presidente Juscelino, em Mesquita. No local fica um colaborador da empresa, orientando e conduzindo o passageiro até a linha desejada.

Confira abaixo as possibilidades de integração:

737L + 432L Belford Roxo x Bangu
737L + 541L Belford Roxo x Cascadura
737L + 544L Belford Roxo x Méier
737L + 546L Belford Roxo x Praça Seca
737L + 551L Belford Roxo x Penha
737L + 497I Belford Roxo x Parada de Lucas
737L + 540L Belford Roxo x Ricardo de Albuquerque





Transporte Blanco


A Transportes Blanco surgiu em 2007, após absorver a Expresso São Jorge, dententora de linhas intermunicipais entre Nova Iguaçu e Belford Roxo.


Sediada originalmente em Nova Iguaçu na Avenida Nilo Peçanha 1249, a Expresso São Jorge transferiu sua sede para Belford Roxo, utilizando a garagem no bairro Areia Branca, oriundada empresa Rio Lisboa. Em 1993 suas linhas municipais com destino para o antigo distrito emancipado de Belford Roxo tornaram-se intermunicipais.



Inicialmente, sua frota era composta por veículos da Expresso São Jorge, utilizando-se apenas um adesivo sobre o nome para apresentar a nova empresa. Após algum tempo, os veículos começaram a receber a nova identidade visual, nas cores branco, cinza e mantendo uma discreta faixa laranja, em alusão à Expresso São Jorge.



Em 2011, a empresa aumenta a sua área de operação ao assumir o setor da Turismo Transmil em Queimados. Tais linhas compreendem a ligação de Queimados com o Centro do Rio e com Cabuçu, alcançando também o distrito japeriense de Engenheiro Pedreira.

Além das linhas, a empresa assumiu a garagem da Transmil, localizada no centro do município, tornando-a mais tarde.


Apresentação da frota da Transportes Blanco no município de Queimados
Ainda em crescimento, a Transportes Blanco expande ainda mais a sua operação. Tal fato se deu a partir da assunção do setor de Paracambi da Viação Normandy o Triângulo em 2012.
Assim como em Queimados, a empresa assumiu todas as linhas, sendo elas municipais e intermunicipais, assim como a garagem, que se tornou a G-3 da Transportes Blanco.



Após alcançar o município de Paracambi, a empresa repassa parte do setor de Belford Roxo para a empresa Auto Viação Vera Cruz - uma das maiores empresas do município de Belford Roxo. Na ocasião, houve repasse das frotas entre Belford Roxo e Paracambi, sendo a frota de Belford Roxo remanejada para Paracambi, enquanto os de Paracambi, oriundos da Viação Normandy do Triângulo foram para Belford Roxo, sendo eles reaproveitados pela Auto Viação Vera Cruz.




Em 2013, a empresa é requisitada pelo Departamento de Transportes Rodoviários para operar em caráter emergencial duas linhas com origem em Nilópolis. Tal requisição se deu ao fato da intervenção parcial sofrida pela Turismo Transmil, que ficou impedida de operá-las.




As linhas partem do Terminal Rodoviário de Nilópolis em direção à Central, tendo como itierário o bairro de Deodoro, na zona oeste da capital.


Transportes Blanco
As linhas realizavam o mesmo itinerário, sendo diferenciadas apenas pelo serviço. Enquanto a 124B realizava o serviço "Rápido", a 131B era responsável pelo serviço "Parador", seguindo pela pista seletiva da Avenida Brasil a partir de Irajá.



A empresa operou por curto tempo a linha 131B, permanecendo apenas com a 124B. Originalmente a linha seguia em direção à Mesquita, onde através do BNH acessava a Rodovia Presidente Dutra.
No primeiro dia de operação da empresa as linhas da Transmil, a empresa ostentava "via BNH" na linha 131B. Porém, a linha é Via Deodoro. O fato deu-se devido à Transmil, que operava a linha 120B com a numeração 131B. Ao perceber o erro, a Transportes Blanco corrigiu no decorrer do dia.
Linhas requisitadas à empresa:

124B Nilópolis x Central via Parada de Lucas
131B Nilópolis x Central via Parada de Lucas

Em 2014 Transportes Blanco deixou as linhas de Belford Roxo e Nova Iguaçu, passadas também para a empresa Auto Viação Vera Cruz, que já havia adquirido parte das linhas.



Em outubro de 2015, a Transportes Blanco começou a operar a de forma parcial uma extinta linha que ligava Queimados ao bairro de Benfica, no Rio de Janeiro. Após, anos sem a operação da linha pela Turismo Transmil, o Tribunal de Justiça concedeu à Transportes Blanco uma liminar que permitia a empresa, junto ao DETRO/RJ e a Prefeitura de Queimados.


Frota da linha 449B Queimados x Penha - Foto: Revista Queimados
Em seu Artigo 1º a liminar obriga a prefeitura a regulamentar estacionamento para ponto final de parada de coletivo, com 2 (duas) vagas para a Linha 449B Penha x Queimados, na Rua Plínio de Oliveira, à 70 (setenta) metros do cruzamento da Rua Plínio de Oliveira com a Estrada José Rucas na Penha.



Em 2016, através da Portaria DETRO-RJ 1261 do dia 1 de junho, A Transportes Blanco foi requisitada para operar emergencialmente quatro linhas da Viação Caravele, que ficou impedida de operá-las. Com isso, a Tansportes Blanco assumiu as linhas:

522B Central x Parque São Vicente

527B Central x Sargento Roncali via Parque São Vicente / Linha Vermelha
523B Central x Sargento Roncali via Parque São Vicente
1522B Central x Parque São Vicente


A intervenção nas 12 linhas intermunicipais operadas pela Viação Caravele deveu-se às constantes reclamações quanto à qualidade do serviço prestado pela empresa, principalmente referentes ao mau estado da frota, além do não atendimento às recorrentes solicitações para que seus problemas operacionais, fiscais e trabalhistas fossem solucionados.

As linhas, que têm origem no município de Belford Roxo, passaram a ser operadas em caráter emergencial pelas empresas Transporte Blanco, Viação São José as linhas e Auto Viação Vera Cruz, que já operavam trajetos na região.



Antes do fechamento da Viação Caravale, a mesma passou a UniRio Transportes para Transportes Blanco. Na época, a frota da UniRio era composta basicamente por veículos Apache Vip III da encarroçadora Induscar Caio. Com a nova administração, uma nova frota entrou em operação, além da mudança em sua identiade visual, tornando-a semelhante à da sua administradora.

A Unirio Transportes originou-se em 2011, assumindo as linhas de ligação da Baixada Fluminense à Barra da Tijuca, antes operadas pela Auto Lotação Ingá.
A Câmara Comunitária da Barra da Tijuca tentou impedir a realização da licitação por meio de uma liminar concedida pelo juiz Cláudio dell’Orto, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Estado, que foi suspensa pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Murta Ribeiro.



Com a suspensão, o Departamento de Transportes Rodoviários realizouem junho de 2008 a sessão para recebimento das propostas de empresas interessadas em operar linhas de ônibus que ligarão municípios da Baixada Fluminense à Barra da Tijuca, na Zona Oeste.

A Comissão de Licitação do Detro recebeu a documentação de representantes das empresas Transportadora Tinguá, Auto Lotação Ingá e Expresso Cruzeiro do Sul, que concorreram à exploração das linhas:

Nova Iguaçu x Barra da Tijuca;
Belford Roxo x Barra da Tijuca;
São João de Meriti x Barra da Tijuca;
Mesquita x Barra da Tijuca, com integração modal com Nilópolis;
Duque de Caxias x Barra da Tijuca, com integração modal com Magé;
Queimados x Barra da Tijuca , com integração modal com Japeri.



No dia 10 de setembro de 2008, a Auto Lotação Ingá começou a operar em conjunto com a Transportadora Tinguá as linhas que partem de Queimados e Belford Roxo.
Em outubro de 2010 a Auto lotação Ingá passou a administrar sozinha a Viação Caravele, antes também administrada pela Viação Rubanil. No ano seguinte, deixou as linhas do eixo Barra x Baixada para a Unirio Transportes. Desde a saída da Ingá em 2011 até dezembro de 2012, a Unirio se tratava da Viação Caravele ostentando o nome fantasia. A Unirio só veio a ser criada em 21 de dezembro de 2012.



Com a apresentação da nova identidade visual e da frota renovada, a UniRio Transportes surpreendeu aos passageiros das suas linhas, que ligam a Barra da Tijuca à Belford Roxo (400T) e Queimados (425T). Sob o comando da Transportes Blanco, a empresa se desvinculou da imagem da sua antiga gestora – a Viação Caravele, que sofreu uma intervenção por parte do Detro, e adotou a mesma pintura da empresa-mãe, com um U estilizado ao invés do B. Marcando esta nova fase, a empresa recebeu 10 novos ônibus e 16 semi-novos.



Linhas operadas pela Unirio Transportes

400T Belford Roxo x Barra da Tijuca via Linha Amarela / Carrefour
425T Queimados x Barra da Tijuca via Linha Amarela / Tio Luiz
425T Japeri x Barra da Tijuca via Linha Amarela / Mucajá

No dia 28 de junho de 2018, O Departamento de Transportes Rodoviários (Detro-RJ) publicou as Portariaa de Nº 1399 e 1400, requisitando a Viação São José para operar 5 linhas com origem respectivamente nos municípios de Nilópolis e Belford Roxo, anteriormente requisitadas à empresa TB Transportes Blanco pelas Portarias de N° 1.125/2013 e 1.261/2016, alterando critérios estabelecidos em duas intervenções de empresas, da Turismo Trans1000 e da Viação Caravele. 



