Mobilidade em Japeri - O Entroncamento Ferroviário

| Sem comentário
Os ônibus circularam de graça , os pastores suspenderam como orações matinais nas igrejas evangélicas eo eleitorado, mesmo sob o mau tempo, compareceram em festa às 85 seções da 84ª Zona Eleitoral. Resultado: J aperi, maltratado distrito de Nova Iguaçu, com 100 milhões de habitantes e comercialização de serviços da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) , tornou-se o mais novo município da Baixada Fluminense. 




Encerrado o plebiscitoem que 33.573 eleitores em uma optar pela autonomia , 24.751 (73,3%) foram às urnas e cerca de 90% deles com o sim, de acordo com os números que são totalizados pela Justiça Eleitoral , no Colégio Municipal Ari Schiavo , centro do distrito.

A 70 milhas do Rio, sem indústrias, bancos, hospital e cinema, município terá 82 milhas quadradas - incluía uma localidade de Engenheiro Pedreira . Um dos desafios do primeiro prefeito, um foro de problemas da Baixada, como valas negras, a violência e pobreza .

Se já teve prefeitura, acreditam o separatistas, Japeri arrecadaria este ano perto de Cr $ 200 milhões mensais , parte deles proveniente da Petrobrás . Uma ópera estatal na localidade de Pedra Lisa , bombas do oleoduto que conduz combustíveis a São Paulo .

Japeri amanheceu em festa

Nem mesmo a chuva da manhã, que encheu como ruas de terra batida do distrito, impediu a romaria dos eleitores às urnas. Quinze meses apos ter visto plebiscito semelhante Ser frustrado cabelo Supremo Tribunal Federal (STF), Os emancipacionistas conseguiram da Empresa de Ônibus Transnobel a liberação das roletas dos Ônibus ea adesão dos pastores NAS inúmeras Igrejas evangélicas. Na feira livre da Rua Leni Ferreira , centro nervoso de Japeri, o papo do dia era, invariavelmente, como chances de vitória do sim.

Entre uma população de Japeri - distrito-dormitório onde uma média ganhou em torno de um mínimo, uma opção pela autonomia perante Nova Iguaçu era justificada com palavras simples. " A gente vai ter mais facilidade de conviver com o pessoal que vai manobrar aqui ", festejou o pedreiro aposentado Carmelindo Augusto, de 68 anos, morador do bairro Nova Belém , ao descer de um ônibus da Transnobel para se juntarem na Rua Leni Ferreira, Ao meio-dia à festa antecipada de emancipação, brindado com cerveja, cachaça e tira-gosto dos botequins.

No início da tarde, quando foi alcançado o quórum , o ferroviário aposentado francisco da Costa Filho, 77 anos, o Costinha, um dos líderes emancipacionistas, exaltou: " A prioridade do primeiro governo será o saneamento básico ea educação. Temos 10 milhas sem escolas ". E não escondeu que vai se candidatar um vereador no ano que vem, prenunciando uma disputa deflagrada com o êxito do sim.

Ao Fim da Campanha Vitoriosa Que deixou Menos Nova Iguaçu - de Onde se emanciparam, em 89 e 90, Os distritos de Belford Roxo e Queimados -, a União das Correntes Políticas Dara lugar, ágora, à divisão Entre candidatos a Primeiro prefeito de Japeri.


Mobilidade em Japeri

Em transporte atual, Japeri é atendida por trens urbanos da SuperVia que liga a cidade ao Centro do Rio de Janeiro e por duas empresas de ônibus que atendem como linhas aéreas, Gardel e Fazeni , as linhas intermediárias: Gardel, Fazeni, Linave , Expresso São Francisco , Transportes Blanco e Util .


Fazeni Transportes

No setor municipal, um Gardel atende aos bairros de Engenheiro Pedreira , Guandu, Caramujos e São Cosme e São Damião . A Fazeni atende aos bairros de Delamare , Santa Amélia, Santa Inês, Centro, Teófilo Cunha , Engenheiro Pedreira, São Pedro, Chacrinha, Alecrim .

Das linhas intermunicipais que saem de Japeri atendem aos municípios de Miguel Pereira e Paty dos Alferes (empresas Linave e Util), Paracambi , Queimados, Nova Iguaçu, Belford Roxo, São João de Meriti e Rio de Janeiro, Queimados e Nova Iguaçu (empresa São Francisco), Queimados (empresas Gardel e Fazeni). 

