Linha 4 do Metrô não atinge a capacidade esperada

| Sem comentário
Linha 4 do metrô do Rio liberou catraca e reduziu tarifa para atrair passageiros


Inaugurada a seis dias da abertura da Olimpíada do Rio, em julho do ano passado, a linha 4 do metrô opera atualmente com quase metade da sua capacidade máxima, estimada em 300 mil passageiros nos estudos que antecederam a execução da obra mais cara dos Jogos Olímpicos (R$ 10,4 bilhões).

Quase um ano depois, para atrair mais público, a concessionária responsável pelo sistema decidiu dar uma semana de catracas liberadas e, ao fim do período de gratuidade (que foi de 8 a 16 de abril), anunciou uma redução na tarifado trecho entre as estações da Barra da Tijuca, zona oeste, e General Osório, zona sul. A partir desta segunda-feira (17), os usuários pagam R$ 3 -quase 30% a menos do que o valor original (R$ 4,80)

O MetrôRio informou que a Secretaria de Estado de Transportes estima que a linha 4 precise de mais três anos para atingir a sua capacidade plena. Com as promoções divulgadas recentemente, a circulação passou de 110 mil passageiros. O número mais alto já registrado.

Histórico da linha

As obras da linha 4 começaram em 2010, sem preço definido, e acabaram custando praticamente o dobro do valor que havia sido estimado. Além disso, representaram mais de um quarto dos R$ 39,1 bilhões gastos na organização e infraestrutura da Rio-2016. Já no ano passado, no âmbito da Operação Lava Jato, havia indícios de corrupção envolvendo o Estado e o consórcio composto pela Odebrecht e liderado pela Queiroz Galvão.

Apesar do alto investimento, o sistema não ficou totalmente pronto antes da Olimpíada e da Paraolimpíada. Além dos indícios de irregularidade, a construção foi prejudicada pela crise financeira do Estado e por mudanças no projeto original. Durante os eventos, o funcionamento era restrito ao público que se deslocava até os locais de competição, no Parque Olímpico da Barra. Em setembro, a linha 4 foi oficialmente aberta ao público, das 6h às 21h.

Em 25 de março, a baldeação na estação General Osório, em Ipanema, foi eliminada do trajeto da linha 4, possibilitando a conexão direta entre as linhas 1 e 4. Com isso, houve um aumento efetivo de 25% na circulação, informou o MetrôRio. A empresa divulgou ainda que os horários de pico das três linhas de metrô (1, 2 e 4) ocorrem entre 6h e 9h e 16h30 e 20h30. A estação Jardim Oceânico é a mais movimentada, com passagem de aproximadamente 52 mil pessoas por dia útil.
Tags :

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[2][iconeI][style-1][LEIA TAMBÉM][As mais lidas até o momento]

Somos movidos pelo interesse de explorar os meios, modos e regras que integram o sistema de mobilidade urbana no Estado do Rio de Janeiro. O avanço tecnológico tem trazido mais dinamismo nas cidades, fazendo com que a população evolua e acompanhe esse avanço.

Buscamos obter informações, matérias, históricos e projetos de mobilidade e transformação urbana, assim como a realização de visitas técnicas em empresas, concessionárias e instituições relacionadas à Mobilidade Urbana do RJ, cuja perspectiva é abordar temas mais diversos e estar inteirado no que há de vir nos serviços de transportes.


Mobilidade nas Ruas: Distrito de Santo Aleixo (Magé)

O Distrito de Santo Aleixo localiza-se no extremo norte do município de Magé, junto às divisas de Petrópolis e Guapimirim; distanciando-se n...

Outras Matérias

NOSSOS PARCEIROS