Linhas requisitadas:

124B Nilópolis x Candelária via Avenida Brasil – Rápido
522B São Vicente x Central
523B Sargento Roncale x Central via São Vicente
527B Sargento Roncale x Praça Mauá via São Vicente
1522B São Vicente x Central


O Detro-RJ levou em conta a solicitação da Transportes Blanco, que decidiu devolver as linhas devido à ociosidade de seus veícilos entre a sua garagem em Queimados até os municípios de origem.




Expresso Cruzeiro do Sul

Fundada em 8 de maio de 1966 por José Coelho Machado, a empresa iniciou as suas operações em realizando serviços de turismo. Entre 1967 e 1972, a empresa comprou boa parte da frota de turismo.



Mantendo a frota de turismo naquele ano, a partir de 1972 a Expresso Cruzeiro do Sul começou a se desenvolver na realização de fretamento.
Sua pintura fazia referência ao avião da antiga empresa aérea.



Na época de sua aquisição pelo empresário Jacob Barata, a Normandy, fazia fretamento e tinha só uma linha interestadual a Rio x Santos.
Devido a grande quantidade de contratos de fretamento que em nome da Cruzeiro do Sul, a Viação Normandy do Triângulo manteve sua razão social.



Para atender estes contratos renovaram toda a frota da Cruzeiro, com o passar do tempo foram passando os contratos e carros para a Normandy que aderiu a pintura. Posteriormente venderam a razão da Cruzeiro.
Posteriormente voltou com o Registro DETRO RJ 512.000 que era da WERN Turismo, e mudou de nome fantasia para Cruzeiro do Sul, dessa vez ostentando a identidade visual azul.



A Normandy então vendeu a razão social e a Cruzeiro do Sul voltou a pintura original.
Em dezembro de 2008 o governador Sérgio Cabral Filho inaugurou as linhas que ligam a Baixada Fluminense à Barra da Tijuca, com isso a empresa inaugura o seu serviço em linhas de transporte coletivo operando as linhas:



410T São João de Meriti x Barra da Tijuca
420T Mesquita x Barra da Tijuca com conexão modal para Nilópolis.



Além das linhas regulares, a Expresso Cruzeiro do Sul operava versões variantes que seguiam por Vicente de Carvalho realizando o serviço "Rápido". Ambas seguiam pela Avenida Pastor Matin Luther King Jr até o acesso à Linha Amarela em Inhaúma.



Atualmente com as novas empresas ambas as linhas ainda possuem as versões "Expressas". A linha 410T atualmente partindo de Coelho da Rocha segue pela Avenida Pastor Martin Luther King, já a 420T possui horários em que não entra na Cidade Universitária.



Em abril de 2017 a empresa teve declarada pelo DETRO a caducidade da concessão de suas duas linhas. A empresa deixou de operar por 24 horas e voltou a circular através de uma liminar.



Durante a suspensão as linhas foram operadas pelas empresas:

Empresa de Transportes Flores

410T São João de Meriti x Barra da Tijuca via Fundão

Nilopolitana Cavalcanti

420T Nilópolis x Barra da Tijuca via Mesquita

420T - Nilopolitana /410T Transportes Flores
A liminar que permitiu a volta da Cruzeiro do Sul nas linhas foi suspensa no dia 19 de agosto do mesmo ano, voltando as linhas a serem operadas pela Empresa de Transportes Flores e Nilopolitana.



Já sem a operação de linhas urbanas, a Expresso Cruzeiro do Sul adquire a Xavier Turismo e mais tarde formam a Expresso Carioca, funcionando na garagem da Cruzeiro do Sul, em Cordovil, na cidade do Rio.




Expresso Mangaratiba

Fundada em 21 de outubro de 1967, a Expresso Mangaratiba iniciou sua operação ligando o município de São João de Meriti a Mangaratiba via Nova Iguaçu com cinco veículos ampliando o percurso até Duque de Caxias onde manteve a sua sede até ser cassada.
Terminal Rodoviário de Mangaratia - Foto: Reprodução da internet
A linha-mãe, São João de Meriti x Mangaratiba, mais tarde veio a se tornar a Caxias x Mangaratiba, deu origem à outras linhas, sendo elas parciais, atendendo a determinadas localidades dentro do traçado.



A linha mãe (118T) era operada junto a outras complementares, sendo elas:

453T Caxias x Cabuçu via Nova Iguaçu
456I Caxias x km 32 via Nova Iguaçu
120T Caxias x Itaguaí via Nova Iguaçu Piranema
456T Caxias x Itacuruçá via Nova Iguaçu /Piranema
452T Caxias x Muriqui via Nova Iguaçu /Piranema



Com o passar dos anos, a maioria das citadas acima eram operadas efetivamente apenas em épocas de grande demanda.



Além dessa região da Baixada Fluminense, a Expresso Mangaratiba pussuía uma gama de linhas que fazia a ligação de Duque de Caxias com a Zona Oeste da capital e outras entre a Zona Oeste e a Costa Verde Fluminense, atendendo em sua totalidade, 9 municípios das Regiões Metripolitana e Costa Verde, sendo eles, Duque de Caxias, São João de Meriti, Nilópolis, Mesquita, Seropédica, Itaguaí, Mangaratiba, Rio de Janeiro e Nova Iguaçu.




Esse grande domínio começou a ser dizimado em janeiro de 2017. Através do Decreto de Nº 1302, do dia 13 de janeiro, o Departamento de Transportes Rodoviários do Rio de Janeiro interviu parcialmente nos serviços autorizados à empresa, sendo requisitadas emergencialmente as empresas de Transporte Flores e Auto Viação Reginas.


Linha 116T Duque de Caxias x Itaguaí via Nova Iguaçu/ Palmares
A determinação deu-se devido a inexistência de frota adequada à operação dos serviços autorizados, se ausentando ainda da  regularidade fiscal, trabalhista e previdenciária.



As linhas basicamente possuem como eixo principal de circulação a BR-101, compreendida pela Avenida Brasil e Rodovia Rio-Santos.



São elas:

Empresa de Transportes Flores451T Duque de Caxias x Campo Grande via Éden

Auto Viação Reginas
117T Duque de Caxias x Mangaratiba via Campo Grande
564T Duque de Caxias x Campo Grande via Parada de Lucas
1904T Duque de Caxias x Campo Grande
2904T Duque de Caxias x Santa Cruz



Ainda em 2017, uma nova determinação do 
DETRO-RJ publicada no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro no dia 31 de março,  suspende a concessão total das linhas da Expresso Mangaratiba. A publicação estabelece o cumprimento do Decreto de Nº 1310 do DETRO-RJ, publicado no dia 29 de março.




Com isso, suas linhas foram distribuídas conforme setor operacional entre as empresas Auto Viação Reginas, que desde janeiro daquele ano já vinha operando outras quatro, as empresas Expresso Real Rio e Expresso Recreio receberam cinco e sete linhas respectivamente.




Expresso Real Rio
426P Cesarão x Itaguaí
427P Itaguaí x Santa Cruz via CODIN
428P Campo Grande x Itaguaí via Estrada do Campinho
430P Chaperó x Santa Cruz
573P Campo Grande x Itaguaí




Expresso Recreio
122T Itaguaí x Mangaratiba
457U Conceição de Jacareí x Itaguaí via Mangaratiba
458S Campo Grande x Itaguaí via Av. Brasil/BR101
459S Campo Grande x Mangaratiba via Av. Brasil/BR-101
590I Itaguaí x Nono via Caçador
1902S Campo Grande x Conceição de Jacareí
1903S Conceição de Jacareí x Itaguaí




Auto Viação Reginas
119T Duque de Caxias x Itaguaí via Bangu
121T Duque de Caxias x Mangaratiba via C. Grande/Estr. do Campinho
570P Itaguaí x Marechal Hermes
1900T Duque de Caxias x Conceição de Jacareí via C. Grande/BR-101
1901T Duque de Caxias x Conceição de Jacareí



Antes dessa sequência de intervenções, a Expresso Mangaratiba em uma reorganização operacional, havia tranferido algumas de suas linhas para a Viação Costeira, fruto de uma cisão realizada pela Expresso Mangaratiba em 1996 para assumir o transporte municipal em Mangaratiba e em 2010 passou a operar também uma linha licitada em pool ligando Nova Iguaçu à Barra da Tijuca. 



As linhas oriundas da Expresso Mangaratiba não duraram muito tempo nas mão da Viação Costeira, no dia 9 de agosto de 2017, o DETRO-RJ determinou através do Decreto de Nº 1337, intervenção das 10 linhas que ela havia recebido.

Para atender as linhas, foram requisitadas as empresas Expresso Recreio e Transportes Flores, que já haviam sido requisitadas para operar linhas da Expresso Mangaratiba, e a Viação Ponte Coberta.



A Expresso Recreio ficou então responsável pela ligação Itaguaí-Mangaratiba, Já a Viação Ponte Coberta e Transportes Flores, assumiram o setor que atende basicamente a Estrada do Madureira e Estrada de Piranema, nas regiões de Nova Iguaçu, Cabuçu, Km 32 e Seropédica, considerado uma área de operação já dominada pelo grupo que as recebeu.



Dentre as linhas recebidas, a Viação Ponte Coberta e a Empresa de Transportes Flores de fato só operam uma linha cada, mantendo as ouras cinco inativas.