Empresa São Caetano

A Empresa São Caetano operava a Rio X Miguel pereira , hoje operada pela UTIL. Antigamente ela fazia muito Turismo na região de Japeri, queimados e Paracambi, mais foi vendendo para outras empresas. Anos depois voltou como atividades em Japeri para fazer transporte escolar e seu contrato acabou em 2012.

Nos anos 80 e 90, uma Ponte Coberta operou a linha 547P - Campo Grande x Japeri (via KM 32) actual extinta.


Viação Ponte Coberta

A linha MP74 - Arcozelo x Japeri , que já foi Paty do Alferes x Japeri , operada actualmente por iguaçuana Linave Transportes Ltda, é uma das linhas que ligam a Baixada Fluminense a dita Região Sul Fluminense do estado.

São cerca de 46 km que separam a cidade conhecida pelo ramal que liga milhares de pessoas a Central do Brasil a terra da Festa do Tomate . Estabeleceu uma importação de São Jorge , depois ficou com um Pedro Antonio, que repassou a Viação Cidade das Rosas e na década de 1990 com uma Normandia .


Linave Transportes


Estrada de Ferro Central do Brasil

Primeira linha de produção de EF Dom Pedro II , que a partir de 1889 passou a chamar EF Central do Brasil , era uma espinha dorsal de todo o seu sistema. O primeiro trecho foi entregue em 1858, da estação Dom Pedro II até Belém (Japeri) e daí subiu a Serra das Araras , alcançando Barra do Piraí em 1864.
Estação Dom Pedro II

Daqui a linha seguiria para Minas Gerais , participando de Juiz de Fora em 1875. A intenção era o Rio São Francisco e Dalá para Belém do Pará . Depois de passar a leste da futura Belo Horizonte , participando de Pedro Leopoldo em 1895, os trilhos-atiram Pirapora , às margens do São Francisco, em 1910.

A ponte ali construída foi pouco usado: uma estação de independência , aberta em 1922 do outro lado do rio, e uma versão por pouco tempo. A própria Linha do Centro acabou mudando de direção: entre 1914 e 1926, da estação de Corinto foi construído um ramal para Montes Claros que acabou se tornando o final da linha principal, fazendo com que o antigo trecho final se tornasse o Ramal de Pirapora .

Em 1948, uma linha foi prolongada até Monte Azul , final da linha onde tem uma ligação com um VF Leste Brasileiro que levava o trem até Salvador. Pela linha do Centro passaram os trens para São Paulo (até 1998) até Barra do Piraí , e para Belo Horizonte (até 1980) até Joaquim Murtinho , estações onde tomavam os respectivos ramais para essas cidades. 


Barrinha
Antes da última, porém, uma mudança de bitola, de 1m60 para métrica, na estação de Conselheiro Lafayete . Na Baixada fluminense andam até hoje os trens de subúrbio. Entre Japeri e Barra do Piraí, o " Barrinha ", até 1996, e finalmente, entre Montes Claros e Monte Azul os trens de passageiros sobreviveram até 1996, restos do antigo trem para ia para a Bahia . Em resumo, uma linha inteira ainda existe ... para trens cargueiros .


Linha Auxiliar

A Call Linha Auxiliar foi construído pela EF Melhoramentos a partir de 1892 e em 1898 foi entregue o trecho entre Mangueira (onde é a linha do Centro Se Separam) e Entre Rios (Três Rios). O traçado da serra, construído em livro aderência e com poucos túneis, foi projetado por Paulo de Frontin , um dos incorporadores da estrada.
Linha Auxiliar - Estação Rocha Sobrinho

Em 1903, um EF Melhoramentos foi incorporado à EF Central do Brasil e passou a chamar Linha Auxiliar . Ferrovias foram incorporadas a ela, assim como ramais construídos, dando origem à Rede de Viação Fluminense , que tinha como tronco a Linha Auxiliar, sendo tudo gerido pela Central .

Na época, o ramal de Porto Novo , que saía de Entre Rios, teve sua bitola estreitada para métrica e tornou-se a continuação da Linha Auxiliar até Porto Novo, onde se entroncava com Leopoldina . No final dos anos 1950, este antigo ramal foi incorporado à EF Leopoldina ea Linha Auxiliar, um final de novo em Três Rios , onde há baldeação.

