Licitação permitirá que mais de uma concessionária opere o serviço de barcas

| Sem comentário
O deputado e vice-prefeito licenciado de Niterói Comte Bittencourt (PPS) afirma que a nova licitação para a administração de transporte aquaviário no Estado do Rio de Janeiro terá uma cláusula que, na prática, pode acabar com o monopólio no serviço de barcas.


De acordo com o deputado, o secretário de Transportes do Rio, Rodrigo Vieira, concordou em permitir que, caso a empresa vencedora da licitação que ainda será lançada não se interesse por alguma das linhas previstas para serem criadas, ela seja licitada em separado para que uma outra operadora possa prestar o serviço.


— Uma preocupação que tínhamos é que, como o edital é por área, e não por linha, a concessionária que vencer assume quatro linhas (Praça Quinze-Charitas; Praça Quinze-Paquetá; Praça Quinze-Araribóia; e Praça Quinze-Ilha do Governador) e tem que apresentar estudo de viabilidade técnica sobre outras tantas — afirma o deputado. — Em 12 meses, ela deverá apresentar estes estudos. Se não considerar viável, não podemos deixar que fique por isso mesmo.


Licitação individual

De acordo com Comte, no novo modelo, se houver falta de interesse da concessionária, o estado terá liberdade para licitar a linha individualmente. Estão previstos estudos de viabilidade técnica para quatro linhas: uma ligando a Praça Quinze a São Gonçalo; outra ligando a Praça Quinze a Duque de Caxias; e duas ligando a Praça Quinze ao Aeroporto Internacional do Galeão e ao Aeroporto Santos-Dumont. Mesmo com a mudança na licitação, o estado continua com o direito de exigir que a concessionária vencedora opere uma linha, mesmo que deficitária. Neste caso, porém, o estado teria que arcar com os custos.

Para Comte, a mudança é um avanço, mas ele afirma que a Secretaria estadual de Transportes (Setrans) continua irredutível em relação à aplicação de uma tarifa mais baixa para a ligação Charitas-Praça Quinze, hoje ao preço de R$ 16,50:

— Não avançamos ainda nesta questão, mas teremos uma audiência pública para que o estado apresente estudos que comprovem a inviabilidade de uma tarifa menor em Charitas. Segundo eles, há estudos de mercado mostrando que é inviável. Mas queremos que tragam esses documentos e que discutam os aspectos técnicos que consideram.


Segundo Comte, a audiência ocorrerá antes de o edital ser apresentado. A Setrans afirma que não se pronunciará sobre o tema até a licitação ser publicada, porém, não adiantou quando isso acontecerá: “O edital de licitação das barcas será divulgado tão logo sejam finalizadas as análises técnica e jurídica pela Secretaria de Transportes e pela Procuradoria-Geral do Estado.” A previsão da Setrans é que haja uma nova operadora até janeiro do ano que vem.
Tags : , ,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[2][iconeI][style-1][LEIA TAMBÉM][As mais lidas até o momento]

Somos movidos pelo interesse de explorar os meios, modos e regras que integram o sistema de mobilidade urbana no Estado do Rio de Janeiro. O avanço tecnológico tem trazido mais dinamismo nas cidades, fazendo com que a população evolua e acompanhe esse avanço.

Buscamos obter informações, matérias, históricos e projetos de mobilidade e transformação urbana, assim como a realização de visitas técnicas em empresas, concessionárias e instituições relacionadas à Mobilidade Urbana do RJ, cuja perspectiva é abordar temas mais diversos e estar inteirado no que há de vir nos serviços de transportes.


Mobilidade nas Ruas: Distrito de Santo Aleixo (Magé)

O Distrito de Santo Aleixo localiza-se no extremo norte do município de Magé, junto às divisas de Petrópolis e Guapimirim; distanciando-se n...

NOSSOS PARCEIROS