Transporte Flores118T Duque de Caxias x Mangaratiba via N. Iguaçu
120T Duque de Caxias x Itaguaí (via Nova Iguaçu)
453T Duque de Caxias x Cabuçu via Nova Iguaçu


Expresso Recreio
116T Itaguaí x Mangaratiba
454U Itaguaí x Itacuruçá
455U Itaguaí x Muriqui




Viação Ponte Coberta
450T Nova Iguaçu x Itacuruçá via Av. Brasil
452T Duque de Caxias x Muriqui via Nova Iguaçu
456I Duque de Caxias x Km 32/BR-465
456T Duque de Caxias x Itacuruçá


Transturismo Rio Minho

A Niteroiense Transturismo Rio Minho foi 
fundada em 13 de março de 1961, pelos portugueses Antônio Henrique Teles Botelho e Joaquim Augusto Ferreira com o nome de “Transportes Rio Minho LTDA”, como homenagem a um belo rio português, o Rio Minho.



Sua sede era localizada na Rua Sebastião Lacerda, 494 no Caonze em Nova Iguaçu.
Em sua fundação, a Rio Minho possuía 1 veículo do modelo Cermava e 4 Cirbs.

Transturismo Rio Minho
Resposável pelo transporte de passageiros entre Nova Iguaçu e Niterói, quando ainda não havia a Ponte Rio-Niterói, todas as suas linhas passavam pela Rio-Petrópolis, Rio-Teresópolis, Magé-Manilha e Niterói-Manilha.


Rodovia Rio Petrópolis em 03-11-1973
Foto: Reprodução da internet

Nos anos 70, a Rio Minho assumiu as linhas que eram da COGEL - Coletivos Magé Ltda:

121 Magé x Niterói
124 Itaboraí x Nterói via Porto das Caixas
125 Aldeia da Prata x Niterói
458 Andorinhas x Niterói
Basicamente essas linhas estavam em sua área de atuação e tinham trajetos sobrepostos aos seus, podendo ser considerados concorrentes.



No dia 2 de agosto de 1976, a trajetória da empresa é marcada por um trágico acidente na Rodovia Rio-Magé. O veículo envolvido é do modelo Ciferal Líder² com antigo prefixo 136.08 enquanto operava a linha Niterói x Nova Iguaçu.



Nos anos 80 a empresa é comprada por Celino Nunes de Oliveira e José Fraga de Abreu, quando houve então a mudança do nome para Transturismo Rio Minho LTDA.
Um dos seus antigos proprietários, Antônio Henrique Teles Botelho, funda mais tarde a Transportes e Turismo Alto Minho.



Entre 1991 e 2010, a Transturismo Rio Minho mantia ainda uma garagem na Ilha da Conceição em Niterói.
Em 23 de Maio de 1994 o Grupo Rio Ita adquire do grupo Constantino de Oliveira a Transturismo Rio Minho, marca que permanece até os dias atuais.



A COGELl - Coletivos Magé Ltda - era dona das empresas Viação Floresta e Tricordiano Transportes e Turismo, que são divididas quando a Transturismo Rio Minho  assume a Cogel. Com o controle acionário na Rio Ita, as linhas originadas na COGEL são entregues à Expresso Rio de Janeiro (Magé-Itaboraí).



Já as empresas subsidiárias da COGEL são repassadas para outros empresários.
A Tricordiano é repassado para a Icaraí Auto Transportes e depois foi para a Viação Rio Ouro e a Floresta ficou com a Viação Mauá.



A principal unidade de negócios está localizada em Niterói e, onde os deslocamentos desenvolvem-se tanto neste município como em Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu, onde atualmente possui uma garagem de apoio no bairro Caonze.



Em toda a sua trajetória, a empresa já operou diversas linhas no contorno da Baía de Guanabara, são elas:

022 Niterói x Praça XV
Em pool com Viação Mauá e Rio Ita atual 101D da Viação Mauá;

121Q Magé x Niterói via BR-101
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;

122Q Magé x Alcântara
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;

123Q Itambi x Niterói via BR-101
Operada em pool com Expresso Rio de Janeiro e Rio Ita atual 424M;


125Q Aldeia da Prata x São Gonçalo
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;

458M Andorinhas x Niterói
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;

511Q Piabetá x Niterói via Magé
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;

601I Magé x Nova Iguaçu via Caxias
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;

708D Fonseca x Madureira
Atual Tribobó x Madureira da Fagundes;


998 Charitas x Galeão
Pool com CTC-RJ e 1001;

1945I Nova Iguaçu x Niterói via Magé
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;


2945I Caxias x Niterói via Magé
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;

3945I Magé x Niterói via BR-101
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;


4945I Magé x Niterói via Alameda
Transferida para Expresso Rio de Janeiro;

Venda das Pedras x Castelo
Atual 2926D da Rio Ita;

Venda das Pedras x Niterói
Atual 2413M da Rio Ita;


Piabetá x Niterói via Magé extinta
Duque de Caxias x Charitas > extinta
Nova Iguaçu x Charitas > extinta

Nas últimas décadas, outras linhas foram repassadas para a Expresso Rio de Janeiro.



Em uma nova estruturação do setor de Magé, algumas linhas que atendem ao município e que eram operadas pela Transturismo Rio Minho, foram repassadas para a empresa Mageense.


603I Nova Iguaçu x Magé via 25 de Agosto - Foto: Alex Bernardes Bus

Nesses anos, houveram casos de incêndios em parte da frota que compõem essas linhas. Um foi na garagem de apoio da Rio Minho em Nova Iguaçu, um outro episódio foi durante uma manifestação no município de Magé, onde a Expresso Rio de Janeiro teve vários veículos incendiados. Recentemente um incêndio dentro da garagem sede da Expresso Rio de Janeiro em Magé.



Em todos esses casos, a Rio Ita, empresa majoritária do Grupo, emprestou veículos para suprir a demanda e evitar maiores prejuízos à população. 

Em junho de 2015, a Expresso Rio de Janeiro, recebe as últimas linhas no setor de Magé da Transturismo Rio Minho. foram elas:




2945I Nova Iguaçu x Niterói via Magé e Caxias 
601I Nova Iguaçu x Magé

Sendo assim, a Rio Minho ficou apenas com as linhas cujo itinerário compreende a travessia da Ponte Rio-Niterói.



141C Duque de Caxias x Niterói via PPCS
142C Duque de Caxias x Niterói via PPCS
143C Niterói x Nova Iguaçu via PPCS
144C São Gonçalo x Duque de Caxias via PPCS
1930D Niterói x Duque de Caxias via PPCS
1931D São Gonçalo x Duque de Caxias via PPCS
1940D Nova Iguaçu x Niterói via PPCS/ Nilópolis
1941D Niterói x Nova Iguaçu via PPCS/ Posto 13




Viação São José

Fundada em 1936, a Viação São José operou com razões sociais de seus proprietários, o fundador Oscar Soares e seu sócio José Soares. Após as emancipações ocorridas em Nova Iguaçu, a empresa passou a operar a sua linha 
Nova Iguaçu x São João do Meriti com o antigo prefixo DTC 75. Sua garagem sempre esteve localizada na Estrada Dr. Plínio Casado, 4.


Acervo Viação São José
A influência e a participação social, foram tão fortes, que a rua em frente a garagem tornou-se, Av. Oscar Soares. A origem do nome é desconhecida, mas prevê-se que devido ao José Soares, ser filho do Oscar, ela seja a fervorosidade católica natural da raça portuguesa, em homenagem ao seu santo preferido.



Na década de 70, alterou sua razão social para “Viação São José Ltda.” e operou além da linha inicial, as linhas:
Nova Iguaçu x Cobrex
Nova Iguaçu x Ponto Chic
Nova Iguaçu x Belford Roxo



Na época de sua fundação, todas eram municipais de Nova Iguaçu. Após a emancipação de São João de Meriti em 1947, sua primeira linha tornava-se intermunicipal. Posteriormente de São João de Meriti começou a alcançar a Pavuna, onde passou a manter o ponto final de várias linhas que surgiram.


Linha 561I Ponto Chic x Pavuna (atualmente realiza o itinerário Santa Rita x Pavuna via Ponto Chic)
Quando houve a fusão dos antigos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, o DTR foi substituído pelo DETRO e todas as empresas com ônibus em linhas intermunicipais, adotaram um prefixo específico, com a letras RJ na frente dos dígitos. Dessa forma a São José, recebeu o prefixo RJ 200.000, para a linha intermunicipal e manteve o prefixo NIG 01-xx, para o município.



Utilizou em sua frota, muitos veiculos das montadoras Ciferal e Metropolitana. Em meados da década de 60, a Ciferal deixou de fabricar urbanos e Oscar, conhecido pelo seu temperamento difícil, caprichou na manutenção e orgulho próprio. Deviso à aborrecimentos constantes com a Metropolitana, o empresário optou pela CERMAVA, de 1965 até 1970, padronizando a frota toda em 1969, com carros LP e LPO, novos e encarroçados.

Com a união da CERMAVA e a Metropolitana, o empresário ainda com a velha bronca ficou sem renovar a frota até 1971, quando começou a comprar com a encarroçadora Induscar CAIO, tornando-se cliente preferencial da encarroçadora, até a sua morte. Nessa época, contava com uma frota de 100% entre, Bela Vista, Bela Vista Máscara Negra, Gabriela I e II e Alpha.



Com a inauguração da Via Light e do Metrô na Pavuna em 1998, foram criadas diversas linhas ligando a Pavuna à bairros de Nova Iguaçu, Nilópolis e Mesquita.
A ligação entre a Pavuna e o Centro de Nova Iguaçu foi inaugurada pela Evanil Trasportes e Turismo.


Placa da Evanil Transportes e Turismo na Pavuna - Foto: Reprodução da inernet
Após alguns dias, entraram a Viação Mirante na linha Morro Agudo x Pavuna e Viação São José, operando em POOL a linha para Nova Iguaçu, até então operada apenas pela Evanil.
Por conta de um impasse, a Evanil teve que deixar a linha, ficando apenas a Viação São José.