Uma linha, entre o início e estação de Japeri, onde se encontra com uma Linha do Centro por primeira vez, transformar-se em linha de trens de subúrbios , que operam até hoje; Da mesma forma, a linha se confunde com uma Linha do Centro entre como estações de Paraíba do Sul e Três Rios, onde, devido à diferença de bitolas entre como duas redes, existe bitola mista.


Estação Belém (Japeri)

Nos anos 60, toda uma linha para um Leopoldina. A linha da Auxiliar teve o traçado alterado nos anos 1970 quando boa parte dela foi usada para uma linha cargueira Japeri-Arará , entre Costa Barros e Japeri, ativa até hoje, bem como para trens metropolitanos entre o Centro e Costa Barros. Entre Japeri e Três Rios, entretanto, uma linha está abandonada já desde 1996.



Variante Japeri x Brisamar

O triângulo de Japeri

A estação de Japeri já foi um importante entroncamento ferroviário e uma base de operação da EFCB .
Devido ao seu posicionamento dos pés da Serra do Mar , foi ao longo do tempo do ponto de preparação da subida dos trens serra acima, sediando locomotivas de auxílio , e manutenção leve , tanto de equipamentos quanto da via.


Variante Japeri-Brisamar

Na época da tração a vapor como locomotivas Normalmente precisão ser giradas para permitir o seu tráfego em em ré durante longos trechos (há exceções como como locomotivas "Ramonas" da EF Leopoldina), para isto como ferrovias construíam triângulos de reversão .

Japeri devido a sua importância não tem o seu pátio 2 triângulos , um para atender aos trens da linha auxiliar , bitola métrica, e outro para os trens da linha do centro da EFCB, bitola de 1,6 metros "larga".

A linha auxiliar da Central / leopoldina foi devorada pelo tempo , e junto com o seu triângulo de reversão .
O da linha do centro ainda existe, mas com uma função bem menos nobre, ópera hoje como um " bota-foros ", uma localização local ou um lixo removido das linhas é descarregado.


Vista aérea de Japeri - Entroncamento ferroviário

Durante anos depois de uma desativação de tração a vapor, até meados da década de 90, uma ferrovia com uma parte de ação, continuaram a ser feitas como reversões de trens de serviço , do Barrinha, e inspeção de TUEs - trens unidade elétricos .

Como curiosidade, quando se decidiu construir uma variante Japeri-Brisamar (finalizada em 1974), uma década de construção a partir da ponta do triângulo em direção ao Rio Guandu , chegando a abrir uma linha até margens do rio.

Percebendo que uma nova variante para o tráfego de minério sofreria interferência dos TUEs da linha de subúrbio, que utiliza a pátio de Japeri , e até mesmo uma inconveniência de atravessar o centro urbano do então distrito de Nova Iguaçu , ao invés de partir de Japeri a RFFSA Mudou o ponto de saída da linha para Guedes Costa (Km 64), uma placa de inauguração da variante inclusive na estação de Japeri.

Depois disso, uma linha até uma margem do Guandu foi usada como bota-for, enquanto o trecho da linha junto ao pátio de Japeri  era utilizado para versões reversas e equipes para apoio à manutenção dos TUEs da Divisão Especial de Subúrbios da RFFSA.

A ferrovia atravessava Japeri partindo em 4 direções, Engenheiro Pedreira , Paracambi , Barra do Piraí atravessando o Rio Santanna , e de Alzejur para Três Rios, beirando o Rio Santanna se a variante de prosseguido dos próximos cinco metros parte de Japeri . Isso mostra uma questão que já teve este entroncamento, ea decadência que o ativo.


Estação JAPERI

A estação de Belém foi inaugurada em 1860, às margens da Estrada do Presidente Pedreira , localização que constava, não Decreto 4373 de 20 de maio de 1869 , ou seja, 9 anos depois da abertura da estação. Foi o ponto terminal do segundo trecho inaugurado pela EF Dom Pedro II - o primeiro foi até Queimados , em 1858.
Estação Japeri

"Na estação de Belém a plataforma não é coberta" (Relatório de S. Ex. Sr. Ir. Conselheiro Joaquim Antão Fernandes Leão , Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas , pelo Conselheiro Manoel da Cunha Galvão, em 29/10/1868).