Suas compras sempre foram no máximo de quatro veículos de cada vez com sua identidade visual básica, ostentando dois tons de verde, variando pelas épocas na intensidade mais clara e/ou mais escura, e branca.



Com uma manutenção impecável, ele não admitia carro seu enguiçado na rua, tanto que a empresa jamais teve carro socorro, somente Pick-Ups Ford para o serviço de trocas de pneus e inspeção de tráfego. Não admitia em hipótese alguma, carros rodando com pneus furados e o motorista tinha que parar imediatamente ao perceber a anomalia mandando o trocador a garagem chamar por socorro.



Também não admitia, empurrar qualquer carro da frota para “pegar no tranco”, só para desobstruir a via, e não permitia, que o motorista aproveitasse o embalo para que o motor voltasse a funcionar. Não suportava motorista mal barbeado ou cabeludo, cobrava a aparência dos mesmos pessoalmente, e demitia qualquer um que não se enquadrasse no seu sistema de trabalho. Trabalhar na São José era ponto de honra para qualquer motorista, que conseguia vaga fácil em qualquer empresa, pois era sabido que para trabalhar lá o profissional tinha que ser bom, senão não era nem admitido.

Tinha que saber correr muito, sem dar trancos, solavancos, freadas bruscas etc. Ele gostava de ficar na porta da garagem e não admitia que um carro da empresa passasse em frente ao portão, sem estar a frente dos carros das concorrentes, principalmente da Empresa de Transportes Municipal, que chamava de camarão devido a cor de sua pintura. Em algumas linhas, havia trechos em terra batida e ele ficava “muito fulo da vida”, quando um motorista por imperícia deixasse atolar ônibus.



Renovava a frota em torno dos 5 a 7 anos, com venda fácil dos carros antigos, devido a excelente manutenção. Continua em operação até os dias de hoje, com uma empresa forte e bem administrada, sempre com veículos novos e identidade visual moderna, através de seus sucessores.

Em 2008, com a suspensão da permissão de operação dos serviços da Elmar Transportes e Turismo, suas linhas foram operadas pela Tursmo Transmil, sendo passadas no ano seguinte à Viação São José.



901 Nova Iguaçu x Tinguá
902 Nova Iguaçu x Santa Rita

903 Nova Iguaçu x Vila de Cava

Atualmente as linhas para Vila de Cava e Tinguá são operadas pela Auto Viação Vera Cruz. 

No dia 14 de março de 2016 seus ônibus que circulam nas linhas municipais de Nova Iguaçu passaram a compor o Consórcio Reserva Tinguá. A mudança ocorreu após a licitação e a criação de dois consórcios operacionais na cidade.



Sendo assim, os ônibus para esses itinerários começaram a circular com a nova pintura padronizada. As as cores dos novos ônibus foram escolhidas para lembrar a história de Nova Iguaçu. “O laranja lembra a época dos laranjais, o branco, uma das cores da cidade, e o cinza, que está na parte debaixo do coletivo, é para sujar menos.

Linhas Municipais de Nova Iguaçu A01XXX:
Inicialmente, a empresa operava as linhas:

121 Nova Iguaçu x Ponto Chic
123 Nova Iguaçu x Vila de Cava via Santa Rita
124 Nova Iguaçu x Santa Rita



Após a licitação, algumas empresas ficaram de fora e perderam a autorização para operar suas linhas. Com isso, a Viação São José recebeu nessa redistribuição algumas linhas da empresa Salutran que ligam o Centro de Nova Iguaçu a bairros próximos à área já atendida pela Viação São José.

102 Nova Iguaçu x Cerâmica via Rua Nova
103 Nova Iguaçu x Cerâmica via Rua Gama
104 Nova Iguaçu x Rua E
105 Nova Iguaçu x Ruas E/F
108 Nova Iguaçu x Av. Antônio Cunha via Ruas C/D
118 Nova Iguaçu x Av. Antônio Cunha via São Jorge

Ainda nessa reorganização do transporte por ônibus em Nova Iguaçu, a Viação São José recebeu também a única linha que vinha sendo operada pela empresa Expresso Fluminense (Elmarzinha)


134 Nova Iguaçu X Cobrex via UFRRJ




Além das suas linhas tradicionais entre Nova Iguaçu, Belford Roxo, Pavuna e São João de Meriti, a empresa aumentou a sua área de atuação em junho de 2016, quando assumiu linhas da Viação Caravele, que teve a sua autorização sustensa pelo DETRO-RJ.



A Portaria DETRO-RJ 1261 do dia 1 de junho, requisitou as empresas Auto Viação Vera Cruz, Transportes Blanco e Viação São José para operar emergencialmente as linhas da Viação Caravele, que ficou impedida de operá-las.



Com isso, a Viação São José assumiu as linhas:

520B São Francisco x Central
518B Central x Heliópolis via Andrade Araújo
524B Central x Nova Aurora via Heliópolis
526B Central x Itaipu
528B Central x Heliópolis
1518B Central x Heliópolis via Andrade Araújo




A intervenção nas 12 linhas intermunicipais operadas pela Viação Caravele deveu-se às constantes reclamações quanto à qualidade do serviço prestado pela empresa, principalmente referentes ao mau estado da frota, além do não atendimento às recorrentes solicitações para que seus problemas operacionais, fiscais e trabalhistas fossem solucionados.




As linhas, que têm origem no município de Belford Roxo, passaram a ser operadas em caráter emergencial pelas empresas Transporte Blanco, Viação São José as linhas e Auto Viação Vera Cruz, que já operavam trajetos na região.
Dentre essas 12 linhas, a Viação São José recebeu seis linhas, ficando outras 4 com a Transportes Blanco e 2 com a Auto Viação Vera Cruz. Esse número muda novamente em 2018 quando, através da Portaria DETRO-RJ Nº. 1400, a São José é requisitada para operar 4 linhas da Transportes Blanco com origem no município de Belford Roxo.



A portaria publicada no dia 28 de junho de 2018 deu-se em simultâneo a outra portaria, a de Nº 1399, que requistou também a São José a assumir a operação de uma linha com origem em Nilópolis, também deixada pela Transportes Blanco, que a operava desde a intervenção da Turismo Transmil.

Linhas requisitadas:

124B Nilópolis x Candelária via Avenida Brasil – Rápido
522B São Vicente x Central
523B Sargento Roncale x Central via São Vicente
527B Sargento Roncale x Praça Mauá via São Vicente
1522B São Vicente x Central



O Detro-RJ levou em conta a solicitação da Transportes Blanco, que decidiu devolver as linhas devido à ociosidade de seus veícilos entre a sua garagem em Queimados até os municípios de origem.

Atualmente, a empresa opera nos deslocamentos municipais em Nova Iguaçu e intermunicipais, ligando Nilópolis e bairros de Belford Roxo ao Centro do Rio e a ligando a Pavuna, Nova Iguaçu e Belford Roxo entre si.



Atualmente a empresa opera as linhas:

Municipais:
102 Nova Iguaçu x Cerâmica via Rua Nova
103 Nova Iguaçu x Cerâmica via Rua Gama
104 Nova Iguaçu x Rua E
105 Nova Iguaçu x Ruas E/F
108 Nova Iguaçu x Av. Antônio Cunha via Ruas C/D

118 Nova Iguaçu x Av. Antônio Cunha via São Jorge
121 Nova Iguaçu x Ponto Chic
123 Nova Iguaçu x Vila de Cava via Santa Rita
124 Nova Iguaçu x Santa Rita

134 Nova Iguaçu X Cobrex via UFRRJ




Intermunicipais entre a Pavuna, Belford Roxo e Nova Iguaçu
160I Nova Iguaçu X Belford Roxo (via Manhoso) 190I Nova Iguaçu X Belford Roxo (via Prata)
541I Nova Iguaçu X Pavuna (via Via Light)
550I Belford Roxo X Ponto Chic
552I Santa Maria X Pavuna (via Gogó da Ema)
553I Santa Maria X Pavuna
561I Santa Rita X Pavuna via Ponto Chic
564I Santa Rita x Pavuna (Direto)

714I Ponto Chic X Barro Vermelho


Intermunicipais entre a Baixada Fluminense e o Centro do Rio
124B Nilópolis x Candelária via Avenida Brasil – Rápido
518B Heliópolis X Central (via Andrade Araújo)
519B Areia Branca X Central
520B São Francisco X Central
522B São Vicente x Central

523B Sargento Roncale x Central via São Vicente
524B Nova Aurora X Central (via Heliópolis)
526B Itaipu X Central
527B Sargento Roncale x Praça Mauá via São Vicente
528B Heliópolis X Central
1518B Heliópolis X Central (via Andrade Araújo)
1522B São Vicente x Central
1524B Nova Aurora X Central via Heliópolis





Auto Viação Vera Cruz

Data de 1959 o surgimento da Vera Cruz, então com sede a Rua Valério Vilas Boas, em São João de Meriti, sob a direção dos irmãos Thurler de Mendonça, vindos de Natividade para entrarem no sistema de transporte por ônibus na Região Metropolitana, primeiramente com a Empresa de Transportes Municipal Ltda.



A empresa foi inaugurada em seu primeiro terminal, ao lado da estação ferroviária, no centro de São João de Meriti, cujos trens seguiam em direção ao distrito de São Mateus. Seus ônibus tinham a pintura dividida horizontalmente entre o vermelho e o creme. Nos primórdios fazia a linha São João – BNH, passando pelo centro de Belford Roxo.