A partir de 1898, passou a ser também a estação da EF Melhoramentos , que também possui o centro do Rio de Janeiro (da estação de Alfredo Maia ) e seguia, semper com bitola métrica, para Porto Novo, também galgando a Serra do Mar. A Central do Brasil acabou por incorporar essa linha em 1903, alterando seu nome para Linha Auxiliar.

"(...) depois de uma rodaria da locomotiva até Belém. Aí uma baldeação incômoda por afluência de passageiros, alguns aliviados de dinheiro por gatunos, muitos condenados a viajar de cegonha, num pé e noutro. Novo trem, nova máquina, nova linha não nova, uma antiga Estrada de Ferro Melhoramentos.
A Central chamou-a a si, para mostrar superioridade, crismou, denominando-a Linha Auxiliar "( Revista Eu Sei Tudo, fevereiro de 1930 ).

Na viagem relatada, o passagem da estação Dom Pedro II até Belém pela linha principal, baldeando na estação para a Linha Auxiliar. Era praticamente uma primeira parada do trem para São Paulo ou Belo Horizonte , depois de sair do Rio de Janeiro, sendo que em algumas épocas já paradas intermediárias, como em Cascadura , Deodoro ou Nova Iguaçu . Nos anos 1940 a estação alterou seu nome para Japeri.

Mais tarde, era ali o ponto de partida do trem Barrinha , que transportava os passageiros e a produção agrícola da serra para Barra do Piraí , e foi extinto em 1996, depois de uma grande desastre com vítimas .

Por ocasião do lançamento dos selos em homenagem às estações Luz, Japeri e São João Del Rei, uma revista Ferrovia de julho e agosto de 1984, publicou o seguinte texto sobre uma estação Japeri:

"O prédio no mesmo estilo das construções usadas no norte da Europa , foi construído na técnica emxaimel , que consiste em estacas ou caibros de madeira constituindo um engradado destinado a receber a vedação de alvenaria de tijolo maciço.

O telhado, em telhas francesas originais, é formado de três elementos: o primeiro cobrando o corpo principal do prédio; Os outros dois, em quatro águas, com os fundos de vestidos dos dois pavimentos superiores que formam os corpos laterais.

Os elementos decorativos das fachadas são compostos pela própria estrutura de madeira formando desenhos geométricos , pelas mãos francesas e pelos apliques em madeira recortada "( Jorge Alves Ferreira, 2003 ).

" Não temos lugar nos bancos mas por sorte achei um espaço pra sentar no chão próximo a uma das portas. A viagem que em média dura 1 hora e meia, levou duas horas. Cheguei na estação de Japeri por volta das 8 da noite. Parei Numa quiosque que fica dentro da estação. Conheço o pessoal de lá de outras vezes que fui a Serra do Mar. Estava com fome e poucas compras de bens para uma caminhada propriamente dita. Comi um salgado de frango (eu acho) e um Refrigerante. Comentava com o dono do quiosque sobre meus planos (Carlos Latuff, 24/08/2003).

A verdade é que, o velho prédio está abandonado e, pior, cheio de cupins; Os pacotes são vendidos em local diferente na plataforma. O prédio da antiga estação, enfim, é apenas uma velha fantasia.


Trem de passageiros que percorria o trecho entre a estação de Japeri, não pé da Serra das Araras, e da Barra do Piraí, não é seu topo e parava na maioria das obras antigas de trecho.

Resquício dos antigos trens de passageiros que percorriam uma linha do Centro em sua totalidade, apareceu em meados dos anos de 1970, sendo suprimido devido a um acidente trágico na manhã de 18/09/1996, quando a composição, com 90 passageiros, foi pega por Um cargueiro que desceu a serra desgovernado, a 700 metros da estação de Japeri.

O Barrinha ainda voltou a andar em 2002 , por uma vez, em viagem experimental. Curiosamente, nos anos 1960 era conhecido como " Trem Bacurau ".

Percurso:
Linha do Centro, sem trecho de Japeri a Barra do Piraí.
Origem da linha: 
Japeri - P. Frontin - 1863;
P. Frontin - B. Piraí - 1864.

A linha do Centro, da antiga Central do Brasil , foi inaugurada em trechos, desde o final de 1858, quando foi aberto no primeiro trecho na cidade do Rio de Janeiro, até 1948, quando chegou a Monte Azul , sem sertão mineiro próximo a divisa com Bahia , num percurso de mais de milhas. A partir de Lafaiete, uma linha passada de bitola larga para a métrica.

A linha do Centro hoje tem tráfego apenas de trens cargueiros, com exceção da parte próxima ao Rio de Janeiro, por onde trafegam trens metropolitanos de passageiros.


Trem da "Barrinha" - Estação Mendes

Os trens Barrinha, com seu nome certo derivando o nome de Barra do Piraí , começaram como um recém-nascido, não são percurso Barra do Piraí-Japeri na primeira metade dos anos 1970. Antes, como composições partidas de outros pontos, antes de Barra e depois de Japeri, de forma que o percurso era maior.

Em 1976, os guias já são os mais altos dos horários , um santuário de madrugada de Barra e outro próximo ao meio-dia , para um trem e uma volta por um percurso.

Em 1992, já é diesel:

Coaraci Camargo conta em 1992, em Mendes, viu o Barrinha como um TUE rebocado por uma grande locomotiva diesel . Ainda há catenárias mas elas não são mais. Alguns afirmam que o Barrinha em algumas épocas era um trem misto , pois também tinha vagões cargueiros que transportavam uma economia da região da serra .
Acidente com o trem "Barrinha"


O Barrinha foi extinto sob protestos em 1996, ainda com muitos usuários. Como cidades e vilas que existem, não há seu percurso de serra dependente, mas para transporte de pessoas como de mercadorias:  O Barrinha tinha vagões de carga também para isso. Um acidente nesse ano com um trem cargueiro e muitas mortes para uma desculpa ideal para uma desativação do trem, aliado à prevista privatização da linha na época.


Linhas Municipais e Intermunicipais que servem à população Japeriense

Transportes Blanco
106P - Nova Iguaçu - Paracambi (Via Lajes / Japeri)
111P -Japeri X Nova Iguaçu-via Dutra / pq industrial
192C - Central - Japeri
451B - Central - Engenheiro Pedreira
452B - Eng.pedreira X Central -via jd.Delamare (TU)
1907B - Japeri x Passeio

Expresso São Francisco
180I - Nova Iguacu x Japeri-via Eng. Pedreira

Fazeni Transportes e Turismo
565I - Japeri X Queimados-Via Teófilo Cunha / jd. Delamare-Nova Belém
Variante Japeri X queimados -via santa Inês / jd. Delamare-nova Belém (desativada)
570I - Engenheiro Pedreira x Queimados (via Sta Amelia e Mare Mansa)
575I - Jaceruba x Japeri / Via Pedra lisa
750I - Engenheiro Pedreira x Jaceruba / via est. Teófilo Cunha

S / N - Eng. Pedreira X Casa de custódia-via alecrim-presídio
S / N- Japeri X Planetário-via Ns .Fátima -fazenda Americana

Gardel Turismo Ltda
640I - Engenheiro Pedreira x Queimados (via Belmonte)
640i - Queimados x Engenheiro Pedreira-via avenida berna
645I - Engenheiro Pedreira x Queimados (via Dutra-pq industrial-VKS)
08-Engenheiro Pedreira - Cosme e Damião

06-Engenheiro Pedreira - Guandu
07-Engenheiro Pedreira - Sta. Teresinha

Linave Transportes
MP74 -Japeri X Miguel Pereira (via arcozelo)
MP74 -Japeri X Paes Leme

Tags : ,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[2][iconeI][style-1][LEIA TAMBÉM][As mais lidas até o momento]

Somos movidos pelo interesse de explorar os meios, modos e regras que integram o sistema de mobilidade urbana no Estado do Rio de Janeiro. O avanço tecnológico tem trazido mais dinamismo nas cidades, fazendo com que a população evolua e acompanhe esse avanço.

Buscamos obter informações, matérias, históricos e projetos de mobilidade e transformação urbana, assim como a realização de visitas técnicas em empresas, concessionárias e instituições relacionadas à Mobilidade Urbana do RJ, cuja perspectiva é abordar temas mais diversos e estar inteirado no que há de vir nos serviços de transportes.


Mobilidade nas Ruas: Distrito de Santo Aleixo (Magé)

O Distrito de Santo Aleixo localiza-se no extremo norte do município de Magé, junto às divisas de Petrópolis e Guapimirim; distanciando-se n...

Outras Matérias

NOSSOS PARCEIROS