Transportes Municipal - Registro DETRO-RJ 130

Com a aquisição de uma linha com apenas dois veículos de Belford Roxo para Shangri-lá surgiu a possibilidade de traçar estratégia para prolongamentos e conexões de linhas, criando a necessidade de transferir a garagem para o Farrula, ainda com os donos primitivos.



A partir da década de 80, a empresa começa a crescer, adquirindo outras linhas de empresas que já não existem mais atualmente.



A Unidos originou-se em serviços de lotações em meados da década de 50, sua razão social era “Empresa Auto Lotação Unidos Ltda”. Sua sede era localizada na Avenida Dr. Arruda Negreiros esq. com a Rua Major Augusto César, no bairro Eng. Belford.



A Lotação Unidos operava as seguintes linhas:

Jardim Redentor x Coelho Neto
Éden x Parque Araruama
Cascadura x São João
Cascadura x São Mateus
Cascadura x Parque Araruama
713L Cascadura x Cosmorama
714L Cascadura x Vilar dos Teles
715L Cascadura x Jardim Redentor

Em 1979, a Empresa de Transportes Flores adquire a garagem da Auto Lotação Unidos. O maior interesse de José Alves Lavouras foi na garagem da Unidos, onde construiria a nova sede da Flores e iniciaria a escalada para transformar a Flores numa das maiores empresas de transporte urbano do Estado do Rio de Janeiro.

Já sem a sua sede, a Unidos é comprada pela Oriental, que fica com as suas linhas de São João, S. Mateus, Jd. Redentor e Vilar dos Teles.



A Transportes Aliança Ltda tinha sede na Rua Nize, em Vila Norma. Na primeira metade dos anos 70, operava a 734L e a 736L, inicialmente, com origem em Vila Norma para Cascadura. A 736L, que passava por Vila Rosali passou a sair de Jardim Botãnico e passando pela Praça da Bandeira. A empresa também chegou a operar duas linhas ligando Vila Norma ao Colégio e a Cascadura.
Suas linhas foram repassadas a Oriental no final dos anos 70.

A Turismo Oriental, ficava na Avenida José Mariano Passos e no início dos anos 70 operava as linhas:

Parque São Vicente x Méier
Belford Roxo x Méier
Belford Roxo x Cascadura



No final dos anos 70, ela compra as linhas das empresas Aliança e Unidos já citadas acima. Em seguida compra as linhas Heliopolis x Bonsucesso e Belford Roxo x Bonsucesso da empresa Rio Lisboa (DETRO-RJ 153). Operou ainda a parcial Agostinho Porto x Irajá por algum tempo.

Em 1986, a Turismo Oriental é comprada pela Auto Viação Vera Cruz, que extingue as linhas Belford Roxo x Méier, Belford Roxo x Cascadura e Agostinho Porto x Irajá.



Com a aquisição da Oriental, a Auto Viação Vera Cruz torna-se majoritária operando as linhas:

São João x BNH
Belford Roxo x Farrula
Jardim Redentor x Coelho Neto
Éden x Parque Araruama
Parque São Vicente x Méier
Belford Roxo x Méier
Belford Roxo x Cascadura
Belford Roxo x Bonsucesso
Cascadura x São João
Cascadura x São Mateus
Cascadura x Parque Araruama
713L Cascadura x Cosmorama
714L Cascadura x Vilar dos Teles
715L Cascadura x Jardim Redentor
728L Heliópolis x Bonsucesso



Com todoas essas aquisições, seus recursos financeios não acompanharam o seu crescimento. Naquela década, a Empresa de Transportes Flores já começava a se tornar a gigante do transporte na região, e adquiria diversas empresas que passavam por dificuldades financeiras.



A Flores comprou todas as cotas dos socios e ficou com toda a Auto Viação Vera Cruz, seguida das empresas Expresso Imperador, Coletivos Rio do Ouro, e SOL.

Além das linhas adquiridas pela Turismo Oriental, a Rio Lisboa Transporte e Turismo operava as linhas:

707 Olinda x Heliópolis 
525 Belford Roxo x Santa Rita



Administrada pelo Sr. Armando Lavouras, primeira garagem da Rio Lisboa foi na av. Nilo Peçanha em Nova Iguaçu, antiga garagem da Viação Esperança (Linave). Mais tarde mudou-se para Areia Branca onde sediou a Expresso São Jorge (do seu primo Antônio Lavouras), a Transportes Blanco e posteriormente vendida à Auto Viação Vera Cruz. O proprietário da Rio Lisboa era o Sr. Armando Lavouras, irmão do José Lavouras (JAL).



Família Lavouras nos anos 80


Expresso São Jorge: Antônio Lavouras
Grupo flores: José Alves Lavouras
Rio Lisboa: Armando Lavouras
Transturismo Rei: Manoel Lavouras
Viação Brazinha: José Carlos Lavouras e 



Nessa nova administração, a Auto Viação Vera Cruz perde grande parte de suas linhas para a majoritária Transportes Flores e vira subsidiária. Mais tarde, os sócios da Novacap retomam a Vera Cruz da Flores, e a Vera Cruz fica independente novamente.

O Grupo atual, está a frente da Empresa desde 1991, depois de a mesma ter passado pela administração de Manuel Gonçalves e mais a frente do Grupo JAL.



Em 2013, a Auto Viação Vera Cruz adquire parte do setor de Belford Roxo da Transporte Blanco, que havia assumido o setor de Paracambi da Viação Normandy do Triângulo.
Na ocasião, houve repasse das frotas entre Belford Roxo e Paracambi, sendo a frota de Belford Roxo remanejada para Paracambi, enquanto os de Paracambi, oriundos da Viação Normandy do Triângulo foram para Belford Roxo, sendo eles reaproveitados pela Auto Viação Vera Cruz.



Em 2014, a empresa assume as demais linhas de Belford Roxo e Nova Iguaçu da Transportes Blanco, que transfere a sua sede para Queimados, após assumir o setor da Turismo Transmil. Tais linhas foram originadas da Expresso São Jorge. Com as linhas, a Auto Viação Vera Cruz fica também com a garagem, localizada no bairro Areia Branca em Belford Roxo.



Ainda em 2014, a empresa aumenta a sua área de atuação ao assumir linhas da Turismo Transmil com origem em Nilópolis em direção ao Centro do Rio.

Através da Portaria de Nº1137 publicada no dia 14 de janeiro de 2014, o Departamento de Transportes Rodoviários, estabelece a intervenção total nos serviços autorizados à empresa Turismo Transmil LTDA (RJ-148), pelo prazo máximo de 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias, ou até a realização de concorrência pública para seleção das futuras concessionárias.



Para isso, foram requisitandas em caráter emergencial as empresas Viação Nossa Senhora da Penha LTDA (RJ-188) e Auto Viação Vera Cruz LTDA (RJ-112), para operarem as linhas com origem nos municípios de Mesquita e Nova Iguaçu, ficando a empresa Turismo Transmil LTDA (RJ-148) impedida de operá-las.

A Auto Viação Vera CRuz recebeu as linhas:

478B Mesquita x Passeio via Chatuba
651B Mesquita x Central via Via Light

479B Mesquita x Praça Mauá via Edson Passos



A partir de março de 2016, uma nova identidade visual marca a história da empresa. Trata-se de uma exigência da licitação realizada no município de Nova Iguaçu, que entrou em vigor no dia 14 de março.

A empresa integra os dois consórcios da cidade, possuindo 4 linhas no Consórcio Reserva de Tinguá e 2 no Consórcio Reserva do Vulcão.



625 Nova Iguaçu x Vila de Cava
625 Nova Iguaçu x Vila de Cava
626 Nova Iguaçu x Miguel Couto
721 Nova Iguaçu x Caioaba
901 Tinguá x Nova Iguaçu
MBG Geneciano x Nova Iguaçu

Além das linhas citadas, a empresa opera no município de Belford Roxo uma linha municipal ligando o Centro de Belford Roxo ao bairro do Recantus.



Em 2016, a empresa recebe duas linhas antes operadas pela Viação Caravele. As linhas com origem no município de Belford Roxo foram entrgues à empresa após a intervenção na Viação Caravele decretada pela portaria DETRO-RJ Nº. 1261 do dia 1 de junho.

519B Areia Branca x Central
610B Belford Roxo x Central (via Rocha Miranda)



Atualmente a empresa opera as linhas:

200I Nova Iguaçu x Belford Roxo via Areia Branca
201I Nova Iguaçu x Belford Roxo via Engenho Pequeno
205I Nova Iguaçu x Belford Roxo via Piam
206I Nova Iguaçu x Belford Roxo via Estrada de Iguaçu
420I Nova Aurora x Pavuna
421I Pavuna x Miguel Couto
422I Pavuna x Grama via Itaipu
423I Pavuna x Tinguá




428L Nova Aurora x Bonsucesso
478B Mesquita x Camerino via Chatuba
479B Mesquita x Praça Mauá via Banco de Areia
519B Areia Branca x Central
525I Belford Roxo x Santa Rita
530I Geneciano x Nova Iguaçu
535I Recantus x Nova Iguaçu
620I Nova Iguaçu x Nova Aurora via Itaipu
621I Nova Iguaçu x Nova Aurora via Av. Glória
630I Xavante x Nova Iguaçu via Estrada Iguaçu
651B Cosmorama x Central via Light
707I Miguel Couto x Olinda
775I Nova Aurora x Miguel Couto
780I São Francisco x Mesquita



800L Nova Aurora x Madureira

625 Nova Iguaçu x Vila de Cava
626 Nova Iguaçu x Miguel Couto
721 Nova Iguaçu x Coioaba
723 Nova Iguaçu x Nova América
724 Nova Iguaçu x Engenhho Pequeno
901 Nova Iguaçu x Tingua
902 Nova Iguaçu x Santa Rita
903 Nova Iguaçu - Vila de Cava
MBG Nova Iguaçu x Genenciano
Belford Roxo x Recantus



A linha 707I fa parada na Rua Pedro Roque, junto à Praça Joaquim Manoel Casimiro no bairro de Olinda em Nilópolis. Em 2016 teve seu ponto final alterado por inúmeras vezes.
Através do Decreto Nº 4.077 da Prefeitura Municipal de Nilópolis, a Rua Pedro Roque teve seu sentivo invertido, servindo então de retorno para os veículos que se originavam da Cidade do Rio de Janeiro.



Com essa alteração, tornou-se extinto o ponto final da linha junto à praça, já que a Rua é bem estreita e não seria possível realizar a manobra no local.



Sem ter onde parar, a empresa chegou a levar o ponto final para a Estrada Marechal Alencastro, em Anchieta, porém, pouco tempo depois, a empresa passou a fazer a parada na baia da Rua Getúlio de Moura, em frente ao Calçadão de Olinda.


Foto: Reprodução da internet
A parada no ponto de ônibus da Avenida Getúlio de Moura, causou muito transtorno na mobilidade local.

Além do veículo da linha 707I que ocupava a baia, paravam ali, os coletivos da linha 478B que seguiam em direção à Mesquita. Além de ealizarem embarque/desembarque, ficavam mais tempo para serem inspecionados pelo fiscal, que era o despachante da 707I da mesma empresa.

A Turismo Transmil também utilizava aquele ponto para fins de fiscalização da linha 478B, porém snão paravam dois de seu veículos simultaneamente. Além da linha regular pela Rua João Evangelista de Carvalho, a Turismo Transmil operava uma versão variante que seguia pela Avenida Getúlio de Moura, terminando no Terminal Rodoviário de Nilópolis.



No ano seguinte, a Prefeitura de Nilópolis, por meio da Secretaria Municipal de Transporte, revogou o Decreto Nº 4.077.
O decreto foi alvo de inúmeras críticas, já que a empresa Vera Cruz, foi obrigada a colocar o ponto final na Avenida Getúlio de Moura, em frente ao Calçadão do bairro, o que atrapalhava consideravelmente o trânsito.


Com a revogação, o ponto final da linha 707 já está de volta à Praça Joaquim Manoel Casemiro e a Rua Pedro Roque voltou a ter mão-de-direção no sentido da Av. Getúlio Vargas para a Av. Getúlio de Moura.




Apenas as linhas 02 Cabral x Paiol, 06 Maria Braga x Cabral, 001 Mirandela x Cabral e 428 Cabral x Comendador Soares, continuaram a seguir pela Rua João Rodrigues da Cunha até a Rua Getúlio de Moura.



Em 2017 a Auto Viação Vera Cruz renovou a frota da linha passando a oferecer mais conforto para os seus clientes em Nilópolis. Após climatizar toda a frota da linha 478 Mesquita x Central, chegou a vez da linha 707 Miguel Couto x Olinda receber veículos dotados com sistema de refrigeração.





Grupo Alto Minho/NITURVIA

A NITURVIA Nova Iguaçu Turismo e Viação Ltda foi fundada na década de 70 pelo sr. Carlos Marques Rollo, o mesmo fundador da EVANIL Transportes e Turismo.



Nos anos 80 a empresa é vendida ao empresário Antônio Henrique Teles Botelho, que mais tarde a partir de uma cisão cria a Transportes e Turismo Alto Minho.



A empresa operava apenas em linhas municipais em Nova Iguaçu, algumas delas tornaram-se intermunicipais em 1999, após a emancipação do município de Mesquita, firmada pela Lei estadual nº 3.253 de 25 de setembro de 1999.

Antes de receber o registro DETRO-RJ 134, a empresa tranferiu as linhas de Mesquita para a empresa Alto Minho, ficando então apenas com as linhas municipais em Nova Iguaçu.



Linhas intermunicipais transferidas:

655I Nova Iguaçu x Vila Emil via Cosmorama
656I Nova Iguaçu x Jacutinga via Praça Pindorama

657I Nova Iguaçu x Jacutinga via Delfina Borges
700I Austin x Vila Emil via Nova Iguaçu



No dia 16 de fevereiro de 1982, a NITURVIA foi requisitada emergencialmente pela Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu para operar a linha Nova Iguaçu x Vila Norma, em razão de a Santa Eugênia Transportes e Turismo, antiga permissionária da linha, havê-la paralisado há alguns meses antes, abandonando a prestação do serviço público.

A decisão foi tomada em acordo com o Art. 13 da Resolução Municipal 143/50 no dia 16 de fevereiro de 1982. A permissão foi transferida definitivamente através do Processo Administrativo nº 06/303/82.
As possibilidades da Santa Eugênia Transportes e Turismo reaver a linha caducou em decorrência da previsão contida no Decreto Municipal nº 5.806/97.



Com a emancipação do antigo Distrito de Mesquita, até então pertencente a Nova Iguaçu, e por onde era percorrido parte do itinerário daquele serviço, tal linha adquiriu caráter intermunicipal, passando a ser gerida e vinculada, não mais àquele Município, mas ao Departamento de Transporte Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro – Detro.
No ano seguinte, a linha começou a ser explorada pela Transportes e Turismo Alto Minho.




A linha 700I Austin x Vila Emil via Nova Iguaçu fazia parada no bairro Inconfidência, na região de Austin. Devido à um prolongamento irregular da linha, ultrapassando os limites de Queimados, no bairro também denominado Inconfidência



A empresa teve suspensa a linha devido à um recurso impetrdo pela empresa Nilopolitana, que alegou prejuízos em sua operação na linha 429I Duque de Caxias x Queimados.



Com a perda da linha, os veículos foram repassados para a empresa Alto Minho, e visando recuperar a linha futuramente em uma nova licitação, foi criadaa Transtur Vila Emil.



Em 2016, uma nova organização no sistema de transporte por ônibus no município de Nova Iguaçu, trouxe grandes perdas para a empresa. Com a criação dos novos consórcios, a NITURVIA ficou de fora da licitação e acabou impedida de operar as suas linhas municipais:

237 Nova Iguaçu x Encantamento
238 Nova Iguaçu x Califórnia
239 Praça Santos Dumont x Austin
832 Nova Iguaçu x Bairro de Fátima
833 Nsrª. de  Fátima x Patronato
834 Nova Iguaçu x Minuano
835 INPS x Nova Iguaçu
836 Nova Iguaçu x INPS



Transportes e Turismo Alto Minho

Após vender a então Transportes Rio Minho em 1980, Antônio Henrique Teles Botelho, funda no dia 10 de junho de 1985 a Transportes e Turismo Alto Minho.



Suas linhas atendem principalmente à Vila Norma no município de Mesquita e à região próxima.
Se tratando de um bairro bi-municipal, Vila Norma possui a sua maior extensão no município de São João de Meriti, já em Mesquita, seus limites estão entre os Rios Sarapuí, Dona Eugênia e a Via Light. Os bairros são ligados entre si através da Rua Augusto Avalone. 



Na Vila Norma a empresa opera as linhas:

600I Nova Iguaçu x Belford Roxo via BNH
601I Nova Iguaçu x Belford Roxo via Nilópolis
602I Nova Iguaçu x Belford Roxo via Cosmorama

Sediada na Avenida Getúlio de Moura, nº 674 no Centro de Nova Iguaçu, a Transportes e Turismo Alto Minho possui 7 linhas intermunicipais ligando os municípios de Nova Iguaçu, Belford Roxo, Nilópolis e Mesquita.



A empresa iniciou também as linhas:

661I Nova Iguaçu x Vila Emil (via Santo Elias)
663I Nova Iguaçu x Jacutinga

Consolidando a sua atuação nos bairros de Santo Elias, Banco de Areia e Jacutinga e Vila Emil.



Tal área de atuação compreende atualmente ao município de Mesquita, nos bairros localizados entre as linhas ferréas da Central do Brasil: A linha Tronco, hoje compreendida pelo Ramal de Japeri para trens urbanos e a Linha Auxiliar, compreendida atualmente pela linha cagueira Japeri-Arará.



Além das linhas intermunicipais, a empresa operava linhas no município de Nova guaçu. Tais linhas deixaram de ser operadas pelo grupo em 2016, quando a Alto Minho e a NITURVIA ficaram de fora do processo licitatório do município de Nova Iguaçu.



As linhas eram:

240 Nova Iguaçu x Hospital do SASE
241 Nova Iguaçu x Vila São Luiz
242 Nova Iguaçu x Morro da Cocada





Transtur Vila Emil

No dia 7 de outubro de 2010 é criada a Transtur Vila Emil, assumindo as linhas intermunicipais da Niturvia em 2012.
Com isso restou para a Niturvia apenas as municipais de Nova Iguaçu, ao qual ela perdeu a concessão em 2016 após ficar de fora da licitação realizada naquele ano.



Seu nome é derivado do bairro Vila Emil em Mesquita. Com o reistro DETRO-RJ 227 recebeu as linhas que ligam Nova Iguaçu à Mesquita, São João de Meriti e Belford Roxo tendo como via principal entre outras, a Rodovia Presidente Dutra.



Tais linhas atendem basicamente aos bairros do BNH, Grande Rio, Vila Norma e Vila Emil em Mesquita e a Vila Zulmira em São João de Meriti.



Linhas transferidas para a Transtur Vila Emil:

210I Nova Iguaçu x Belford Roxo (via SASE)
654I Nova Iguaçu x Praça Tocantins
660I Nova Iguaçu x Vila Emil (Direto)
661I Nova Iguaçu x Vila Emil (via Santo Elias)

662I Nova Iguaçu x Vila Norma



A empresa possuía frota de 14 veículos numeraados com RJ 227.001 à RJ 227.014. Mesmo com prefixo de linhas intermunicipais, chegou a operar por poucos meses a linha 1004 Vila Emil x Hospital São José, municipal em Mesquita.




Grupo Mirante / Vila Rica


A Viação Vila Rica fundada em 10 de outubro de 1974 atua nos municípios de Nova Iguaçu, uma parte de Queimados, São João de Meriti, Mesquita e Rio de Janeiro. Além desses, atende ao centro de Belford Roxo através das o acesso ao Viaduto da Avenida Coelho da Rocha.



Inicialmente a empresa operava linhas que liga a região de Comendador Soares à divisa com a Cidade do Rio de Janeiro, nos bairros da Pavuna, Anchieta e Deodoro.

As linhas que atendiam Deodoro e Anchieta foram suspensas nos anos 90, permanecendo apenas as linhas com origem na Pavuna.


Empresa São Geraldo de Transportes em Rocha Sobrinho operando a linha Nova Iguaçu x São João de Meriti via BNH

A linha Nova Iguaçu x São João de Meriti via BNH teve origem na empresa São Geraldo de Transportes. Em 1975 a Viação Vila Rica assumiu e esticou para Austin e Pavuna. Assumiu também a a Nova Iguaçu x BNH da também extinta Viação São jorge.



562I Pavuna x Austin via BNH
562I Pavuna x Austin via Via Light
562I Pavuna x Praça do Batuta via Via Light
563I Grande Rio x Morro Agudo via BNH
748L Pavuna x Morro Agudo via BNH
749L Pavuna x Morro Agudo via Via Light
751L Pavuna x Morro Agudo via Cosmorama


Foto: Autor desconhecido

A empresa operou também as linhas:

564I Deodoro x Morro Agudo
660I Nova Iguaçu x Edson Passos
675I Nova Iguaçu x BNH via Mesquita
786L Anchieta x Morro Agudo via Rio do Pau
770I Borba Gato x Bayer do Brasil



A linha 564I pela Avenida Brasil até Barros Filho, onde acessava a Estrada de João Paulo e em seguida a Estrada de Botafogo. Já na Pavuna, seguia pela Rua da Matriz até o Centro de Bolford Roxo, onde ia em direção ao BNH, Banco de Areia e Centro de Mesquita, coincidindo com o itinerário da linha 737L do Centro de Belford Roxo até Presidente Juscelino em Mesquita.



562I Pavuna x Austin via BNH - Foto: Reprodução da internet
Em 1998, a empresa passou a atuar na Via Light. Naquele ano, além da rodovia, foram inauguradas as linhas de integração com o Metrô, que também chegou à Pavuna em 1998.
A nova rodoviá foi aberta com o objetivo de desafogar o trânsito da Rodovia Presidente Dutra.



O Objetivo principal acaou não sendo alcançado, e a Via Light serve atualmente para integração ao metrô e como avenida principal do município de Nova Iguaçu, além de atalho para alguns motoristas em direação à Capita.



Além da linha inaugural Pavuna x Morro Agudo via Via Light, a empresa criou versões variantes de outras linhas que ja possuía na Pavuna. Linhas que partiam do antigo Terminal Rodoviário, atualmente demolido.




Aumento da área de atuação do grupo MVR





O Grupo MVR, comprou da Expresso São Francisco o lote de linhas oriundas da Viação Nossa Senhora da Conceição. Com Exceção da linha 439I, todas as demais vieram para o grupo.

Expresso São Francisco
460I Nova Iguaçu x Delamare
461I Hospital da Posse x Fábrica de Pólvora
462I Nova Iguaçu x Rua da Serra

As linhas eram municipais de Nova Iguaçu, sendo transformadas em intermunicipal por competência do DETRO-RJ após a emancipação de Mesquita. A linha 461I originalmente partia do Centro de Nova Iguaçu, sendo ampliada na administração da Expresso São Francisco, partindo então do Hospital da Posse, alterando assim a denominação da linha para 461I Fábrica de Pólvora x Hospital da Posse.



Após a aquisição, o Grupo MVR voltou a operar a linha até o Centro de Nova Iguaçu.

Atualmente a linha está indo novamente ao Hospital da Posse.

A Mirante operou algumas dessas linhas, como a 675I, 461I e 462I. Mas depois de ter assumido mais linhas municipais em Nova Iguaçu, ela passou a ter pouquíssimos carros intermunicipais, com prefixo RJ-175.




Viação Mirante

A Viação Mirante foi fundada em 1973 operando linhas municipais e intermunicipais. Sua área de atuação está situada em Nova Iguaçu e em Mesquita. Em 2016 algumas de suas linhas intermunicipais passaram a ser operadas pela Viação Vila Rica, ao qual é associada ao grupo.



Linhas operadas pela Viação Mirante em Mesquita:

220I Nova Iguaçu x Mesquita via Av. Brasil
225I Nova Iguaçu x Mesquita via Av. São Paulo
660I Nova Iguaçu x Edson Passos
665I Nova Iguaçu x Edson Passos via Emílio Guadagny
670I Nova Iguaçu x Edson Passos via Gordura
1005 Chatuba x Edson Passos
140 KM 11 x Bairro da Luz



A linha 675I Nova Iguaçu x B.N.H. operada oela Viação Mirante, foi tranferida para a Viação Vila Rica, sendo desativada após a reativação da linha 563I, que sobrepõe o seu itinerário.



Na época da adoção da atual pintura, a Viação Mirante esticou as linhas "Nova iguaçú x Edson Passos, via Gordura" e "Nova iguaçú x Edson Passos, via Emílio Guadany", para Austin. A linha ficou com o percurso "Edson Passos x Austin", por aproximadamente um ano, quando passou a ser impedida judicialmente por concorrer com uma empresa que atende à região.



Com isso, a Viação Mirante mudou para "Edson Passos x Riachão", então, novamente provocou outra empresa que, junto com a anterior, finalmente conseguiram expulsar a Viação Mirante da região, e a linha voltou a ser a tradicional "Nova Iguaçú x Edson passos" em suas duas versões circulares.

Outra Linha esticada também nesse período foi a 675I BNH x Nova iguaçú, que teve seu percurso alterado até Vila de Cava, mas pressões de outras empresas da região, fizeram com que a linha voltasse a seu trajeto original.



Posteriormente, no ano de 2008, a Elmar Transportes e Turismo já perto do seu fechamento, vendeu suas linhas e teve a falência definitiva, ganhando então a Mirante o direito de explorar a linha Municipal, Nova iguaçú x Miguel Couto, mas não voltou a operar a "BNH x Vila de Cava, via Miguel Couto", que depois de 1999, com a emancipação de Mesquita, passaria a ser uma linha intermunicipal.




135 Nova Iguaçu x Bairro Botafogo
136 Nova Iguaçu x Bairro Botafogo

137 Nova Iguaçu x Vila de Cava via Ambai/Miguel Couto
138 Nova Iguaçu x Miguel Couto via Ambai
139 Nova Iguaçu x Monte Castelo via UPA

Em 2013, outras linhas oriundas da Elmar Transportes e Turismo, que vinham sendo operadas pela Viação São José, passaram a ser operadas pela Viação Mirante, no dia 26 de outubro daquele ano.



119 Nova Iguaçu x Corumba via Vianense

120 Nova Iguaçu x Gerard Danon
123 Nova Iguaçu x Vila de Cava via Santa Rita 124 Nova Iguaçu x Santa Rita
129 Nova Iguaçu x Nova Brasília
130 Nova Iguaçu x Adrianópolis via Furnas
131 Nova Iguaçu x ATA via Santa Rita
132 Nova Iguaçu x Rio D'ouro via Adrianópolis
133 Nova Iguaçu x Bairro Amaral


Para opear essas linhas, a Viação Mirante reativou alguns veículos do modelo Senior Midi, encarroçados pela Marcopolo que estavam parados na garagem de apoio próxima ao Posto 13, e renumerou veículos da frota intermunicipal para a frota municipal.



Naquele ano, a Viação Mirante já havia assumido linhas herdadas da Salutran, que deixou de operar nno dia 13 de março daquele ano. A Mirante passou a integrar o Consórcio Reserva do Tinguá. Foram incluídos também, no plano de padronização, o fim da operação das empresas Expresso Fluminense, Niturvia e Auto Minho.

As linhas oriundas da Salutran foram:

101 Nova Iguaçu x Cacuia
107 Nova Iguaçu x Comendador Soares via Compactor
108 Nova Iguaçu x Comendador Soares via Divisa
111 Nova Iguaçu x Praça do Batuta via Austin/Santa Cecília
112 Nova Iguaçu x Três Fontes via Austin
118 Nova Iguaçu x Corumba via Niely
315 Tinguazinho x Vila Zenith





Nilopolitana Cavalcanti Cia


Uma das mais tradicionais empresas da Baixada Fluminense, foi fundada em 1957 ostentando o nome Nilopolitana.


Cavalcanti Cia
Em 08 de janeiro de 1958, a empresa é assumida pelos empresários Luiz Rodrigues Cavalcanti Filho, Abel Magalhães Castelo e Waldemir Antonio Pereira, que mudaram sua razão social para Cavalcanti & Cia, mantendo Nilopolitana como nome fantasia. 

Mais tarde, a empresa passou a ser dirigida pelos irmãos Gilberto, Luiz Augusto e Antônio Cavalcanti, filhos de Luiz Rodrigues.



Pior momento da empresa

Em 1985, o então governador do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, encampou 16 empresas de ônibus que atuavam na capital e na Região Metropolitana, dentre elas estava a Nilopolitana. De acordo com o Decreto n° 8.711, o Estado assumiu o controle da empresa.


Cavalcanti Cia
No processo, através da extinta Companhia de Transportes Coletivos do Rio (CTC-RJ), a Nilopolitana recebeu a inscrição “Empresa Administrada pelo Governo” e seus ônibus tinham uma pintura branca com faixas azul e vermelha. A medida, no entanto, acabou resultando na depreciação e falta de manutenção de frota, ocasionando a devolução da Nilopolitana à iniciativa privada três anos depois.

O período conhecido como Encampação foi o momento considerado um dos mais difíceis enfrentados pelo setor rodoviário, que presenciou, durante todo o processo judiciário, a regressão da prestação de serviço de transporte de passageiro por ônibus devido à administração pouco eficiente e à falta de manutenção da frota.


Foto: Reprodução da internet
Foi nessa época que a Nilopolitana enfrentou o pior momento de sua história. Até 1985, a empresa possuía 120 ônibus e três anos após, apenas sete veículos estavam em condições de operação. Foram necessários quase dois anos para deixar a empresa em condições de operação novamente. Portanto, pode-se dizer também que tudo começou, ou recomeçou, em 1988.



A Santa que ajudou no recomeço

No final da década de 90, aos poucos a Nilopolitana assumia novamente a sua personalidade visual, inclusive usando veículos da Viação Santa Teresa Transporte e Turismo, adsorvida pela Nilopolitana ainda na década de 80 e que não havia sido atingida pela "encampação".



Apesar de operar linhas municipais, ligando os distritos de Austin e adjacências, no município de Nova Iguaçu, a Santa Teresa tinha sede em Nilópolis. 


Viação Santa Teresa - Foto: Reprodução da internet

A Viação Santa Teresa operava as linhas:

Vila Zenith x Tinguazinho
Vila Zenith x Circular
Vilar Grande x Circular
Austin - Três Fontes
Austin X Vila Maricá (Vila Guimarães)



A Gata

Alguns anos depois, a Nilopolitana absorveria as linhas e a garagem da Santa Tereza, que também pertencia à Gata Transportes e Turismo, fundada em 23 de abril de 1987. Ambas ocupavam um pequeno terreno na Rua Eliseu Alvarenga, 1240, no Centro Nilopolis.


Gata Transportes e Turismo - Foto: Reprodução da internet

Segundo informações, a Gata Turismo seria um braço da Nilopolitana destinado ao serviço de fretamento, porém, não houve sucesso e a empresa foi extinta. 



Novos ares

Com a extinção da Santa Teresa a Nilopolitana lança um novo layout para os ônibus, e inova trazendo para sua frota modelos de ônibus mais modernos, como os Padron Cidade e GlS Bus. Fabricados pela encarroçadora Ciferal, estes veículos iniciaram suas atividades nas linhas intermunicipais da empresa. 


Nilopolitana - Foto: Reprodução da internet
A nova logomarca da Nilopolitana gerou tanto destaque na Baixada Fluminense que recebeu premiação no ano de 2000. Mas a frota ainda precisava de mais atenção, principalmente nas linhas municipais de Nilópolis. Um novo serviço foi testado, era o Serviço A.

Com veículos dotados de vidros escurecidos, bagageiro e sistema de sonorização ambiente, a empresa tentou oferecer mais conforto aos passageiros porém, a ideia não foi bem recebida pelos usuários, que reclamaram da ausência da porta de desembarque, já que apenas uma porta era usada para embarcar e desembarcar. 



Atenta aos clamores populares, a empresa desativou o Serviço A e voltou a operar as linhas municipais com ônibus urbanos de duas portas. Os usuários agradeceram. Vale lembrar, que a Expresso São Francisco também havia adotado o mesmo tipo de serviço em alguns veículos, que também foram modificados logo após as reclamações.


Enquanto isso, ainda nos anos 2000, a empresa adquire a sua primeira unidade de ônibus equipada com ar condicionado. O modelo era um Svelto, fabricado pela encarroçadora gaúcha Comil. O veículo adquirido como teste foi mais usado na linha 717L (Nova Iguaçu x Sulacap).



A empresa também adquiriu os micros Comil Piá com ar condicionado, esses circularam nas linhas Caxias x Nilópolis e Nova Iguaçu x Sulacap.



Fênix Transportes

A Fênix operava linhas municipais internas da Fazenda de São Mateus que na época era o 4° distrito de Nova Iguaçu - Atualmente esse território chama-se Nilópolis.



No final dos anos 50, a Fênix foi incorporada à Cavalcanti Cia. Com isso, suas linhas passaram a ser operadas pela recém criada, com o nome fantasia Nilopolitana Fênix (escrito apenas "Nilopolitana" nos layouts de seus coletivos).



As linhas então municipais do 4° Distrito, passaram a ser municipais de Nilópolis.



No fim o ano de 2002 surge nos transportes urbanos ônibus com embarque na dianteira. Onde antes da roleta contém 5 bancos, garantindo o direito a gratuidade a idosos, estudantes e Pessoas com Necessidades Especiais (direito assistido na constituição). 



Por meio desta, a empresa começa a adquirir ônibus com o atual embarque na dianteira e desembarque no meio dos ônibus. Os veículos mais antigos da empresa, foram reformados e modernizados se adequando aos novos padrões de embarques do estado. 

Com o surgimento da integração de modais, suas linhas foram adesivadas com o serviço e algumas linhas foram alteradas para melhor atender à população:

716l Mariópolis x Austin via Riachão
Ganha uma variante e um trajeto parcial
Variante: Austin x Mariópolis via Rodilândia
Parcial: Austin X Nilópolis (Encerrando sua viagem na rodoviária de Nilópolis).

Na linha que liga o município de Nova Iguaçu x Sulacap, surge uma marco na história da empresa:
CONEXÃO: 717L Nova Iguaçu X Sulacap X Barra da Tijuca

Essa linha ganha também uma variante: 
717L Nova Iguaçu X Sulacap via Alcobaça
717L Nova Iguaçu X Sulacap via Av. Nazaré 

Nessa conexão os clientes desembarcavam no ponto final em Sulacap e realizavam transbordo pra linha 754 da Transportes Barra, seguindo viagem pela Estr. do Catonho, Taquara até a Barra da Tijuca. 
Nessa época a linha circulava com os recentes micros com ar condicionado adquiridos pela Nilopolitana.



Essa possibilidade voltou em 2016 com a inauguração da Via Expressa Transolímpica. Um corredor expresso operado por ônibus articulado fazendo a ligação entre a Vila Militar e o Recreio do Bandeirantes e do Jardim Sulacap ao Terminal Jardim Oceânico na Barra da Tijuca ambos na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro.

Na época da inauguração, a Nilopolitana foi convidada a levar suas linhas para o Terminal da Sulacap, possibilitando uma melhor integração entre os modais e trazendo mais segurança e conforto aos usuários. Por sua vez a empresa preferiu transferir a sua linha para a Praça H no mesmo bairro.

Em 2004  por conta de um imbróglio com outra empresa local, a empresa teve que seccionar a linha 428L, então Mariópolis x Austin da Nilopolitana, alegando concorrência. Há tempos atrás a mesma empresa já havia criado conflito com as linhas 786L Morro Agudo x Deodoro da Vila Rica e 423L Mesquita x Realengo da Nilopolitana.



Mal tinha acabado de renovar sua frota e a Nilopolitana recebeu a missão de substituir a Turismo Trans1000 em duas linhas intermunicipais. A empresa mesquitense havia sido impedida de operar as linhas 516 (Km 2,5 x Nilópolis) e 129 (Nilópolis x Central do Brasil).

O Departamento de Transportes Rodoviários (DETRO), órgão do Governo do Estado do Rio de Janeiro, convocou a Nilopolitana e a mesma, desde 2013 passou a operar as linhas.



A empresa já possuía linhas intermunicipais, todas elas atendendo à população nilopolitana:
428I Comendador Soares x Cabral
429I Duque de Caxias x Queimados
430I Nilópolis x Queimados
431L Praça Santinha x Deodoro via Nilópolis
433L Nova Iguaçu x Deodoro
434L Nova Iguaçu x Sulacap
719L Mesquita x Sulacap



A linha 428I inicialmente operava com o código 716L fazia o trajeto Mariópolis x Austin.
A linha 429I inicialmente operava o trajeto Duque de Caxias x Austin.
A linha 433L inicialmente operada com o código 717L fazia o trajeto Mesquita x Deodoro.
A linha 434L inicialmente operada com o código 718L fazia o trajeto Realengo x Nova Iguaçu. Seu ponto final era localizado na Praça da Capelinha (Atual Praça Padre João Cribbin).



A linha 719L Mesquita x Sulacap operava com o código 423L fazendo o trajeto Realengo x Mesquita. A mesma teve seu serviço interrompido por determinação do Detro por conta de um imbróglio com outra empresa local. Como alternativa, a empresa reativou a linha fazendo seu itinerário complementar ao serviço da linha 718L.



Após a retirada da linha 716L do território carioca (Mariópolis), a empresa fez diversas modificações em outras linhas para tentar cobrir o trajeto, considerando integrações e extensões. Como alternativa à extinção da linha 716L, a empresa criou linhas de integração para manter o serviço entre os dois pontos.


431L Nilópolis x Deodoro, foi a linha que originou a atual 718L Nova Iguaçu x Sulacap, uma das primeiras linhas intermunicipais da empresa.

Praça da Santinha x Nilópolis (Integrada à C.Soares x Cabral)
N.Iguaçu x Austin (Integrada à C.Soares x Cabral)
Queimados x Austin (Integrada à Queimados x caxias, temporariamente)